GERAÇÃO Z E AS METODOLOGIAS ATIVAS DE APRENDIZAGEM: desafios na Educação Profissional e Tecnológica

Luiz Gustavo da Silva Bispo Andrade, Niliane Cunha Aguiar, Rodrigo Bozi Ferrete, Juliane dos Santos

Resumo


Este artigo trata das metodologias ativas como uma possibilidade educativa inovadora para a Geração Z, considerando suas especificidades. O estudo tem como base o levantamento bibliográfico pertinente à temática, abordado na disciplina Teorias e Práticas de Ensino e Aprendizagem, no âmbito do PROFEPT (Programa de Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica), do Instituto Federal de Sergipe, Campus Aracaju. Objetivou-se discutir as práticas de ensino dos professores denominados imigrantes digitais, direcionadas aos alunos do século vigente, ditos nativos digitais, bem como os desafios dessas inter-relações. Os resultados apontam que as metodologias ativas de aprendizagem, com o uso das TDIC (Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação) se caracterizam como uma proposta de ensino dinâmica e inovadora para a EPT (Educação Profissional e Tecnológica), propiciando maior autonomia aos discentes e ampliando as possibilidades de diálogo no contexto da sala de aula. O respectivo trabalho é importante na medida que se atualiza quanto aos métodos e técnicas mais apropriados para o aluno hodierno. Busca revelar também de que maneira o aluno pode ser um agente ativo no meio escolar, e sem diminuir a importância do professor no processo de ensino-aprendizagem, traga o protagonismo do aluno à tona.


Palavras-chave


Metodologias Ativas. Tecnologias Digitais. Geração Z. Educação Profissional e Tecnológica.

Texto completo:

PDF

Referências


BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. (Org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BARATO, Jarbas Novelino. Conhecimento, trabalho e obra: uma proposta metodológica para a Educação Profissional. B. Téc. Senac: a R. Educ. Prof, v.34, n. 3, 2008. Disponível em: http://www.bts.senac.br/index.php/bts/article/view/262/245. Acesso em: 21/01/2019

BARBOSA, Eduardo Fernandes; MOURA, Dácio Guimarães de. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. B. Tec. Senac, Rio de Janeiro, v. 39, n.2, p.48-67, maio/ago. 2013. Disponível em: http://www.bts.senac.br/index.php/bts/article/view/349. Acesso em: 21/03/2019

BASTOS, C. C. Metodologias ativas. 2006. Disponível em: http://educacaoemedicina.blogspot.com/ 14 fev. 2010. Acesso em: 21/01/2019

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem, 2016

BERTRAND, Yves. Teorias contemporâneas da educação. 2. ed. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

BLIKSTEIN, P. O mito do mau aluno e porque o Brasil pode ser o líder mundial de uma revolução educacional. 25 jul. 2010. Disponível em: http://www.blikstein.com/paulo/documents/books/ Blikstein-Brasil_pode_ser_lider_mundial_em_educacao.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. DOU, Brasília, 23 dez. 1996. disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/ l9394.htm. Acesso em: 20 fev. 2019.

CHARLOT, Bernard. O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. Revista da Faeeba: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 17, n. 30, p. 17-31, jul.-dez., 2008.Disponível em: http://www.uneb.br/revistadafaeeba/files/2011/05/numero30.pdf. Acesso em 20 jan. 2019.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2014.

CHERUBIN, Karina Gomes. Para lidar com a geração z, professores recorrem a redes sociais. Disponível em: http://mpcidadania.ning.com/profiles/blogs/para-lidar-com-geracao-z-professor-recorre-as-redes-sociais. Acesso em: 08 abr. 2019.

COUPLAND, Douglas. Geração X: contos para uma cultura acelerada. Lisboa: Teorema, 1994.

COSTA, C. O papel do docente hoje é fazer parceria com os alunos. Ensino Superior Campinas/SP, Unicamp, 2015.

FEIXA, Carles; LECCARDI, Carmen. O conceito de geração nas teorias sobre juventude. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 25, n. 2, p. 185-204, maio/ ago. 2010. Disponível em: http://www.scielo. br/scielo.php?script=sci_ a r t t e x t & p i d = S 0 10 2- 69922010000200003 Acesso em: 30 abr. 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

GRECO, Alessandro. A web 3.0: A internet vai dar um salto qualitativo com a web semântica. Revista BR, ano 2, n.2, 2010.

HORN, M. B.; STAKER, H. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

LIBÂNEO. Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas. Educar, Curitiba, n. 17, p.153-176, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n17/n17a12.pdf. Acesso em: 04 mar 2019.

MATTAR, J. Metodologias Ativas: para a educação presencial, blended e a distância. São Paulo: Artesanato Educacional, 2017.

MATOS, Vinícius Costa. Sala de aula invertida: uma proposta de ensino e aprendizagem em matemática. 142 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática/PROFMAT). Universidade de Brasília, Brasília/DF, 2018.

MAZZUR, Eric. Peer Instruction: a revolução da aprendizagem ativa. Porto Alegre: Penso, 2015.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T; BEHRENS, M. A. Novas Tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. São Paulo: Papirus, 2013.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergência Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. v. 2, p. 15-33, 2015.

MORAN, J. M. Desafios na comunicação pessoal. 3. ed. São Paulo: Paulinas, 2007.

MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. 2. Ed. São Paulo: EPU, 2011.

PALFREY, John; GASSER, Urs. Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração dos nativos digitais. Porto Alegre: Artmed, 2011.

PEREIRA, W. O.; LIMA, F. T. Desafio, discussão e respostas: estratégia ativa de ensino para transformar aulas expositivas em colaborativas, Einsten, São Paulo, n.16, v.2, p.1–4, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/eins/v16n2/pt_1679-4508-eins-16-02-eED4362.pdf. Acesso em: 12 mar. 2019.

RAMOS, Marise N. Ensino médio integrado: lutas históricas e resistências em tempos de regressão. In.: ARAÚJO, Adilson; SILVA, Cláudio Nei Nascimento da (Orgs.). Ensino Médio integrado no Brasil: fundamentos, práticas e desafios. Brasília/DF: Ed. IFB, 2017, p. 20-43.

SAVAGE, Sam. The generation z connection: teaching information literacy to the newest net generation. RedOrbit, Nashville, 19 fev. 2006. Disponível em: http://www.redorbit.com/news/ technology/397034/the_ generation_z_connection_teaching_inforation_ literacy_to_the_newest/. Acesso em: 30 abr. 2019

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3.ed. Campinas/SP: Autores Associados, 2011.

SUHR, Inge Renate Frose. Desafios no uso da sala de aula invertida no ensino superior. Revista Transmutare, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 4-21, jan./jun. 2016. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rtr/article/view/3872. Acesso em: 12 mar. 2019.

TEIXEIRA, G. P. Flipped classroom: um contributo para a aprendizagem da lírica camoniana. 2013. 167 f. Dissertação (Mestrado em Gestão de Sistemas de ELearning) - Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova Lisboa, Lisboa, 2013. Disponível em: http://run.unl.pt/bitstream/10362/11379/1/29841_Teixeira_FlippedClassroom_LiricaCamoniana.pdf. Acesso em: 03 abr. 2019.

TREVELIN, A. T. C.; PEREIRA, M. A. A.; NETO, J. D. O. A utilização da sala de aula invertida em cursos superiores de tecnologia: comparação entre o modelo tradicional e o modelo invertido flipped classroom adaptado aos estilos de aprendizagem. Revista Estilos de Aprendizaje, Madrid, v. 11, n.12, 2013. Disponível em: https://www2.uned.es/revistaestilosdeaprendizaje/numero_12/articulos/articulo_8.pdf. Acesso em: 05 mar. 2019.

VALENTE, José Armando. Blended Learning e as mudanças no Ensino Superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista: Dossiê Educação a Distância, Curitiba: UFPR, Edição especial n. 4, p. 79-97, 2014. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/educar. Acesso em: 12 mar. 2019.

VALENTE, José Armando. A comunicação e a educação baseada no uso das tecnologias digitais de informação e comunicação. Revista UNIFESO, v. 1, n. 1, 2014, pp. 141-166. Disponível em: http://www.revista.unifeso.edu.br/index.php/revistaunifesohumanasesociais/article/view/17. Acesso em: 12 mar. 2019.

VASCONCELOS, Clara; PRAIA, João Félix; ALMEIDA, Leandro S. Teorias de Aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, v. 7, n. 1, p. 11-19, jun. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-85572003000100002&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 mar. 2019.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.




DOI: https://doi.org/10.15628/rbept.2020.8575

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

RBEPTISSN 2447-1801 (Eletrônico)

Indexação: Latindex - DOAJIresie - Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa - BBE – Bibliografia Brasileira de Educação – (Brasil-Cibec/Inep/MEC)  - ERIH PLUS – European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences - Sistema eletrônico de editoração de revistas do IBICT - OasisBr - Portal de Periódicos CAPES/MEC - Diadorim - Sumários.org - LivRe - Catálogo de Periódicos de Livre Acesso - CrossRef -  Google Scholar - WorldCat - Airiti Library - MIAR - Information Matrix for the Analysis of Journals - International Institute of Organized Research (I2OR) - LatinREV - Red Latinoamericana de Revistas Académicas en Ciencias Sociales y Humanidades - Publons - Citefactor - Scientific Indexing Services (SIS) 

Siga a RBEPT: