Ensino médio integrado

desafios para os que lutam por uma escola emancipatória

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2023.14688

Palavras-chave:

Ensino Médio Integrado, Reforma do Ensino Médio, Educação

Resumo

Discute-se as ações e práticas a serem implementadas no sentido de fortalecer a defesa de uma escola pública de ensino médio voltada aos interesses dos jovens da classe trabalhadora. Dialogando com a literatura que aborda o ensino médio e a recente reforma do ensino médio, afirma-se que, embora o ensino médio integrado não seja o projeto ideal de formação da juventude, representa o projeto possível, no âmbito da sociabilidade capitalista. Argumenta-se que valorizar e aprofundar o debate sobre as experiências de implantação do ensino médio integrado nas redes federal e estaduais é fundamental para ter-se condições de se contrapor ao projeto das elites para os jovens das classes trabalhadoras, materializado pela reforma do ensino médio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ramon de Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (1993) e Doutor em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2001). É professor Titular da Universidade Federal de Pernambuco. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação e Qualificação Profissional, atuando principalmente nos seguintes temas: educação profissional, política educacional, ensino médio, juventude e qualificação profissional. É autor dos livros: Informática Educativa (Papirus), A desqualificação da educação profissional brasileira (Cortez), Empresariado industrial e educação brasileira (Cortez) e Agências multilaterais e a educação profissional brasileira (Alínea), GLOBALIZAÇÃO E AS REFORMAS DO ENSINO MÉDIO E DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NO ANOS DE 1990 (IFPR). Organizador do livro "Jovens, Ensino Médio e Educação Profissional: políticas públicas em debate (Papirus). É bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Email para contato: proframondeoliveira1966@gmail.com

Referências

ARAÚJO, Ronaldo Marcos de Lima. Ensino médio brasileiro: dualidade, diferenciação escolar e reprodução das desigualdades sociais. Uberlândia: Navegando Publicações, 2019. DOI: https://doi.org/10.29388/978-85-53111-77-0

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 26 jun. 2014. Seção 1, p. 1, Ed. Extra.

BRASIL. RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 2, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 23 dez. 2019. Seção 1, p. 115.

CANÁRIO, Rui. A escola: das “promessas” às “incertezas”. Educação Unisinos, São Leopoldo - RS. v, 12, n. 2, p. 73-81, mai/ago. 2008. Disponível em: < http://revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/5309/2556>. Acesso em: 27 jun. 2022

CAÚ, José Nildo Alves. A juventude do curso técnico integrado em agropecuária do IFPE: desejos, expectativas e experiências vivenciadas para construção do seu projeto de vida. [Tese de Doutorado em Educação]. Universidade Federal de Pernambuco. 2017

CIAVATTA, Maria. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade In: FRIGOTTO, Gaudêncio;

CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise Nogueira (Orgs.). Ensino médio integrado: concepções e contradições). São Paulo: Cortez, 2005. p. 83-105.

COSTA, Gilvan Luiz Machado. Ensino médio e condições de trabalho do professor em escolas públicas: configurações e perspectivas nas regiões brasileiras. Educação em Perspectiva, Viçosa, MG, v. 9, n. 1, p. 87–103, 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufv.br/educacaoemperspectiva/article/view/6990>. Acesso em: 29 abr. 2022. DOI: https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v9i1.908

FERRETTI, Celso. A reforma do ensino médio e sua questionável concepção de qualidade da educação. Estudos Avançados, São Paulo, v. 32, n. 93, p. 25-42, maio/ago. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/RKF694QXnBFGgJ78s8Pmp5x/?format=pdf&lang=pt. Acesso em:11 set. 2021. DOI: https://doi.org/10.5935/0103-4014.20180028

FRANCO, Maria Ciavatta. (1999). Formação profissional para o trabalho incerto: um estudo comparativo Brasil, México e Itália In

FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis: Vozes,1999, p. 100-137.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out/dez. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/xm7bSyCfyKm64zWGNbdy4Gx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em:11set. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/ES0101-73302014143817

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria. (Orgs.). A formação do cidadão produtivo: a cultura de mercado no ensino médio. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2006.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise Nogueira (Orgs.). Ensino médio integrado: concepções e contradições. São Paulo: Cortez, 2005, p. 83-105.

GONÇALVES, Suzane da Rocha Vieira. Interesses mercadológicos e o “novo” ensino médio. Retratos da Escola, Brasília, v. 11, n. 20, p. 131-145, jan./jun. 2017.Disponível em: < https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/753>. Acesso: 31 ago. 2022. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v11i20.753

GRAMSCI, Antônio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1985.

INEP (2022a). Sinopse Estatística da Educação Superior 2020. Brasília, DF: Inep. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/sinopses- estatisticas/educacao-superior-graduacao. 2022a. Acesso em: 3 ago. 2022.

INEP (2022b). Sinopse Estatística da Educação Básica 2021. Brasília, DF: Inep. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/acesso-a-informacao/dados-abertos/sinopses-estatisticas/educacao-basica, 2022b. Acesso em: 12 ago. 2022.

KRAWCZYK, Nora. Ensino Médio: empresários dão as cartas na escola pública. Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, n.126, p.21-41, jan./mar. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/CBZXrVytNYJvJrdWhvjwP7L/?format=pdf. Acesso em: 3 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302014000100002

KUENZER, Acácia. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 331-354, abr./jun. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/mJvZs8WKpTDGCFYr7CmXgZt/abstract/?lang=pt. Acesso em: 3 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017177723

LEÃO, Geraldo. O que os jovens podem esperar da reforma do ensino médio brasileiro? Educação em Revista [on-line], v. 34, p. 1-23, mar. 2018.Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/edur/v34/1982-6621-edur-34-e177494.pdf. Acesso em: 5 mai. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698177494

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo editorial, 2015.

MOTTA, Vânia Cardoso; FRIGOTTO, Gaudêncio. Por que a urgência da reforma do Ensino Médio? Medida Provisória No 754/2016 (LEI No 13.415/2017. Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 355-372, abr./jun. 2017. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/es/a/8hBKtMRjC9mBJYjPwbNDktk/>. Acesso em: 20 set. 2022 DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017176606

NEVES, Lúcia M. Wanderley; SANT’ANNA. Ronaldo. Gramsci, o Estado educador e a nova pedagogia da hegemonia In.: NEVES, Lúcia M. Wanderley (Org.). A Nova Pedagogia da Hegemonia: estratégias do capital para educar o consenso: São Paulo: Xamã, 2005. p. 19-39.

NOSELLA, Paolo. Ensino médio: em busca do princípio pedagógico. Educação & Sociedade, Campinas, v. 32, n. 117, p. 1051-1066, out./dez. 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/wFtvf3SFQR6y5qfVvNPmY8s/. Acesso em: 3 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302011000400009

OLIVEIRA, Ramon de. Precarização do trabalho: a funcionalidade da educação profissional. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v.15, n. 44, p.247 - 266, jan./abr. 2015. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/5134. Acesso em: 3 out. 2022. DOI: https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.15.044.AC03

RAMOS, Marise Nogueira. Ensino médio integrado: da conceituação à operacionalização. Cadernos de Pesquisa em Educação, v. 19, n.39, p. 15-29, jan./jun. 2014 Disponível em: https://periodicos.ufes.br/educacao/article/view/10243. Acesso em: 23 out. 2022.

SAVIANI, Dermeval. O choque teórico da Politecnia. Trabalho, Educação e Saúde [online], Rio de Janeiro, v.1, n.1. p.131-152. 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1981-77462003000100010. Acesso em: 3 jan. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462003000100010

TORRES, Caroline da Silva. Experiência Formativa e Inserção no Mundo do Trabalho de Egressos do Ensino Médio Integrado. [Dissertação de Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica). Instituto Federal do Sertão Pernambucano, 2020.

YOUNG, Michael. Para que servem as escolas? Educação & sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1287-1302, set./dez. 2007. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/es/a/GshnGtmcY9NPBfsPR5HbfjG/?lang=pt&format=pdf>. Acesso em: 05 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000400002

Downloads

Publicado

29/06/2023

Como Citar

OLIVEIRA, Ramon de. Ensino médio integrado: desafios para os que lutam por uma escola emancipatória. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 23, p. e14688, 2023. DOI: 10.15628/rbept.2023.14688. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/14688. Acesso em: 22 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiê - Guarnicê da Educação, da Democracia e da formação dos trabalhadores

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.