Das Escolas de Aprendizes Artífices ao ensino técnico industrial (1909-1943)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2022.14026

Palavras-chave:

História da educação; Educação Profissional; Ensino Técnico.

Resumo

A proposição deste artigo decorre do interesse dos seus autores em apresentar uma problematização sobre o processo de constituição da política nacional para instituir a formação do técnico industrial. Para alcançar tal intento, partiu-se da constituição da Rede Federal de Educação Profissional, em 1909, momento embrionário, com a criação das Escolas de Aprendizes Artífices, desdobrando-se em mudanças que alcançaram a sua transformação em Liceu Industrial até a implementação da Lei Orgânica do Ensino Industrial, 1942, quando foi esquadrinhada, de forma mais adensada, a política para formação do técnico industrial. As fontes utilizadas foram as Leis e Decretos dos anos de 1906 a 1942, além das pesquisas sobre a temática. Tais fontes foram analisadas a partir da inspiração do suporte teórico-metodológico da História da Educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Maria de Assis, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional (IFRN).

Olivia Morais Medeiros Neta, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora dos Programas de Pós-Graduação em Educação (UFRN) e Educação Profissional (IFRN). Graduada e Mestre em História pela UFRN. Doutora em Educação pela mesma instituição. 

Irlen Antonio Gonçalves, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Doutor em Educação, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Professor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) Pesquisador e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação Tecnológica (PPGET); Líder do Grupo de estudos e pesquisas em história e historiografia da educação profissional – GEPHHEP.

Referências

BRANDÃO, Marisa. Da arte do ofício à ciência da indústria: a conformação do capitalismo industrial no Brasil vista através da Educação Profissional. Boletim Técnico do SENAC. RJ, v.25, n.3, set/dez 1999.

BRASIL. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Cria nas capitais dos Estados da Republica Escolas de Aprendizes Artifices, para o ensino profissional primário e gratuito. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto. Acesso em 20 de abril de 2022.

BRASIL. Decreto nº 9.070, de 25 de outubro de 1911 (Revogado pelo Decreto de 10 de Maio de 1991). Dá novo regulamento ás Escolas de Aprendizes Artifices. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_ Acesso em 20 de abril de 2022.

BRASIL. Decreto nº 24.558, de 3 de Julho de 1934.Transforma a Inspetoria do Ensino Profissional Técnico em Superintendência do Ensino Industrial, e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-24558-3-julho-1934-515808. Acesso em: 22 de abril de 2022.

BRASIL. Lei nº 378, de 13 de janeiro de 1937. Dá nova organização ao Ministério da educação e Saúde Pública. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/ Acesso deem 22 de abril de 2022.

BRASIL. Decreto-lei Nº 4.048, de 22 de janeiro de 1942. Cria o Serviço Nacional de Aprendizagem dos Industriários (SENAI). Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [1942a]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/1937- 1946/Del4048.htm. Acesso em 25 de abril de 2022

BRASIL. Decreto-lei Nº 4.073, de 30 de janeiro de 1942. Lei orgânica do ensino industrial. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [1942b]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/1937-1946/Del4073.htm. Acesso em: 25 de abril de 2022.

BRASIL. Decreto-lei nº 4.127, de 25 de fevereiro de 1942. Estabelece as bases de organização da rede federal de estabelecimentos de ensino industrial. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4127-25-fevereiro-1942-414123-publicacaooriginal-1-pe. Acesso em 20 de abril de 2022.

BRASIL. Decreto nº 8.673 3 de fevereiro 1942. Aprova o Regulamento do Quadro dos Cursos do Ensino Industrial. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/. Acesso em: 22 de abril de 2022.

CHAMON, Carla S. A Escola de Aprendizes Artífices de Minas Gerais (1910-1941): a produção da escola no espaço da cidade. Trabalho apresentado no VII Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação: cultura escolar, migrações e cidadania, Porto, 20-23 de junho de 2008

CHAMON, Carla Simone e GOODWIN JR.. James William. “A incorporação do proletariado à sociedade moderna” - a Escola de Aprendizes Artífices de Minas Gerais (1910-1941). Varia História, Belo Horizonte, vol. 28, nº 47, p.319-340, jan/jun 2012.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. SP: UNESP; Brasília: FLACSO, 2000.

FONSECA, Celso Suckow da. História do ensino industrial. Rio de Janeiro: Escola

Técnica Nacional, 1961. v. 1.

GOMES, Luiz Cláudio Gonçalves. As escolas de aprendizes artífices e o ensino profissional na Velha República. Vértices, Campus-RJ, n.3, 2003, p. 53 – 79

QUELUZ, Gilson Leandro. Concepções de ensino técnico na República Velha (1909-1930). Curitiba: CEFET-PR, 2000.

MEDEIROS NETA, Olivia Morais. A configuração do campo da educação profissional no Brasil. Holos (Natal. Online), v. 6, p. 50, 2016. Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/4947>. Acesso em: 11 abr. 2022.

MEDEIROS NETA, O. M.; LIMA, E. L. M. de.; BARBOSA, J. K. da S. F.; NASCIMENTO, F. de L. S. Organização e estrutura da educação profissional no Brasil: da Reforma Capanema às leis de equivalência. Holos, v. 4, p. 223–235, 2018. DOI: 10.15628/holos.2018.6981. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/6981. Acesso em: 15 maio. 2022.

MEDEIROS NETA, Olivia Morais de; ASSIS, Sandra Maria de; CAMPOS, Ísis de Freitas. Viagens pedagógicas e o ensino técnico brasileiro (1909-1946). Temps d'Educació, n. 61, p. 69-84, 2021.

SOARES, Manoel de Jesus. As escolas de aprendizes artífices: estrutura e evolução. In: Fórum Educacional, RJ, FGV, 6(3), jul/set 1982, pp. 58-92.

Publicado

17/10/2022 — Atualizado em 20/10/2022

Versões

Como Citar

ASSIS, Sandra Maria de; MEDEIROS NETA, Olivia Morais; GONÇALVES, Irlen Antonio. Das Escolas de Aprendizes Artífices ao ensino técnico industrial (1909-1943). Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 22, 2022. DOI: 10.15628/rbept.2022.14026. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/14026. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - Em defesa do projeto de formação humana integral

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

> >> 

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.