Mulher e identidade profissional: processos educativos, relações sociais de sexo e o mundo do trabalho

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2021.12656

Palavras-chave:

Trabalho, Projetos educacionais, Divisão sexual do trabalho, Relações sociais de sexo, Identidade.

Resumo

O objetivo deste artigo é evidenciar como os processo educativo, a relação entre os sexos e a participação da mulher no mundo do trabalho contribuem para a construção de uma nova identidade social da mulher. Optou-se por uma pesquisa qualitativa de natureza teórica. Por meio destes ensaios teóricos aponta-se contribuições para uma nova identidade social da mulher. De acordo com os resultados pode-se concluir que o processo educativo, através da descolonização do currículo, contribui com a formação da consciência crítica em relação às estruturas de dominação e exploração da sociedade capitalista e possibilita a formação de uma nova identidade social da mulher. A participação da mulher no mundo do trabalho mostra a necessidade de subverter as identidades através de um esforço coletivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Eduardo Freitas Bicalho, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET/MG

Mestrando em Educação Tecnológica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), Especialista em Juventude no Mundo Contemporâneo pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE), Licenciatura em Turismo, Hospitalidade e Lazer (CEFET-MG), Bacharel em Turismo pela Universidade Federal de Minas Gerais/Universidade do Algarve (UFMG/UAlg) e Técnico em Guia de Turismo pelo Senac Minas. Tem experiência no mercado de turismo e com processos de educação não-formal no âmbito ambiental, patrimonial/artístico e religioso. Áreas de interesse: Turismo, Formação humana e profissional, Juventude e Cultura.

Myrnna Lorena Figueredo Almeida, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET/MG

Mestranda em Educação Tecnológica pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Especialista em Gestão de Políticas Públicas com Foco na Temática de Gênero e Raça, pela Universidade Federal de Viçosa (2015). Graduada em Serviço Social pela Universidade Estadual de Montes Claros (2009). Atualmente é Assistente Social do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais ? CEFET-MG, atuando na política de assistência estudantil na Coordenação de Desenvolvimento Estudantil. Trabalhou na gestão da política de assistência social, realizando o planejamento, monitoramento e avaliação dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais na Prefeitura Municipal de Nova Lima. Foi conselheira municipal do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher. Atuou como secretária-executiva do Conselho Municipal de Assistência Social, do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e no Conselho Municipal do Idoso de Rio Acima. Atuou como Assistente Social nos serviços de proteção social especial de média e alta complexidade e no acompanhamento técnico do Programa Bolsa Família no município de Rio Acima. Trabalhou também como orientadora pedagógica nos cursos técnicos e nos cursos de formação inicial e continuada do Pronatec, ofertados pelo Instituto Federal de Minas Gerais - IFMG.

Eliane Kelli Gaudêncio, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET/MG

Possui graduação em Gestão Pública pelo Centro Universitário UNA(2014), especialização em Gestão de Instituições Federais de Educação Superior pela Universidade Federal de Minas Gerais(2018) e curso-tecnico-profissionalizante em Administração e Ciências Contábeis pelo Instituto Municipal de Administração e Ciências Contábeis(1996). Atualmente é Assistente em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Administração. 

Ailton Vitor Guimarães, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET/MG

Doutor em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (FaE/UFMG), na Linha de Pesquisa Política, Trabalho e Formação Humana; Mestre em Tecnologia (Educação Tecnológica) pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG); Licenciatura Plena em Educação Física e Especialização em Lazer, ambos pela UFMG. É Professor Titular do CEFET-MG, integra o quadro permanente do Programa de Pós-graduação em Educação Tecnológica (PPGET) da instituição e atua, principalmente, nas áreas de: educação, trabalho, tecnologia, educação profissional e tecnológica, educação física escolar e políticas públicas. Foi Editor Executivo da Revista Trabalho & Educação (2010-2018), publicada pelo Núcleo de Estudos sobre Trabalho e Educação (NETE), da FaE/UFMG, disponível em www.fae.ufmg.br/trabalhoeeducacao. Atualmente, é Editor Adjunto do periódico e lidera o Grupo de Pesquisa em Teoria e Metodologia do Ensino Tecnológico (PETMET), no CEFET-MG. Sua atuação na área de Educação Profissional e Tecnológica (EPT) tem como foco os processos educacionais da escola de EPT. Inclui ainda, nesse universo, elementos relacionados aos aspectos da formação humana, suas particularidades nas relações sociais estabelecidas e na construção social da realidade por meio dos recursos comunicacionais, fundados na ação humana transformadora e impulsionados pela ciência e tecnologia. No seu trabalho é possível identificar traços de sua atuação de origem, como músico/compositor, o que permite a introdução de elementos relacionados à sua produção artístico-cultural. Arte e cultura, em função disso, são elementos latentes que têm perpassado parte de seus interesses, naquilo que a interseção com o ensino e com a formação na EPT influencia e, por vezes, define nas relações sociais.

Referências

ALBORNOZ, Suzana. O que é trabalho. 6 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

ALTHUSSER, Louis. Aparelhos ideológicos de Estado. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

ARROYO, Miguel Gonzales. Os jovens, seu direito a se saber e o currículo. In: CARRANO, Paulo; DAYREL, Juarez; MAIA, Carla Linhares (Orgs.) Juventude e ensino médio: sujeitos e currículos em diálogo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

BERGER, Peter. Perspectivas sociológicas: uma visão humanística. 4 ed. Petrópolis: Vozes, 1978.

BICALHO, T. E. F.; MAIA, E. H. G.; QUIRINO, R. Carreira profissional de homens e mulheres no setor de turismo: intersecção de profissão, carreira e divisão sexual do trabalho. REVES - Revista Relações Sociais, [S. l.], v. 3, n. 4, p. 16001-16011, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/reves/article/view/10405. Acesso em: 10 de abril de 2021.

BILHÃO, Isabel. Identidade e trabalho: uma história do operariado porto-alegrense (1898 a 1920). Londrina: EDUEL, 2008.

BOENAVIDES, Débora Luciene Porto. Nem no convento, nem no cabaré, na imprensa operária: a ampliação das esferas discursivas da mulher trabalhadora na república velha. Linguagem em (Dis)curso - LemD, Tubarão, SC, v. 17, n. 3, p. 297-313, setembro/dezembro de 2017.

BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa. Médicas, arquitetas, advogadas e engenheiras: mulheres em carreiras, profissionais de prestígio. Revista Estudos Feministas, ano 3, p. 9-24, 1999.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 17 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

CARVALHO, Ana Maria Almeida; CAVALCANTI, Vanessa Ribeiro Simon; ALMEIDA, Maria Alice de; BASTOS, Ana Cecília de Sousa. Mulheres e cuidado: bases psicobiológicas ou arbitrariedade cultural? Paidéia, v. 18, nº 41, p. 431-444, 2008.

CASTELLS, Manuel. O Poder da identidade. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

CHIES, Paula Viviane. Identidade de gênero e Identidade de gênero e identidade profissional no campo identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.18, n. 2, p. 507-528, maio/agosto de 2010.

DAVIS, Angela. Mulher, Raça e Classe. Tradução livre pela Plataforma Gueto, 2013. Disponível em: joaocamillopenna.files.wordpress.com/2017/08/davis-angela-mulher-raca-e-classe-cap-11-p-116.pdf. Acesso em 10 de abril de 2021.

FAGUNDES, Tereza Cristina Pereira Carvalho. A mulher como profissional de educação: alguns aspectos de sua trajetória de formação. Revista da FACED, n. 3, 1999.

FREIRE, Paulo. Política e educação: ensaios. 5. ed. São Paulo, Cortez, 2001.

GAUDÊNCIO, Eliane Kelli. Relações de gênero e divisão sexual do trabalho: atuação das mulheres matemáticas na carreira acadêmica. In: Simpósio Internacional Trabalho, Relações de Trabalho, Educação e Identidade, 8, 2020, Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte: Appos, 2020. v. 1. Disponível em: sitre.appos.org.br/wp-content/uploads/2021/01/GT-28-Divisao-sexual-do-trabalho-e-relacoes-de-genero.pdf Acesso em: 10 de abril de 2021.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 4 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

HIRATA, Helena. Tecnologia, Formação Profissional e Relações de Gênero no Trabalho. Revista Educação & Tecnologia, n. 6, p.144-156, 2003.

HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya Araujo (Orgs.) Cuidado e cuidadoras: as várias faces do trabalho do care. São Paulo: Atlas, 2012.

HIRATA, Helena; KÉRGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.

IASI, Mauro Luis. Ensaios sobre a consciência e emancipação. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

KÉRGOAT, Daniele. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle. (Orgs) Dicionário Crítico do feminismo. São Paulo: Unesp, 2009.

KÉRGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos estudos CEBRAP, n. 86, p. 93-103, mar. 2010.

LOPES, Sabrina Fernandes Pereira; QUIRINO, Raquel. Relações de Gênero e sexismo na educação profissional e tecnológica. Cadernos de Gênero e Tecnologia, v. 10, n. 36, p. 58-71, jul./dez. 2017.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Cultura, arte e literatura: textos escolhidos. Tradução de José Paulo Netto e Miguel Makoto Cavalcanti Yoshida. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

MORENO, Montserrat. Como se ensina a ser menina: o sexismo na escola. São Paulo: Moderna, 1999.

NADAI, Elza. A educação de elite e a profissionalização da mulher brasileira na primeira república: discriminação ou emancipação. Revista da Faculdade de Educação, v. 17, n. 1/2, p. 05-34, 1991.

PETERSEN, Silvia Regina Ferraz. A mulher na imprensa operária gaúcha do século XIX. Revista de História. Porto Alegre, n. 1, 1986.

PISCITELLI, Adriana. Gênero: a história de um conceito. São Paulo: Berlendis Editores, 2009.

QUIRINO, Raquel. Relações de Gênero, Tecnologia e Formação Profissional de Mulheres no Segmento de Mineração. In: 37ª Reunião Nacional da ANPEd, 37, 2015, Florianópolis. Anais… Florianópolis: UFSC, 2015. Disponível em: 37reuniao.anped.org.br/wp-content/uploads/2015/02/Trabalho-GT23-4518.pdf. Acesso em: 10 de abril de 2021.

RAGO, Margareth. Trabalho feminino e sexualidade. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. 10ª ed. São Paulo: Contexto, 2012. p. 579-606.

REIS, Ana Paula Poças Zambelli dos; GOMES, Candido Alberto. Práticas Pedagógicas Reprodutoras de Desigualdades: a subrepresentação de Meninas entre alunos superdotados. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v. 19, n. 2, maio/agosto de 2011.

SALVAGNI, Julice. As caminhoneiras: uma carona nas discussões de gênero, trabalho e identidade. Cadernos EBAPE.BR. Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 572-582, 2020.

SILVA, Tomaz Tadeu. Identidades Terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. Editora Vozes: Rio de Janeiro, 1996.

SORJ, Bila. Trabalho, gênero e família: quais políticas sociais? In: GODINHO, Tatau; SILVEIRA, Maria Lúcia da. (Orgs.) Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2004. p. 143-148.

VALLE, Ione Ribeiro. Da “identidade vocacional” à “identidade profissional”: a constituição de um corpo docente unificado. Perspectiva [Florianópolis], v. 20, nº Especial, p. 209-230, jul-dez, 2002.

VELHO, Lea; LEÓN, Elena. A construção social da produção científica por mulheres. Cadernos Pagu, Campinas, n. 10, p. 309-344, 1998.

YANNOULAS, Silvia Cristina (Org.) Trabalhadoras: Análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília: Editorial Abaré, 2013.

Downloads

Publicado

21/12/2021

Como Citar

BICALHO, Thiago Eduardo Freitas; ALMEIDA, Myrnna Lorena Figueredo; GAUDÊNCIO, Eliane Kelli; GUIMARÃES, Ailton Vitor. Mulher e identidade profissional: processos educativos, relações sociais de sexo e o mundo do trabalho. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 21, p. e12656, 2021. DOI: 10.15628/rbept.2021.12656. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/12656. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ - Mundo do trabalho, Educação Profissional e Identidade de Gênero

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.