O materialismo histórico e a pesquisa em educação profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2022.13869

Palavras-chave:

materialismo histórico, educação profissional, imagens fotográficas

Resumo

A primeira lição de pesquisa que extraímos do materialismo histórico é que se trata de uma teoria profundamente enraizada nas condições de vida da humanidade de seu tempo, que deve ser historicizada, isto é vista no seu tempo-espaço. Seus conceitos básicos são a totalidade social, mediação, contradição, tempo-espaço e sujeitos sociais. A pesquisa da educação profissional supõe o tratamento da questão do trabalho considerando as condições de vida dos trabalhadores e as relações de trabalho da classe trabalhadora. Vamos, em um primeiro momento, apresentar imagens sobre alguns dos acontecimentos do mundo em que vivemos para pensar sobre a educação profissional e seus fundamentos teóricos; em segundo lugar, vamos nos deter em alguns aspectos da historicidade de materialismo histórico, terceiro, a educação profissional e conceitos fundamentais para a produção do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BRAUDEL. Fernand. (1982). A longa duração. In: ________. História e ciências sociais. Lisboa, Presença.

CHESNAUX, Jean. Hacemos tabla rasa del pasado?A propósito de la historia y de lós historiadores. México: Siglo XXI, 1977).

CIAVATTA, Maria. O trabalho docente e os caminhos do conhecimento. A historicidade da Educação Profissional. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro: RJ Zahar Editores, 1972.

GARCIA, Rafael. Brasil emitiu mais 9,5% de gases-estufa em 2020. O Globo, Mundo, sexta-feira, 29-10-2021, p. 19.

GRAMSCI, Antonio. Obras escolhidas. São Paulo: Martins Fontes, 1978.

GRUPO THESE; MUSEU Pedagógico. Memória e História: registros do desmonte e da resistência da educação pública brasileira (anos 2000...). Rio de Janeiro: UFF-UERJ-EPSJV-Fiocruz; Vitória da Conquista: UESB, 2021.

LIXÃO de roupas no deserto. O Globo, quinta-feira, 11-11-2021, p. 1.

LUCKÁCS, Gyorgy. As bases ontológicas do pensamento e da atividade do homem. Temas de Cências Humanas, São Paulo, (4): 1-18, 1978.

MARINI, Rui M. Dialéctica de la dependencia. 9ª. ed. México: Ediciones Era, 1987.

MARX, K. & ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. 6. ed. São Paulo: Global, 1986.

MARX, K. Formações econômicas pré-capitalistas. trad. João Maia. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

MARX, Karl. Contribuição à crítica da economia política. Lisboa: Paulo: Estampa, 1977.

MARX, Karl. O 18 Brumário e Cartas a Kugelmann. 4ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

MARX, Karl.. O capital. (Crítica da Economia Política). 2 vol.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

MARX, Karl; ENGELS, Friedric. A ideologia alemã (Feuerbach). São Paulo: Ciências Humanas, 1979.

MENDES, Durmeval T. Filosofia da educação brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983

MÉSZÁROS, Istvan. Produção destrutiva e Estado capitalista. São Paulo: Ensaio, 1996.

TALENTO, Aguirre; MUNIZ, Mariana. PGR: Bolsonaro convocou atos antidemocráticos. O Globo, Política, sexta-feira, 01-10-2021, p. 6.

TAVARES, Gonçalo M. Matteo perdeu o emprego. Rio de Janeiro: Foz, 2013, p. 130.

TRAVERSO, Enzo. Il secolo armato. Interpretare le violenze del Novecento. Milano: Feltrinelli, 2012.

TRECHO do Atacama vira cemitério tóxico da moda descartável. Folha de São Paulo, Mercado, sexta-feira, 12-11-2021, p. A 24.

VIECELI, Leonardo. população com fome disputa caminhão de ossos no Rio de Janeiro. Folha de São Paulo, Mercado, quinta-feira, 30-09-2021, p. A 25-26.

Publicado

25/04/2022

Como Citar

CIAVATTA, M. O materialismo histórico e a pesquisa em educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 22, p. e13896, 2022. DOI: 10.15628/rbept.2022.13869. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/13869. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ - Em defesa do projeto de formação humana integral