Impactos do gerencialismo no desenvolvimento da Educação Profissional Tecnológica no Brasil

Celia Cristina Pereira da Silva Veiga, José dos Santos Souza

Resumo


O Curso Superior de Tecnologia (CST) foi regulado no contexto de normatização de um conjunto de políticas que visam à hegemonia em torno do projeto de vida e sociedade necessário à manutenção do sistema econômico vigente. Nossa questão de estudo é a relação entre a regulação e o desenvolvimento dos CSTs e a expansão da ideologia gerencial. O objetivo é analisar as relações entre o gerencialismo e o desenvolvimento do CST. Trata-se de pesquisa básica, com abordagem qualitativa e finalidade explicativa, a partir de fontes bibliográficas. Os resultados evidenciam a organização de um modelo de formação em nível superior que explicita a sofisticação da divisão social do conhecimento, na qual, o CST funciona como instrumento de conformação em torno da concepção de vida e sociedade gerencialista.  


Palavras-chave


Neoliberalismo. Gerencialismo. Divisão social do conhecimento. Educação profissional tecnológica. Curso superior de tecnologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação popular. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2006.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Parecer CNE/CES nº 436, de 06 de abril de 2001. Cursos Superiores de Tecnologia – Formação de Tecnólogos. Brasília, DF, 2001.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 3, de 18 de dezembro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a organização e o funcionamento dos cursos superiores de tecnologia. Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Decreto nº 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Brasília, DF, 2004.

BRASIL. Lei nº 11.741, de 16 de julho de 2008. Altera dispositivos da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para redimensionar, institucionalizar e integrar as ações da educação profissional técnica de nível médio, da educação de jovens e adultos e da educação profissional e tecnológica. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Decreto nº 8.268, de 18 de julho de 2014. Altera o Decreto nº 5.154, de 23 de julho de 2004, que regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF, 2014.

BRASIL. MEC (2016). Catálogo nacional dos cursos superiores de tecnologia. 3ª Edição. Brasília, DF, 2016.

BRASIL. Decreto nº 9.235, de 15 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior e dos cursos superiores de graduação e de pós-graduação no sistema federal de ensino. Brasília, DF, 2017.

BURNHAM, James. The managerial revolution: what is happening in the world. Santa Bárbara: Ed. Praeger, 1972.

CLARKE, John; NEWMAN, Janet. The managerial State. Londres: Ed. Sage Publications, 1997.

CLARKE, John; NEWMAN, Janet. Gerencialismo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 2, p. 353-381, maio/ago. 2012.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. 1ª Ed. São Paulo: Ed. Boitempo, 2016.

DELORS, Jacques. Educação, um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: UNESCO/Cortez, 1996.

DRUCKER, Peter. A sociedade pós-capitalista. São Paulo: Ed. Pioneira, 1993.

DUMÉNIL, Gérard; LÉVY, Dominique. A crise do neoliberalismo. São Paulo: Ed. Boitempo, 2013.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª Edição. São Paulo: Ed. Atlas, 2008.

GAULEJAC, Vincent de. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. 3ª Ed. São Paulo: Ed. Ideia das letras, 2007.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. 9ª Edição. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2017. Vol. 1.

GRAMSCI, Antonio. Maquiavel, a política e o Estado moderno. 7ª Ed. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1989.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. 7ª Edição. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2016. Vol. 3.

GRUPO BANCO MUNDIAL. Prioridades y estrategias para la educacion: examen del Banco Mundial. Washington (DC), 1996.

HARVEY, David. Breve historia del neoliberalismo. Madri: Ed. Akal, 2007.

HARVEY, David. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Ed. Boitempo, 2011.

HOBSBAWM, Eric. A era do capital: 1848-1875. São Paulo: Ed. Paz e Terra, 1977.

INEP. Inepdata: Censo da educação superior, microdados de 2018. Brasília, DF: 2019.

Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/microdados. Acesso em: 05/06/2020.

LOCKE, Robert R. Managerialism and the Demise of the Big Three. Real-World Economics Review, Bristol (UK), Issue no. 51, p. 28-47, 1 December 2009.

KLIKAUER, Thomas. Managerialism, a critique of an ideology. Reino Unido: Ed. Palgrave Macmillan UK, 2013.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Ed. Atlas, 2003.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico. 4º Ed. São Paulo: Ed. Atlas, 1992.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

PORTAL DA TRANSPARÊNCIA, 2019. Portal em Gráficos. Brasília (DF): 2018. Disponível em: http://www.portaldatransparencia.gov.br/graficos/transferenciasporfuncao/. Acesso em: 20/03/2020.

POULANTZAS, Nicos. Poder político y clases sociales en el estado capitalista. Cerro del Agua: Siglo Veintiuno Editores, 2007.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2º Ed. Novo Hamburgo: Ed. Universidade FEEVALE, 2013.

QUIGGIN, John. Word for Wednesday: managerialism (definition). Commentary on Australian & world events from a social-democratic perspective. SITE. 16/Jul/2003.

SANCHÉZ-VÁZQUEZ, Adolfo. Filosofia da práxis. Rio de Janeiro: Ed. Paz e terra, 1968.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23ª ed. São Paulo: Ed. Cortez, 2007.

SHULTZ, T. W. O capital humano: investimentos em educação e pesquisa. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1973.

SOUZA, José dos Santos. Projeto Gerencialismo. Arquivo Mp4. UFRRJ, GTPS, 2016.

SOUZA, José dos Santos. Institutos federais de educação, ciência e tecnologia: a materialidade do conflito de classe na concepção e na política de formação humana. In: SOUSA, José Vieira; BOTELHO, Arlete de Freitas; GRIBOSKI, Cláudia Maffini (Org.).

Organização institucional e acadêmica na expansão da Educação Superior. Anápolis: Editora Universidade Estadual de Goiás, 2018, p. 135-150.




DOI: https://doi.org/10.15628/rbept.2021.10834

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

RBEPTISSN 2447-1801 (Eletrônico)

Indexação: Latindex - DOAJIresie - Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa - BBE – Bibliografia Brasileira de Educação – (Brasil-Cibec/Inep/MEC)  - ERIH PLUS – European Reference Index for the Humanities and the Social Sciences - Sistema eletrônico de editoração de revistas do IBICT - OasisBr - Portal de Periódicos CAPES/MEC - Diadorim - Sumários.org - LivRe - Catálogo de Periódicos de Livre Acesso - CrossRef -  Google Scholar - WorldCat - Airiti Library - MIAR - Information Matrix for the Analysis of Journals - International Institute of Organized Research (I2OR) - LatinREV - Red Latinoamericana de Revistas Académicas en Ciencias Sociales y Humanidades - Publons - Citefactor - Scientific Indexing Services (SIS) 

Siga a RBEPT: