Formação politécnica em saúde na amazônia ocidental: capacitação emocional de alunos concludentes do curso técnico em enfermagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2021.11443

Palavras-chave:

Enfermagem, Educação emocional, Educação profissional, Educação integral.

Resumo

Objetivou-se nesse artigo analisar a capacitação emocional (CA) de alunos concludentes do curso técnico em enfermagem e a sua intersecção com variantes a fim de conhecer os fatores que podem influenciá-la. Foi aplicado o questionário contendo a MIE (Medida de Inteligência Emocional), fatores sociodemográficos e variantes correlacionadas com o curso profissionalizante. Observou-se que a CA não apresentou correlação somente com os fatores sociodemográficos, o que infere que a sua construção também pode acontecer nas ações escolares. Também se visualizou que a sociabilidade e o autocontrole obtiveram o menor score, o que pode dificultar às ações de assistência à saúde em ambiente intra-hospitalar. Sugere-se a elaboração de documentos institucionais que considerem os saberes emocionais como parte importante na formação de integral discente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Edvan Ferreira de Meneses, Instituto Federal do Acre

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Acre (2013) e graduação em Enfermagem pelo Centro Universitário São Lucas (2015). Pós graduação em docência do ensino superior pelo Centro Universitário São Lucas. Pós graduação em Urgência e Emergência com ênfase em UTI pela Faculdade de Pimenta Bueno - RO. Mestrado em Educação Profissional, científica e tecnológica pelo programa ProfEPT do Instituto Federal do Acre - IFAC. Atualmente atua como enfermeiro assistencial em UTI e Emergência no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco - HUERB e atua como Preceptor de estágio pelo Centro Universitário UNINORTE. Tem experiência na área de assistencial em Enfermagem, com ênfase em Urgência e Emergência e UTI adulto e na área da Docência no ensino técnico e superior.

Amélia Maria Lima Garcia, Instituto Federal do Acre

Atualmente é docente de Zootecnia do Campus Baixada do Sol, docente de Avicultura na Pós-graduação Lato Sensu em Agricultura Familiar do Campus Baixada do Sol, docente do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) do Campus Rio Branco e Diretora de Extensão Tecnológica da Pró-reitoria de Extensão no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre ? IFAC. Possui graduação em Zootecnia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul ? UFMS (2006), mestrado em Ciência Animal pela UFMS (2009) e doutorado em Ciência Animal pela UFMS (2015). Tem experiência na área de Zootecnia, com ênfase em Avicultura; Suinocultura; Avaliação de Alimentos para monogástricos; Criação de animais monogástricos e experiência na área de Ensino com ênfase em Educação Profissional e Tecnológica.

Ricardo dos Santos Pereira, Instituto Federal do Acre

Possui Licenciatura em Ciências Biológicas (2004) e Bacharelado em Biologia do Desenvolvimento (2005) pela Universidade Federal Fluminense (IB/UFF). Realizou o Mestrado em Ciências/Bioquímica (2007) pelo Departamento de Bioquímica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ/UFRJ). Concluiu o Doutorado em Ciências/Biologia Celular e Molecular (2018) pelo Programa de Pós-Graduação em Biologia Celular e Molecular do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz). Atuou como Professor de Biologia na SEE/RJ (2010) e como Professor de Ciências na SME/RJ (2011). Atuou como Tutor de Apoio ao Professor no Departamento de Mídias Digitais do CEDERJ (2011/2012), onde trabalhou com o Ensino à Distância (EaD) utilizando a Plataforma Moodle. Concluiu o Curso de Aperfeiçoamento em Ciência, Tecnologia e Educação na Amazônia (IFAC-IOC/Fiocruz) em 2013. Atuou como Professor Substituto de Biologia no IFAC entre 2015 e 2017. Atualmente é Professor EBTT/IFAC (Biologia), onde atua no Ensino Médio Integrado (CXA/IFAC), na Especialização em Educação Profissional e Tecnológica (CRB/IFAC), no Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT/IFAC), como Coordenador do Projeto "Espaço IFAC de Ciências" e como Líder do Grupo de Pesquisa em Ensino de Biociências (GPEnBio/CNPq/IFAC). Mais recentemente (2019) iniciou o Pós-Doutorado junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências e Biotecnologia da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

ALVAREZ, C. P. T. Governança da educação profissional e tecnológica: uma análise do contexto da Amazônia Ocidental. 2014.

FREIRE, A. A importância dos vínculos afetivos na primeira infância.

Disponível em: <http://primeirainfancia.org.br>. Acessado em 11 de outubro de 2020.

ARANTES, V. A. Afetividade e Cognição: Rompendo a Dicotomia na educação. Videtur, n. 23, 2002.

FIOCRUZ, 2020. Escola Técnica em Saúde Maria Moreira da Rocha (ETSUS-AC). Disponível em: <http://www.rets.epsjv.fiocruz.br/membros/escola-tecnica-em-saude-maria-moreira-da-rocha-etsus-ac>. Acesso em: 02 de setembro de 2020.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GOLEMAN, D. Trabalhando com a inteligência emocional. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

IDM. Plano de curso técnico de nível médio em enfermagem – Concomitante. Rio Branco – Acre, 2017.

LIMA, J. et al. Memória da educação profissional em saúde: anos 1980-1990. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2006.

RAMOS, M N et al. Trabalho, educação e correntes pedagógicas no Brasil: um estudo a partir da formação dos trabalhadores técnicos da saúde. EPSJV, 2010.

RANALI, J.; LOMBARDO, I. A. Projeto pedagógico para os cursos de odontologia. In: CARVALHO, A. C. P.; KRIGER, L. (org.) Educação Odontológica. São Paulo: Artes Médicas. Cap. 7, p.65 – 72, 2006.

SAVIANI, D. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro: Politécnico da Saúde Joaquim Venâncio, 1989.

SIQUEIRA, Mirlene Maria Matias; BARBOSA, Nilton Cesar; ALVES, Matianny. Construção e validação fatorial de uma medida de inteligência emocional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 15, n. 2, p. 143-152, 1999.

VILELA, Antônio Carlos Lopes. Capacidades da inteligência emocional em enfermeiros: validação de um instrumento de medida. 2006. Tese de Doutorado. Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Gestão Pública. Aveiro: Universidade de Aveiro. Disponível em: http://ria.ua. pt/bitstream/10773/4946/1/206891.

WEDDERHOFF, Elísio. Educação emocional: Um novo paradigma pedagógico? Revista Linhas, v. 2, n. 1, 2001.

Downloads

Publicado

20/09/2021

Como Citar

MENESES, E. F. de; GARCIA, A. M. L.; PEREIRA, R. dos S. Formação politécnica em saúde na amazônia ocidental: capacitação emocional de alunos concludentes do curso técnico em enfermagem. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 21, p. e11443, 2021. DOI: 10.15628/rbept.2021.11443. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/11443. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS