A EDUCAÇÃO NOS INTRAMUROS DO SISTEMA PRISIONAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES PARA HUMANIZAÇÃO E EMANCIPAÇÃO PELO TRABALHO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2020.11596

Palavras-chave:

Educação libertadora. Sistema penitenciário. Educação nas prisões.

Resumo

O grande desafio do sistema prisional é promover emancipação e humanização. Portanto, apresentamos a educação profissional como proposta de uma formação humana integral, na perspectiva de reinserção social e no mundo do trabalho. Baseamo-nos na pesquisa bibliográfica do tipo documental, que traz as concepções de autores marxistas acerca dessa vertente. Como resultados, verificamos a baixa escolarização, o tempo ocioso, a falta de oportunidade de trabalho e de políticas públicas como fatores que contribuem para a reincidência criminal. Dessa forma, vê-se a Educação Profissional, Técnica e Tecnológica como possibilidade para uma formação omnilateral e para a contemplação do trabalho como princípio educativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Priscila de Lima Gomes, INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS

Mestra em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT/IF GOIANO), Especialista em Docência do Ensino Superior. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Goiás (2012). Atualmente é Pedagoga no Instituto Federal de Goiás (Reitoria).

Léia Adriana da Silva Santiago, Instituto Federal Goiano

Possui graduação em História pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina, doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná, com estágio pós-doutoral na Universidade Autônoma de Barcelona, Espanha, financiado pela Fundação CAPES. Professora do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia Goiano. Coordenadora do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica, ProfEPT - IA campus Morrinhos . Tem experiência na área de Educação, com ênfase no ensino de História, currículo, livros didáticos, politicas públicas latino-americanas e questões étnicas.

Marco Antônio de Carvalho, Instituto Federal Goiano

Professor Titular do Instituto Federal Goiano. Possui graduação (1987) e mestrado (1992) em Administração Rural pela Universidade Federal de Lavras. Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (Conceito CAPES 5). Pós-doutor en el currículo y la formación profesional agrícola en Cataluña del Departamento de Didáctica de las Ciencias Sociales - Facultat de Educaciòn - Universistat Autonoma de Barcelona. Atua no mestrado profissional em educação profissional e tecnológica em temas relacionados à formação profissional, ensino agrícola, educação e mundo do trabalho e gestão educacional.

Willian Rayner Lima, Defensoria Pública DF

Bacharel em Direito. Mestre em Educação Profissional e Tecnológica, Membro da Defensoria Pública do Distrito Federal. Atuação prioritária na área criminal e tribunal do Júri.

Referências

BRANDÃO, Jammilly Fagundes; FARIAS, Angélica. Inclusão Social de Ex-Detentos no Mercado de Trabalho: Reflexões acerca do Projeto Esperança Viva. In: ENCONTRO DE GESTÃO DE PESSOAS E RELAÇÕES DE TRABALHO, 2013, Brasília. Anais [...] Brasília: Associação Nacional de Pós-Graduação pesquisa em Administração - ANPAD, 2013.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei de Execução Penal nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Brasília, Senado Federal, 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7210.htm. Acesso em: 12 out. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.005 de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 1, 26 jun. 2014b. Seção 1, Edição Extra.

BRASIL. Lei nº 12.433, de 29 de junho de 2011. Altera a Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 (Lei de Execução Penal), para dispor sobre a remição de parte do tempo de execução da pena por estudo ou por trabalho. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 jun. 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCiVil_03/_Ato2011-2014/2011/Lei/L12433.htm. Acesso em: 24 nov. 2020.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento nacional de informações penitenciárias. Atualização – junho de 2017. Brasília: Departamento Penitenciário Nacional, 2017. Disponível em: <http://depen.gov.br/DEPEN/noticias-1/noticias/infopen-levantamento-nacional-de- informacoes-penitenciarias-2016/relatorio_2016_22111.pdf>. Acesso em: 10 maio 2019.

CIAVATTA, Maria. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. Trabalho Necessário, Niterói, v. 3, n. 3, 2005.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Os intelectuais. O princípio educativo. Jornalismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001. v. 2.

JULIÃO, Elionaldo Fernandes. A ressocialização através do estudo e do trabalho no sistema penitenciário brasileiro. 2009. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

JULIÃO, Elionaldo Frnandes. A ressocialização por meio do estudo e do trabalho no sistema penitenciário brasileiro. Em Aberto, Brasília, v. 24, n. 86, p. 141-155, nov. 2011. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/2576/1765. Acesso em: 16 set. 2019.

MANACORDA, Mario Alighiero. Marx e a pedagogia moderna. São Paulo: Cortez, 1996.

MARX, Karl. Teorias da mais-valia, história crítica do pensamento econômico. v. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

RIZZI, Ester. A luta pelo Direito à educação de pessoas jovens e adultas nas penitenciárias. Educativa, 2013. Disponível em: http://ponte.org/a-luta-pelo-direito-a-educacao-de-pessoas-jovens-e-adultas-nas-penitenciarias/. Acesso em: 12 out. 2018.

SAUER, Adeum Hilario; JULIÃO, Elionaldo Fernandes. A educação para jovens e adultos em situação de restrição e privação de liberdade no Brasil: questões, avanços e perspectivas. Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação. Seminário Educação nas Prisões. Brasília/DF - CNE - 23 de abril de 2012 (Documento-Referência).

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. 25. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1991.

SHECAIRA, Sérgio Salomão; CORRÊA JUNIOR, Alceu. Pena e Constituição. São Paulo: RT, 1995.

SOUZA, Rafaelle Lopes; SILVEIRA, Andrea Maria. Egressos do sistema prisional no mercado formal de trabalho: oportunidade real de inclusão social?. Revista de Políticas Públicas, v. 21, n. 2, p. 761-780, 2017.

VIEIRA, Elizabeth de Lima. A construção da memória da cultura escolar prisional do Colégio Estadual Mário Quintana: entre o instituído e o instituinte. 2014. Tese (Doutorado) – Programa de Pós Graduação em Memória Social, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

Downloads

Publicado

18/12/2020

Como Citar

GOMES, P. de L.; SANTIAGO, L. A. da S.; CARVALHO, M. A. de; LIMA, W. R. A EDUCAÇÃO NOS INTRAMUROS DO SISTEMA PRISIONAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES PARA HUMANIZAÇÃO E EMANCIPAÇÃO PELO TRABALHO. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 19, p. e11596, 2020. DOI: 10.15628/rbept.2020.11596. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/11596. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ - Trabalho-Educação: possibilidades investigativas na pós-graduação stricto sensu