A ALIMENTAÇÃO COMO POLÍTICA SOCIAL AO LONGO DA HISTÓRIA DO IFRN: DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES DE NATAL À ESCOLA INDUSTRIAL DE NATAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2018.7179

Palavras-chave:

história, alimentação, Escola de Aprendizes Artífices de Natal, Escola Industrial de Natal.

Resumo

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), desde que foi criado, incorpora ações destinadas a fomentar a aprendizagem dos discentes, dentre elas, a alimentação. Selecionamos seus três precursores (Escola de Aprendizes Artífices de Natal, Liceu Industrial de Natal e Escola Industrial de Natal) que mantiveram o regime semi-interno em funcionamento, com o objetivo de investigar os meandros da oferta da alimentação escolar enquanto uma política social institucional. A metodologia está alicerçada na abordagem qualitativa e trata-se de uma pesquisa bibliográfica. Também buscamos nos relatos de ex-alunos de diferentes épocas da Instituição, contidos no Portal da Memória do IFRN, informações sobre a alimentação ofertada aos discentes. Evidenciamos uma grande escassez de fontes de informação, apesar das escolas profissionais da rede federal terem sido pioneiras na oferta de merenda escolar em 1922. Desde quando foi desenvolvido na Escola Industrial de Natal, o serviço social incorporou a oferta da alimentação como política voltada ao discente com baixo perfil socioeconômico visando fomentar a aprendizagem e garantir sua permanência. Assim, a alimentação passou a ser ofertada nas instituições estudadas enquanto uma política social voltada a promover o fomento à aprendizagem, embora não conseguisse impacto positivo sobre a alta evasão em virtude das múltiplas causas que influenciam este indicador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Gizelle Rodrigues dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Mestra em Educação (2017) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, graduada em Nutrição (2004), especialista em Vigilância Sanitária de Alimentos (2005) e aperfeiçoamento em Nutrição e Exercício Físico (2006) pela Universidade Estadual do Ceará.

Márcio Adriano de Azevedo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Doutor (2010) e Mestre (2006) em Educação (Política e Gestão), pela UFRN. Especialista em Processos Educacionais (2003) e graduado em Pedagogia (2000), também pela UFRN. Cursou estágio Pós-Doutoral (2013-2014) em Sociologia da Educação, pela Universidade do Minho/Portugal. É professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN, trabalhando em cursos, projetos e no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional - PPGEP/IFRN. Temas de interesse: Avaliação de políticas públicas, Educação profissional, Formação e trabalho docente, Educação do Campo, Educação escolar Quilombola, Indígena, Educação de Jovens e Adultos, e pesquisa e inovação. Membro de Associações acadêmico-científicas brasileiras, como a SBPC e a Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação, e de associações internacionais, como a Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Atualmente exerce a função de Pró-Reitor de Pesquisa e Inovação do IFRN.

Referências

ALVES, Alda Judith. O planejamento de pesquisas qualitativas em educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 77, p. 53-61, maio, 1991. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/ index.php/cp/article/view/1042/1050>. Acesso em: 18 mar. 2018.

BLOCH, Marc. Introdução à História. Lisboa: Publicações Europa-América. 1993.

BRASIL. Decreto de 18 de janeiro de 1999. Dispõe sobre a implantação do Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do Norte - CEFET/RN, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 jan. 1999. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/dnn/anterior%20a%202000/1999/dnn7933.htm>. Acesso em: 03 abr. 2018.

______. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Créa nas capitaes dos Estados da Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primario e gratuito. Republica dos Estados Unidos do Brazil, Rio de Janeiro, RJ, 23 set. 1909. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2018.

______. Decreto nº 9.070, de 25 de outubro de 1911. Dá novo regulamento ás escolas de aprendizes artifices. Diário Oficial [da] República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, RJ, Seção 1, 27 out. 1911. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1910-1919/decreto-9070-25-outubro-1911-525591-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 18 mar. 2018.

______. Decreto-Lei nº 4.127, de 25 de fevereiro de 1942. Estabelece as bases de organização da rede federal de estabelecimentos de ensino industrial. Diário Oficial [da] República dos Estados Unidos do Brasil. Seção 1, p. 2957. Rio de Janeiro, RJ, 27 fev. 1942. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4127-25-fevereiro-1942-414123-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 18 mar. 2018.

______. Lei nº 11.892, de 29 de Dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 30 dez. 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm>. Acesso em: 03 abr. 2018.

______. Lei nº 378, de 13 de Janeiro de 1937. Dá nova organização ao Ministério da educação e Saúde Pública. Diário Oficial [da] República dos Estados Unidos do Brasil. Seção 1, p. 1210. Rio de Janeiro, RJ, 15 jan. 1959. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1930-1939/lei-378-13-janeiro-1937-398059-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 18 mar. 2018.

______. Presidência da República. Decreto nº 37.106, de 31 de março de 1955. Institui a companhia de Merenda Escolar. Diário Oficial [da] República dos Estados Unidos do Brasil, Rio de Janeiro, RJ, 02 abr. 1955. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1950-1959/decreto-37106-31-marco-1955-332702-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 21 mar. 2018.

______. Relatório do Serviço de Remodelação: 1927. Disponível em: <http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u2023/000253.html>. Acesso em: 21 mar. 2018.

CAMELO, Gerda Lúcia Pinheiro; MOURA, Dante Henrique. Interfaces legais, políticas, pedagógicas e administrativas na trajetória do CEFET-RN. In: PEGADO, Erika Araújo da Cunha (Org.). A trajetória do CEFET-RN desde a sua criação no início do século XX ao alvorecer do século XXI, Natal: IFRN Editora, 2. ed., 2010. 132 p. Disponível em:

<http://portal.ifrn.edu.br/pesquisa/editora/livros-em-pdf/a-trajetoria-do-cefet-rn>. Acesso em: 18 mar. 2018.

CERTEAU, Michel de. A Invenção do Cotidiano: artes de fazer. 21. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. República, Trabalho e Educação: a experiência do Instituto João Pinheiro (1909-1934). Bragança Paulista: Editora da Universidade São Francisco, 2001.

GUIMARÃES, Josiana Liberato Freire; BARACHO, Maria das Graças. Percurso educacional do CEFET-RN desde as origens aos dias atuais. In: PEGADO, Erika Araújo da Cunha (Org.). A trajetória do CEFET-RN desde a sua criação no início do século XX ao alvorecer do século XXI, Natal: IFRN Editora, 2. ed., 2010. 132 p. Disponível em: <http://portal.ifrn.edu.br/pesquisa/editora/livros-em-pdf/a-trajetoria-do-cefet-rn>. Acesso em: 18 mar. 2018.

GURGEL, Rita Diana de Freitas. A trajetória da Escola de Aprendizes Artífices de Natal: república, trabalho e educação (1909-1942). 2007, 230f. Tese (Doutorado em Educação)- Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2007. Disponível em: <http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/bitstream/123456789/14146/1/RitaDFG.pdf>. Acesso em: 21 mar. 2018.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Portal da Memória, Natal, RN, 2009. Disponível em: <http://centenario.ifrn.edu.br>. Acesso em: 18 mar. 2018.

LAVILLE, Cristian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: EDUFMG, 1999.

MEDEIROS, Arilene Lucena de. A forja e a pena: Técnica e humanismo na trajetória da Escola de Aprendizes Artífices de Natal à Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte. Natal: Editora IFRN, 2011.

PEGADO, Erika Araújo da Cunha. Reflexos da História no Cotidiano Institucional desde a Escola de Aprendizes e Artífices até o CEFET-RN. In: _____ (Org.). A trajetória do CEFET-RN desde a sua criação no início do século XX ao alvorecer do século XXI, Natal: IFRN Editora, 2. ed., 2010. 132 p. Disponível em: <http://portal.ifrn.edu.br/pesquisa/editora/livros-em-pdf/a-trajetoria-do-cefet-rn>. Acesso em: 18 mar. 2018.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, Luisa de Marilac de Castro. Entre o desejável e o possível: a Escola de Aprendizes Artífices do Rio Grande do Norte: 1909-1937. 2016, 160f. Tese (Doutorado em Educação)- Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2016. Disponível em: <http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/bitstream/123456789/21547/1/LuisaDeMarilacDeCastroSilva_TESE.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2018.

SILVA, Maria da Guia. Escola para os filhos dos outros: trajetória histórica da Escola Industrial de Natal (1942-1968). 2012, 224f. Tese (Doutorado em Educação)- Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2012. Disponível em: <https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/14403>. Acesso em: 18 mar. 2018.

SOBOTTKA, Emil Albert. Por que se faz políticas sociais no Brasil? Notas sobre estratégias de legitimação nos últimos dois governos federais. Civitas – Revista de Ciências Sociais, Rio Grande do Sul, v. 6, n. 1, p. 79-93, janeiro, 2006. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/23/6948>. Acesso em: 01 abr. 2018.

Downloads

Publicado

26/08/2018

Como Citar

SANTOS, G. R. dos; AZEVEDO, M. A. de. A ALIMENTAÇÃO COMO POLÍTICA SOCIAL AO LONGO DA HISTÓRIA DO IFRN: DA ESCOLA DE APRENDIZES ARTÍFICES DE NATAL À ESCOLA INDUSTRIAL DE NATAL. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 15, p. e7179, 2018. DOI: 10.15628/rbept.2018.7179. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/7179. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)