O CURSO DE ENGENHARIA DE OPERAÇÃO (ANOS 1960/ 1970) E SUA RELAÇÃO HISTÓRICA COM A CRIAÇÃO DOS CEFETS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2009.2952

Palavras-chave:

Educação Profissional, Educação Tecnológica, Ensino Superior, Engenharia de Operação.

Resumo

Este trabalho apresenta alguns aspectos da história dos cursos de Engenharia de Operação no Brasil. A discussão sobre estes cursos surge nos primeiros anos da década de 1960; seu currículo mínimo foi fixado em 1965 e, pouco mais de uma década depois, já seriam extintos. Considerando tais cursos como uma das pontas de uma política maior de cursos superiores diferenciados, procura se mostrar como se relacionam com a concepção de um novo tipo de instituição de ensino superior. Iniciando com a idéia de Centros de Engenharia de Operação, esta concepção culminará, no final da década de 1970, com a criação dos primeiros Centros Federais de Educação Tecnológica (CEFETs), que se constituíram em parte da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marisa Brandão, Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio de Janeiro

Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense (1986). Metre em Educação pela UFF (1997). Doutoranda do PPG em Educação da UFF, desenvolvendo tese
sobre os Cursos Superiores de Tecnologia. É professora de Sociologia do Ensino Médio e Técnico do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (RJ) desde
1993 e tem participado ativamente em estudos sobre a formação profissional no Brasil, em geral, e do próprio CEFET/RJ, em especial.

Referências

CUNHA, L. Antônio. As agências financeiras internacionais e a reforma brasileira do ensino técnico: a crítica da crítica. Mimeo, 22p. (Texto publicado em Dagmar M. L. Zibas, Márcia Ângela da S. Aguiar e Maria Sylvia Simões Bueno (org.), O ensino médio e a reforma da educação básica. Brasília, Plano, 2002)

FONSECA, Marília. O financiamento do Banco Mundial à educação brasileira: vinte anos de cooperação internacional. In: TOMMASI, Lívia De; WARDE, Mirian Jorge, HADDAD, Sérgio (orgs). O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo, Cortez, Ação Educativa e PUC/SP, 1996. Cap. VI, p.229 251.

GÓES FILHO, Joaquim Faria; Netto, Carolina Alice Coutinho (org.). Cursos Superiores de duração reduzida. Versão preliminar de relatório de pesquisa. Rio de Janeiro, FGV/IRH, MEC/INEP, Vol. I, 1976a.

GHISOLFI, Juliana do Couto. Políticas de educação superior norte americanas: faça o que digo mas não faça o que faço?. São Paulo, Cortez, 2004 (Coleção questões de nossa época, v.121).

GRAMSCI, A. Maquiavel, a política e o estado moderno. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1991.

LESSA, José Silva. CEFET-BA - uma resenha histórica: da escola do mingau ao complexo integrado de educação tecnológica. Disponível em: <http://www.cefetba.br/comunicacao/resenha.html> Acesso em: 21 de jan. de 2007.

NASCIMENTO, Osvaldo. O ensino industrial no Brasil: 75 anos do ensino técnico ao ensino superior. RJ, SENAI/DN/DPEA, 1986.

OLIVEIRA, Regina Rita de Cássia. Cursos Superiores de “curta duração” – esta não é uma conversa nova. Revista Educação Tecnológica. Belo Horizonte, v.8, n.2, p.18 25, jul./dez. 2003. Disponível em:.

PETEROSSI, Helena Gemignani. Educação e mercado de trabalho: análise crítica dos cursos de tecnologia. SP, Edições Loyola, 1980.

RODRIGUES, José. O moderno príncipe industrial: o pensamento pedagógico da Confederação Nacional da Indústria. Campinas, SP, Autores Associados, 1998. (Coleção educação contemporânea).

SAVIANI, Dermeval. Análise crítica da organização escolar brasileira através das leis 5540/68 e 5692/71. In: ______. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 16ª ed. Campinas, SP, Autores Associados, 2004. Cap. 15, p.145 170.

SOARES, Rose Mary Dore. Formação de técnicos de nível superior no Brasil: do engenheiro de operação ao tecnólogo. Belo Horizonte, 1983. 342f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 1983.

VIEIRA, Ruy Carlos de Camargo. Relatório sobre o estado da arte do ambiente de formação. Relatório 1, CONFEA, 2003. Disponível em <http://atribuicoes.confea.org.br/> . Acesso em: 21 de jan. de 2007.

Downloads

Publicado

2015-07-29

Como Citar

BRANDÃO, M. O CURSO DE ENGENHARIA DE OPERAÇÃO (ANOS 1960/ 1970) E SUA RELAÇÃO HISTÓRICA COM A CRIAÇÃO DOS CEFETS. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 55–77, 2015. DOI: 10.15628/rbept.2009.2952. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/2952. Acesso em: 17 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS