A PESQUISA COMO PRINCÍPIO PEDAGÓGICO E SUA MATERIALIDADE LINGUÍSTICA: ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2019.7289

Palavras-chave:

Educação profissional, Curso Técnico Subsequente, Ensaio curto dissertativo.

Resumo

As políticas educativas nacionais apontam a pesquisa como princípio pedagógico e a tecnologia de informação e comunicação como conteúdos essenciais para a formação geral e profissional. Esta pesquisa em Psicolinguística Aplicada objetiva testar estratégias para a ampliação da competência produtiva escrita dissertativa por meio da unidade de ensino ensaio curto dissertativo na Educação Profissional Técnica de Nível Médio. A metodologia foca na pesquisa-ação, o teste como instrumento e estudantes do Curso Técnico Subsequente em Panificação e Confeitaria como sujeitos da pesquisa. Os resultados indicam que todos os estudantes que participaram das atividades propostas na intervenção qualificaram em grande escala a textualização das variáveis em análise, porém os estudantes com déficit no uso das TIC tiveram dificuldades em desenvolver todo o conteúdo selecionado. Conclui-se que a habilidade com essas tecnologias se torna indispensável para a prática efetiva do letramento conforme está sendo proposto nas diretrizes para a qualidade da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Salete Valer, Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina

Doutora em Psicolonguística, Docente em Linguagem no Ensino Médio, Cursos Técnicos e Tecnológicos e Mestrado  em EPTRedeFederal.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: Informação e documentação: citação em documentos. Rio de Janeiro, 2002.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981 [1929].

_____. Estética da criação verbal. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1930].

BAZERMAN C. Writing to learn. In: BAZERMANN, Charles et al. Reference Guide to Writing cross the Curriculum. Parlor Press and the WAC clearinghouse. 2005. Disponível em: < wac.colostate.edu/books/bazerman_wac/chapter5.pdf>. Acesso em: 5 maio 2010.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: apresentação dos temas transversais - Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: < portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttransversais.pd>. Acesso em: 30 agos. 2013.

BRASIL. Secretaria da Educação. Parâmetros Curriculares nacionais. Ensino Médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias. 2000. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP 009, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF. 18 jan. 2002, Seção 1, p. 31. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da educação. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. 2002. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional da Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução Nº 6, de 20 de setembro de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 set. 2012, Seção 1, p. 22. 2012a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Profissional e Tecnologia. Catálogo Nacional dos Cursos Técnicos. 2012b. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. 542p. Disponível em:< file:///C:/Users/User/Downloads/diretrizes_curiculares_nacionais_2013%20(3).pdf>. Acesso em: 10 mar. 2014.

CHARTIER, Roger. Hábito de ler está além dos livros, diz um dos maiores especialistas em leitura do mundo. Agência Brasil. 24 jun. 2012. Entrevista concedida a Amanda Cieglinsk . Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2012.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Revisão técnica da tradução Eduardo Guimarães. Campinas, SP: Pontes,1987 [1984].

GOMBERT, J. E. Metalinguístic development. Chicago: University of Chicago Pres,1992.

_____. Metacognition, Metalanguage and Metapragmatics. International Journal of psychology. V. 28 (5), 1993, p. 571-580. Acessível em: <http://valtweb2a.valt.helsinki.fi/blogs/harmo/meta>. Acesso em: 2 fev.2010.

_____.Metalinguagem e aquisição da escrita. In: MALUF, M. R. (Org.). Aquisição da escrita: contribuições da pesquisa para a prática da alfabetização. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

KOCH, I. G. V. Introdução à linguística Textual: trajetória e grandes temas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

______. O texto e a construção dos sentidos. 9 ed. 1ª. Reimpressão - São Paulo: Contexto, 2008 [1997].

MAINGUENEAU, D. Polifonia. In: _____. Elementos de linguística para o texto literário. São Paulo: Martins Fontes, 2001 [1986] p. 85-102.

_____. Análise de textos de comunicação. Tradução de Cecília P. de Souza-e-Silva, Décio Rocha. – 5. ed. – São Paulo: Cortez:2008.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola. 2008.

ROJO, R. (Org.). Escola conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Os gêneros escolares - das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: _____. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização Roxane Rojo e Glais Sales Cordeiro. 2. ed. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. - São Paulo: Cortês, 2007.

THIOLLENT, Michael. Metodologia da pesquisa-ação. 14. ed. - São Paulo: Cortez, 2005.

VALER, S. Competência produtiva escrita: processos argumentativos dos alunos da quinta série do Ensino Fundamental. 2012 - Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Florianópolis, 2012. Disponível em:. Acesso em: 13 jul. 2013.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008 [1930].

Downloads

Publicado

10/12/2019

Como Citar

VALER, S. A PESQUISA COMO PRINCÍPIO PEDAGÓGICO E SUA MATERIALIDADE LINGUÍSTICA: ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 17, p. e7289, 2019. DOI: 10.15628/rbept.2019.7289. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/7289. Acesso em: 7 fev. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS