CONTRIBUIÇÕES DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DO ACRE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2019.7741

Palavras-chave:

Ciência, Educação Profissional, PIBIC Júnior

Resumo

É perceptível a relevância da iniciação científica na formação dos estudantes, uma vez que além de aproximarem os alunos da pesquisa, proporciona ricas experiências acadêmicas e de vida. O objetivo deste trabalho foi investigar a perspectiva de alunos, docentes e gestores sobre os impactos da iniciação científica na formação dos alunos dos cursos técnicos de nível médio do Instituto Federal do Acre – Campus Cruzeiro do Sul. A pesquisa classifica-se como explicativa, sendo utilizado o método quali-quantitativo, em que foram aplicados questionários semiestruturados a seis egressos que foram bolsistas do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica na modalidade Júnior (PIBIC Jr), a 14 docentes e três integrantes da equipe gestora. Os resultados evidenciam que os alunos compreendem a importância da iniciação científica para a sua formação e que, além de aproximá-los da ciência, habilidades como escrita, leitura, trabalho em equipe e expressão oral são melhoradas. A maioria dos docentes também ratifica essa importância da iniciação científica nos cursos técnicos, no entanto relatam que há limitações às atividades de pesquisa, sendo a infraestrutura inadequada e a falta de tempo, apontadas pela maioria dos entrevistados. A equipe gestora também declara ser importante a iniciação científica, concorda haver fatores limitantes à pesquisa no campus e citaram seus esforços na busca da minimização e/ou resolução destas problemáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ALENCASTRE, M. B.; ÉVORA, Y. D. M.; SCOCHI, C. G. S.; SANTOS, B. M. O. Programa institucional de bolsas de iniciação científica – experiência da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 4, n. 2, p. 229-236, julho. 1996. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11691996000200018&script=sci_arttext&tlng=es>. Acesso em 01 de mar. 2016.

AMORIM, F. F. Iniciação científica: investindo em novos talentos. Ciência Saúde, v. 22, n. 4, p. 297-400, 2011.

ANTUNES, A.; PEREIRA-JUNIOR, N.; EBOLE, M. F. Gestão em Biotecnologia. 1ª ed. Rio de Janeiro: E-Papers, 2006, 324p.

BALLARIN, M. L. G. S.; TOLDRÁ, R. C. A trajetória do pesquisador e da iniciação científica no curso de graduação em Terapia Ocupacional da PUC-Campinas. Caderno de Terapia Ocupacional UFSCAR, v. 9, n. 2, p. 67-79, 2001.

BARACHO, M. G.; SILVA, A. F.; MOURA, D. H.; PEREIRA, U.A. Políticas públicas de formação de professores e de financiamento. In: Ensino Médio Integrado à Educação Profissional. Boletim 07, Brasília: MEC, 2006.

BASTOS, F., MARTINS, F.; ALVES, M.; TERRA, M.; LEMOS, C. S. A importância da iniciação científica para os alunos de graduação em Biomedicina. Revista Eletrônica Novo Enfoque, v. 11, n. 11, p. 61-66, 2010.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. D.O.U. Seção 1, de 30 de dezembro de 2008. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 6, de 20 de setembro de 2012. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio.

BRIDI, J. C. A.; PEREIRA, E. M. A. O impacto da iniciação científica na formação universitária. Olhar do Professor, v. 7, n. 2, p. 77-88, 2004.

BRIDI, J. C. A. Atividade de pesquisa: contribuições da iniciação científica na formação geral do estudante universitário. Olhar de professor, Ponta Grossa, v. 13, n. 2, p. 349-360, 2010.

CAMPOS, F. G. G.; SANTOS, R. F.; SANTOS, F. C. P. A importância da pesquisa científica na formação profissional dos alunos do curso de educação física do UNILESTEMG. Movimentum: Revista Digital de Educação Física, v. 4, n. 2, p. 12-11, 2009.

CARDOSO, G. P.; SILVA-JUNIOR, C. T.; CARVALHO-NETO, A. L. C.; TOUÇA, A. S.; MATTOS, A. C. M. T.; PACHECO, A. B.; BRÍGIDO, D. C.; NACIF, I. Dez anos de iniciação científica: o que aprendemos? Experiência da disciplina de Iniciação Científica no curso de Medicina da UFF. Pulmão RJ, v. 14, n. 2, p. 131-136, 2005.

CARVALHO, O. F.; SOUZA, F. H. M. Formação do docente da educação profissional e tecnológica no Brasil: um diálogo com as faculdades de Educação e o curso de Pedagogia. Educação e Sociedade, v. 35, n. 128, p. 629-996, jul.-set. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302014000300883&script=sci_arttext>. Acesso em: 15 nov. 2015.

CASTRO, M. H. Produção cientifica dos docentes de Escola Superior de Agricultura Lavras: análise quantitativa. Campinas, 1992. Dissertação (Mestrado em Biblioteconomia) - Departamento de Biblioteconomia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

CNPq. Anexo V da RN-017/2006. Iniciação Científica Júnior – ICJ. 2006. Disponível em: < http://www.cnpq.br/documents/10157/96bfa431-898f-49b8-a70f-4c070af213e6>. Acessado em 18 nov. 2015.

DIRETÓRIO DE GRUPOS DE PESQUISA (DGPB/CNPq). Disponível em: <http://lattes.cnpq.br/>. Acesso em: 05 nov. 2015.

ERDMANN, A. L.; LEITE, J. L.; NASCIMENTO, C. N.; LANZONI, G. M. M. Vislumbrando o significado da iniciação científica a partir do graduando de enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, v. 14, n. 1, p. 26-32, 2010.

ERDMANN, A. L.; PAGLIUCA, L. M. F. Iniciação científica: uma trajetória para a pesquisa. Online Brazilian Journal of Nursing, v. 6, n. 1, 2007.

ESCOTT, C. M.; SOUZA, C. S. S.; HECK, J. X. Desafios da gestão da pesquisa em uma instituição de educação superior pública multicampi no Brasil. In: COLÓQUIO DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA DAS AMÉRICAS, 13, 2013. Anais... Florianópolis, UFSC, 2013. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/114886>. Acesso em: 20 set. 2015.

FAVA-DE-MORAES, F.; FAVA, M. A iniciação científica: muitas vantagens e poucos riscos. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1; p. 73-7, jan. 2000.

FONSECA, D. M. A pesquisa e a ação pedagógica: o papel dos programas de iniciação científica. Educativa, v. 15, n. 2, p. 287-299, 2012.

FÓRUM DE REFLEXÃO UNIVERSITÁRIA – UNICAMP. Desafios da pesquisa no Brasil: uma contribuição ao debate. São Paulo em Perspectiva, v. 16, n. 4, p. 15-23, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/spp/v16n4/13570.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2015.

FUJITA, M. S. P. Gestão do potencial de pesquisa da universidade: proposta de atuação do profissional da informação em Escritórios de Pesquisa na UNESP. Informação e Informação, v.3, n. 2, p. 33-42, 1998.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOULART, A. T. A importância da pesquisa e da extensão na formação do estudante universitário e no desenvolvimento de sua visão crítica. Horizonte, v. 2, n. 4, p. 60-73, 2004.

HARTMANN, A. M.; ZIMMERMANN, E. Feira de Ciências: a interdisciplinaridade e a contextualização em produções de estudantes de ensino médio. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciência, 7. Anais... Florianópolis, 2009. Disponível em: < http://www2.unifap.br/rsmatos/files/2013/10/178.pdf>. Acesso em: 12 nov. 2015.

IFAC. Resolução nº 001/2015 – CONSU/IFAC. Disponível em: <http://www.ifac.edu.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=3533&Itemid=120>. Acesso em: 18 nov. de 2015.

_______. Manual de Fluxos e Serviços dos Setores de Campus Cruzeiro do Sul – IFAC. Disponível em: <http://www.ifac.edu.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=3826&Itemid=381>. Acessado em 18 nov. 2015.

_________. 2011. Disponível em <http://www.ifac.edu.br/index.php?option=com_content&view=article&id=694:ifac-realiza-i-mostra-de-pesquisa-e-inovacao&catid=35:destaques>. Acesso em: 15 mar. 2016.

LACERDA, A. L.; WEBER, C.; PORTO, M. P.; SILVA, R. A. A importância dos eventos científicos na formação acadêmica: estudantes de Biblioteconomia. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, v. 13, n. 1, p. 130-144, 2008.

LEÃO, G. M. C.; JACOMEL, M. C. W.; TAVARES, V. S. O compromisso do IFPR com o ensino profissional tecnológico no Estado do Paraná. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 3, n. 1, p. 176-192, 2014.

MACHADO, D. P. et al. Incentivo à pesquisa científica durante a graduação em Ciências Contábeis: um estudo nas universidades do Rio Grande do Sul. Revista de Informação Contábil, Recife, v. 3, n. 2, p. 37-60, abr. 2009.

MARTINS, G. M. M. O que queremos da escola média?A perspectiva de pesquisadores, professores e estudantes de ensino médio. Espacios en Blanco, Serie Indagaciones, v. 22, n. 1, p. 143-164, 2012.

MOCELIN, D. G. Concorrência e aliança entre pesquisadores: reflexões acerca da expansão de grupos de pesquisa dos anos 1990 aos 2000 no Brasil.Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v.6, n. 11, p. 35-64, 2009.

MOURA, D. H. Educação Básica e Educação Profissional e Tecnológica: dualidade história e perspectivas de integração. Holos, v. 2, n. 23, p. 4-30, 2007. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2015.

OHIRA, M. L. B. Por que fazer pesquisa na universidade? Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, v. 3, n. 3, p. 65-76, 1998.

OLIVEIRA, N. A.; ALVES, L. A.; LUZ, M. R. Iniciação científica na graduação: o que diz o estudante de Medicina? Revista Brasileira de Educação Médica, v. 31, n. 3, p. 309-314, 2008.

PALMEIRA, I. P.; RODRIGUEZ, M. B. A investigação científica no curso de Enfermagem: uma análise crítica. Escola Anna Nery Revista Enfermagem, v. 12, n. 1, p. 68-75, 2008.

PEREIRA, L. O.; INOCENTI, A.; SILVA, G. B. A iniciação científica na graduação em Enfermagem na Universidade de São Paulo (1993-1996): análise crítica. Revista Latino-americana de Enfermagem, v. 7, n. 3, p. 77-86, jul. 1999.

QUEIROZ, S. L.; ALMEIDA, M. J. P. M. Do fazer ao compreender ciências: reflexões sobre o aprendizado de alunos de iniciação científica em química. Ciência e Educação, Bauru, v.10, n.1, p.41-53, 2004.

SILVA, C. J. R (org). Institutos Federais lei 11.892, de 29/11/2008: comentários e reflexões. Natal: IFRN, 2009. Disponível em http://portal.mec.gov.br/ setec/arquivos/pdf7/publicações. Acesso em: 01 mar. 2016.

SOUZA, J. M. T.; MARQUES, H. V. C. F. Contribuições da iniciação científica no processo de ensino e aprendizagem em Química. Caderno de Pesquisa, v. 18, n. 3, p. 31-39, 2011.

TENÓRIO, M. P.; BERALDI, G. Iniciação científica no Brasil e nos cursos de medicina. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 56, n. 4, p. 375-393, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=0104-423020100004&lng=es&nrm=iso>. Acesso em: 01 mar. 2016.

Downloads

Publicado

2019-12-10

Como Citar

DE OLIVEIRA, R. B.; DE AZEVEDO, J. M. A.; AZÊVEDO, H. S. F. da S.; DA CRUZ, J. F.; DA ROCHA, M. S. M. CONTRIBUIÇÕES DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DO ACRE. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 16, p. e7741, 2019. DOI: 10.15628/rbept.2019.7741. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/7741. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS