Diferenciação curricular no Ensino Médio Integrado: recursos acessíveis, mediação pedagógica e trabalho colaborativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2022.11492

Palavras-chave:

Educação profissional e tecnológica. Ensino Médio Integrado. Educação Especial. Diferenciação curricular.

Resumo

Os debates em torno da diferenciação curricular não se constituem como uma novidade no campo educacional. Hodiernamente, esta temática tem ganhado especial atenção no campo da Educação Profissional e tecnológica, devido ao aumento significativo de matrículas de estudantes com deficiência nesta modalidade de ensino. Neste estudo, serão analisadas as possibilidades de diferenciação curricular para o trabalho pedagógico no contexto do Ensino Médio Integrado (EMI), objetivando apresentar possibilidades teóricas e metodológicas para os docentes que atuam nessa modalidade de ensino. Com base nas análises foi possível mapear três sentidos que a diferenciação curricular assume no contexto do EMI, quais sejam: o primeiro refere-se à criação de recursos acessíveis, o segundo sentido refere-se às estratégias de mediação pedagógica e o terceiro refere-se ao trabalho colaborativo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Renata Porcher Scherer, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense

Doutora (2019) e mestra (2015) em Educação, especialista em Educação Especial (2012) e graduada em Educação Física (2007) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Licenciada em Pedagogia (2019) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atua como professora no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense- Câmpus Camaquã. Integra o Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Docências, Pedagogias e Diferenças (GIPEDI/CNPq).

Referências

ALMEIDA, Georgia B. S. PEROVANO, Laís P. VENTURINE, Cleidson. Elaboração de recurso didático para o ensino de Física voltado à escolarização de um estudante com paralisia cerebral. In: PEROVANO, Laís P. MELO, Douglas. Práticas Inclusivas: saberes, estratégias e recursos didáticos. Campos dos Goytacases: Brasil Multicultural, 2019. p. 64-75.

BOLÍVAR, Antonio. Um currículum inclusivo em uma escuela que asegure el éxito para todos. e-curriculum, São Paulo, v.17, n.3, p.827-851, 2019.

BRAGANÇA, Bruno. ALMEIDA, Georgia. PEROVANO, Laís. Práticas inclusivas na Educação Profissional e Tecnológica: um estudo de caso na disciplina de fabricação mecânica. In: PEROVANO, Laís. Práticas inclusivas no Ensino Técnico. Campos dos Goytacazes: Brasil Multicultural, 2019. p.28-41

BRASIL. Diretrizes operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Resolução 4. Brasília, 2009.

BRASIL. Estatuto da Pessoa com Deficiência. Lei 13.146 de 06 de julho de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm . Acessado em: outubro 2020.

CAMARGO, Eder P. SELINGARD, Gabriela. Representação multissensorial da evolução dos modelos atômicos. In: PEROVANO, Laís P. MELO, Douglas. Práticas Inclusivas: saberes, estratégias e recursos didáticos. Campos dos Goytacases: Brasil Multicultural, 2019. p. 108- 123.

DAINEZ, Débora; SMOLKA, Ana Luiza Bustamante. A função social da escola em discussão, sob a perspectiva da educação inclusiva. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, e187853, 2019.

DORE, Rosemary; LUSCHER, Ana Zuleima. Permanência e evasão na educação técnica de nível médio em Minas Gerais. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 144, p. 770-789, dez, 2011.

DUBET, François. Justiça. In: ZANTEN, Agnès Van. Dicionário da educação. Petrópolis: Vozes, 2011.

FREITAS, Cristiane Rodrigues de; SILVA, Cirlande Cabral da. A educação das pessoas com deficiência no Brasil e na Rede Federal de ensino com enfoque no aluno surdo: uma abordagem sobre os aspectos legais e históricos do processo de inclusão ESCOLAR. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S.l.], v. 1, n. 18, p. 1-16, e7975, mar. 2020.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. O Tempo de permanência na escola e as motivações dos sem- -escola. Coordenação Marcelo Côrtes Neri. Rio de Janeiro: FGV/Ibre, CPS, 2009.

GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 18, n. 52, p. 101-239, jan-mar, 2013.

MEDEIROS, Magnólia Maria; QUEIROZ, Maria Jane. TICS NA EDUCAÇÃO: O USO DE SOFTWARE LIVRE NA PROMOÇÃO DA ACESSIBILIDADE. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S.l.], v. 1, n. 14, p. 1-11, e6875, jun. 2018.

MONTEIRO, Líbia Gomes et al. Responsabilidade social empresarial: inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Revista brasileira de educação especial, Marília, v. 17, n. 3, p. 459-480, dez. 2011.

MONTICELLI, Fernanda F. MALINI, Maressa. A avaliação diferenciada numa perspectiva inclusiva no ensino de Biologia. In: PEROVANO, Laís.

MELO, Douglas. Práticas Inclusivas: saberes, estratégias e recursos didáticos. Campos dos Goytacases: Brasil Multicultural, 2019. p. 108- 123.

MELO, Douglas. PEROVANO, Laís P. RIMOLO, Annelize D. Desenvolvimento de recursos didáticos para alunos com deficiência visual: aspectos teóricos e práticos. In: PEROVANO, Laís P. MELO, Douglas. Práticas Inclusivas: saberes, estratégias e recursos didáticos. Campos dos Goytacases: Brasil Multicultural, 2019. p. 108- 123.

PEREIRA, Cléia. MENDES, Geovana. PACHECO, José. Políticas de inclusão escolar e decisões curriculares: justiça curricular na escolarização de alunos com deficiência. MENDES, Geovana. PLETSCH, Márcia. HOSTINS, Regina. Educação Especial e/na Educação Básica: entre especificidades e indissociabilidades. Araraquara: Junqueira e Marin, 2019. p. 16-37.

PLETSCH, Márcia D. SOUZA, Flávia F de. ORLEANS, Luis Fernando. A diferenciação curricular e o desenho universal na aprendizagem como princípios para a inclusão escolar. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 14, n.35, 2017.

PLETSCH, Márcia D. LIMA, Marcela F. C. A escolarização de alunos com deficiência intelectual na educação básica sob vigência da política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. In: MENDES, Geovana. PLETSCH, Márcia. HOSTINS, Regina. Educação Especial e/na Educação Básica: entre especificidades e indissociabilidades. Araraquara: Junqueira e Marin, 2019. p. 38-63.

PERRENOUD, Philippe. A Pedagogia na Escola das Diferenças: fragmentos de uma sociologia do fracasso. Porto Alegre: Artmed, 2010.

RAMOS, Marise N. Ensino Médio integrado: da conceituação à Operacionalização. Cadernos de Pesquisa em Educação – PPGE/UFES, v. 19, n. 39, p. 15-29, 2014.

RAMOS, Marise N. O currículo para o Ensino Médio em suas diferentes modalidades: concepções, propostas e problemas. Educação e Sociedade, v. 32, n 116, p. 771- 788, 2011.

ROLDÃO, Maria do Céu. Diferenciação curricular revisitada: conceito, discurso e práxis. Porto: Porto editora, 2003.

SCHERER, Renata. DAL`IGNA, Maria Cláudia. Professoras do atendimento educacional especializado: intervenção clínica ou pedagógica? Acta Scientiarum, Maringá, v.37, n.4, p. 415-425, out-dez, 2015.

SCHERER, Renata. GRÄFF, Patrícia. Das adaptações às flexibilizações curriculares: uma análise de documentos legais e revistas pedagógicas. e-Curriculum, São Paulo, v.15, n.2, p. 376- 400, abr-jun, 2017.

SILVA, Roberto Rafael Dias da; SCHERER, Renata Porcher. Por que precisamos da diferenciação pedagógica? Ensaio sobre a individualização e seus paradoxos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 24, e240041, 2019.

SILVA, Roberto Rafael Dias da. Revisitando a noção de justiça curricular: problematizações ao processo de seleção dos conhecimentos escolares. Educação em revista, Belo Horizonte, v. 34, e168824, 2018.

SILVA, Fernanda Souza da et al. Educação profissional e a inclusão de pessoas com deficiência: um mapeamento sistemático. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S.l.], v. 1, n. 18, p. e8199, fev. 2020.

OLIVEIRA, Andressa. Et al. “A gente consegue criar uma imagem e saber que uma coisa tão minúscula tem tanta informação”: um estudo de caso com deficiência visual e modelos didáticos de células. In: OLIVEIRA, Andressa. Práticas inclusivas no ensino de Ciências e Biologia. São Paulo: Pimenta Cultural, 2020. p. 11-32.

TODOS PELA EDUCAÇÃO, Anuário Brasileiro da Educação Básica. Moderna: 2020.

VALE, Daniel. LEMOS, Ediu. SOUZA, Maria. Experimentando a educação inclusiva no Ensino Técnico em Mineração. In: PEROVANO, Laís. Práticas inclusivas no Ensino Técnico. Campos dos Goytacazes: Brasil Multicultural, 2019. p.107-120.

VELOSO, Tereza Cristina; ALMEIDA, Edson Pacheco. Evasão nos cursos de graduação da Universidade Federal de Mato Grosso, campus universitário de Cuiabá: um processo de exclusão. Série-Estudos, Campo Grande, n.13, p.133-148, jan./jun 2002.

ZIVIANI, Mariza. PIROLA, André. ALVARENGA, Marling. Trabalho colaborativo: relato de experiência inclusiva no Curso Técnico em Meio Ambiente no Ifes – Campus Nova Venécia/ES. In: PEROVANO, Laís. Práticas inclusivas no Ensino Técnico. Campos dos Goytacazes: Brasil Multicultural, 2019. p. 58-79

Downloads

Publicado

04/02/2022

Como Citar

SCHERER, R. P. Diferenciação curricular no Ensino Médio Integrado: recursos acessíveis, mediação pedagógica e trabalho colaborativo. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 22, p. e11492, 2022. DOI: 10.15628/rbept.2022.11492. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/11492. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS