CONTRIBUIÇÕES DE OFICINAS DE PRODUÇÃO DE RECURSOS DIDÁTICOS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE QUÍMICA

Autores

  • Cynthia Torres Daher Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes e Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz.
  • Michele Waltz Comarú Instituto Federal do Rio de Janeiro - Ifes e Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz.
  • Carolina Nascimento Spiegel Universidade Federal Fluminense - UFF e Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz.

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2020.9176

Palavras-chave:

Recursos didáticos. Formação inicial de professores. Licenciatura em Química.

Resumo

Relata experiência de oficinas de produção de recursos didáticos na formação inicial de docentes de Química no Instituto Federal do Espírito Santo como meio de potencializar a formação de professores como intelectuais reflexivos e pesquisadores da própria prática. Descreve intuito de contemplar as práticas como componente curricular por meio do estímulo à autonomia, autoria, criatividade e liberdade dos licenciandos a partir das oito edições já realizadas das oficinas. As experiências vivenciadas apontam favorecimento ao diálogo entre teoria e prática, entre saberes específicos e pedagógicos e entre docentes formadores de diferentes áreas de conhecimento. Apontam ainda desafios na criação de repositório dos recursos didáticos e na correção de erros conceituais identificados em alguns produtos. As abordagens inclusivas e no âmbito dos pressupostos do movimento ciência, tecnologia, sociedade e ambiente são aspectos aprimorados a cada nova edição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cynthia Torres Daher, Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes e Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz.

Farmacêutica pela Faculdade de Farmácia e Bioquímica do Espírito Santo - FaFaBES. Pedagoga pela Faculdade de Educação e Comunicação Social - FAESA. Mestre em Educação pela Universidade Fedeal do Espírito Santo - UFES. Doutoranda em Ensino em Biociências e Saúde pela FIOCRUZ. Docente no Instituto Federal do Espírito Santo atuando na formação de Professores de Química e de Ciências em nível de graduação e de pós-graduação. Interesse de pesquisa nas áreas de Formação de professores, ensino de ciências e análise e produção de recursos didáticos.

Michele Waltz Comarú, Instituto Federal do Rio de Janeiro - Ifes e Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz.

Doutora em Ciências pelo Programa de Pós-graduação em Ensino em Biociências e Saúde do Instituto Oswaldo Cruz - Fiocruz/RJ com período de sanduíche na Universidad Autónoma de Madrid (Espanha), mestre em Química Biológica e graduada em Farmácia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Docente permanente dos Programas de Mestrado em Educação em Ciências e Matemática (EDUCIMAT-IFES) e de Mestrado em Rede em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT-IFRJ), no qual atua também como coordenadora, e da especialização em Educação e Divulgação Científica (EDV-IFRJ). Dedica maior parte da sua produção científica à área de Formação de professores e Educação Inclusiva.

Carolina Nascimento Spiegel, Universidade Federal Fluminense - UFF e Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz.

Bacharel e licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestre e doutora em Biologia Celular e Molecular pelo Fundação Oswaldo Cruz. Atua no convênio UFF-FIOCRUZ do Instituto Oswaldo Cruz, Professora Associada da Universidade Federal Fluminense, Coordenador Licenciatura Ciências Biológicas da Universidade Federal Fluminense, Coordenação PIBID da Universidade Federal Fluminense. Atuando principalmente nos seguintes temas:glândula de feromônio, Ultra-estrutura, Lutzomyia longipalpis, Sensilla, formação de professores e análise e produção de recursos didáticos.

Referências

ARANHA, M. L. A. Filosofia da educação. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2006.

BRASIL. Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 02 ago. 2019.

BRASIL. Casa Civil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 02 ago. 2019.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmera de Educação Superior. Parecer CNE/CP 28, de 2 de outubro de 2001. Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 01, de 18 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2002. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 02, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília, 2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf> . Acesso em: 02 jun. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmera de Educação Superior. Parecer CNE/CES 15, de 2 de fevereiro de 2005. Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP nºs 1/2002 e 2/2002, que instituem Diretrizes Curriculares Nacionais e duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior. Brasília, 2005. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pces0015_05.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP 02, de 9 de junho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, 2015a. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17625-parecer-cne-cp-2-2015-aprovado-9-junho-2015&Itemid=30192>. Acesso em: 15 jun. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 02, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, 2015b. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf&category_slug=agosto-2017-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 02 jun. 2018.

DEMO, P. Educar Pela Pesquisa. 10.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2015.

ESTEBAN, M. T.; ZACCUR, E. A pesquisa como eixo de formação docente. In: ESTEBAN, Maria Teresa; ZACCUR, Edwiges (Orgs.). Professora-pesquisadora: uma práxis em construção. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

LOPES, A C. Políticas de Currículo: mediação por grupos disciplinares de ensino de Ciências e Matemática. In: LOPES, A. C; MACEDO, E. (Orgs). Currículo de Ciências em Debate. Campinas: Papirus, 2004.

LÓPEZ, J. L. L., CEREZO, J. A. L. Educación CTS en acción: enseñanza secundaria y universidad. In: GARCÍA, M. I. G., CEREZO, J. A. L., LÓPEZ, J. L. L. Ciencia, tecnología y sociedad: una introducción al estudio social de la ciencia y la tecnología. Madrid: Editorial Tecnos S. A., 1996.

MOREIRA, L. M. Cursos de licenciatura com bases inclusivas: impressões de alunos com necessidades especiais e seus professores. In: JESUS, Denise Meireles de, BAPTISTA, Cláudio Roberto, et al (org). Inclusão, práticas pedagógicas e trajetórias de pesquisa. Porto Alegre: Mediação / Prefeitura Municipal de Vitória, 2007.

NÓVOA, A. Profissão Professor. 2. ed. Lisboa: Porto Editora, 1999.

PIMENTA, S. G. Professor Reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro. Professor Reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

SANTOS, W. L. P. dos; MORTIMER, E. F. Uma análise de pressupostos teóricos da abordagem C-T-S (Ciência – Tecnologia – Sociedade) no contexto da educação brasileira. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências. Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 1-23, dez. 2002.

SILVA, A. L; COMARÚ, M. W. A Pesquisa em Ensino de Ciências é Feita Por e Para Professores. In: COMARÚ, M. W; KAUARK, F. da S. (Orgs.). Ensinando a ensinar ciências: reflexões para docentes em formação. Vitória, ES: Edifes, 2017.

SOUZA, F. C. S.; BORGES, A. A. Estágio supervisionado e prática reflexiva: narrativas de concluintes da licenciatura em matemática (IFRN/Mossoró). RBEPT, n. 10, v. 1, p. 44-54. 2016.

Downloads

Publicado

05/04/2020

Como Citar

DAHER, C. T.; COMARÚ, M. W.; SPIEGEL, C. N. CONTRIBUIÇÕES DE OFICINAS DE PRODUÇÃO DE RECURSOS DIDÁTICOS NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 18, p. e9176, 2020. DOI: 10.15628/rbept.2020.9176. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/9176. Acesso em: 1 out. 2022.

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA