PERSPECTIVAS ACERCA DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NOS CURSOS DE LICENCIATURA DE UM INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2020.9127

Palavras-chave:

Formação de Professores. Saberes Docentes, Educação Profissional

Resumo

O presente artigo trata do tema formação de professores em um Instituto Federal do Rio Grande do Sul, onde busca-se identificar os parâmetros legais que norteiam a formação de professores na Instituição e como esses pressupostos estão explícitos nos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPCs) das Licenciaturas em Matemática, Química e Ciências Biológicas. Optou-se por uma pesquisa documental tendo como fonte de dados os PPCs mencionados acima, Resolução Consup nº 13/2014 e o Parecer do Conselho Nacional de Educação/CP nº 02/2015. Dessa maneira, percebe-se que a Instituição de ensino preocupa-se com a formação crítica e contextualizada, embasando-se também nos princípios da educação profissional e tecnológica. Entretanto, há desafios para o aperfeiçoamento dessa formação, devido à complexidade da prática educativa e à ampliação da missão docente na atualidade, requerendo não só saberes técnicos, mas uma gama de outras competências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

REFERÊNCIAS

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 30 dez. 2008. PL 3775/2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 17 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha, Campus Alegrete. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas. Brasília: MEC, 2016a. Disponível em: https://www.iffarroupilha.edu.br/projeto-pedag%C3%B3gico-de-curso/campus-alegrete. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha, Campus Alegrete. Projeto Político Pedagógico do Curso Superior de Licenciatura em Matemática. Brasília: MEC, 2016b. Disponível em: https://www.iffarroupilha.edu.br/projeto-pedag%C3%B3gico-de-curso/campus-alegrete. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha, Campus Alegrete. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Química. Brasília: MEC, 2016c. Disponível em: https://www.iffarroupilha.edu.br/projeto-pedag%C3%B3gico-de-curso/campus-alegrete. Acesso em: 23 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer nº 02/2015, de 9 de junho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília: CNE/CP, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/publicacoes-para-professores/30000-uncategorised/21123-2015-pareceres-do-conselho-pleno. Acesso em: 01 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 2/2002, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília: CNE/CP, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf. Acesso em: 01 nov. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 6/2012, de 20 de setembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Brasília: CNE/CEB, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=11663-rceb006-12-pdf&category_slug=setembro-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 18 abr. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 13/2014, de 28 de maio de 2014. Define Diretrizes Institucionais Gerais e Diretrizes Curriculares Institucionais da Organização Didático Pedagógica para os Cursos Superiores de Graduação do Instituto Federal Farroupilha e dá outras providências. Santa Maria: SEPT/CONSUP, 2014. Disponível em: https://www.iffarroupilha.edu.br/regulamentos-e-legisla%C3%A7%C3%B5es/resolu%C3%A7%C3%B5es/item/1343-resolu%C3%A7%C3%A3o-consup-n%C2%BA-13-2014-diretrizes-institucionais-para-os-cursos-superiores-de-gradua%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 01 nov. 2018.

GALIAZZI, Maria do Carmo. As aprendizagens dos alunos. In: GALIAZZI, Maria do Carmo. Educar pela pesquisa: ambiente de formação de professores de ciências. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003. p. 223-259.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MACHADO, Lucília. Ensino Médio e técnico com currículos integrados: propostas de ação didática para uma relação não fantasiosa. In: MOOL, Jaqueline et al. (Org.). Educação profissional e tecnológica no Brasil contemporâneo: desafios, tensões e possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2010. p. 80-95.

MALDANER, Jair José. A formação docente para Educação Profissional e Tecnológica: breve caracterização do debate. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 13, p. 182-195, dez. 2017. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/5811. Acesso em: 29 out. 2018.

MALDANER, Otávio Aloisio. Conhecimento peculiar do professor. In: MALDANER, Otávio Aloisio. A formação inicial e continuada de professores de química: professores/pesquisadores. 4. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2013. p. 43-49.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2010.

MOREIRA, Jacqueline Poersch et al. O professor como cuidador. Revista Bioética, Brasília, v. 14. n. 2, p. 163-169, 2006.

MOURA, Dante Henrique. A formação de docentes para a educação profissional e tecnológica. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 23-38, jul. 2015. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/2863/1004. Acesso em: 29 out. 2018.

MOURA, Dante Henrique. Educação básica e educação profissional e tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração. Revista Holos, Natal, v. 2, n. 23, p. 4-30, 2007. Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/viewFile/11/110> Acesso em: 17 nov. 2018.

NÓVOA, Antonio. Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: EDUCA, 2009.

RAMOS, Marise. Possibilidades e desafios na organização do currículo integrado. In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria; RAMOS, Marise. (org). Ensino Médio Integrado: concepção e contradições. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2012. p. 107-128.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

Downloads

Publicado

05/04/2020

Como Citar

BRANCHER, V. R.; MORAES, N. de C. N.; SQUIZANI, E. G.; CANTERLE, L. D. PERSPECTIVAS ACERCA DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NOS CURSOS DE LICENCIATURA DE UM INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 18, p. e9127, 2020. DOI: 10.15628/rbept.2020.9127. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/9127. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.