NUARTE: uma análise do projeto de extensão “Música na Escola” no campus Natal – Zona Norte – IFRN.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2018.6967

Palavras-chave:

NUARTE. Educação. Cultura. Música

Resumo

Inicialmente, cabe refletir sobre o questionamento de Hentschke (1995) em relação ao papel da educação musical na escola, como por exemplo: é significativa a disseminação a respeito da ideia de que a educação musical nas escolas teria como objetivo formar músicos profissionais? Por que surgem essas questões com relação à música, e não com relação a outras disciplinas como Ciência e História, por exemplo? Neste contexto, a autora destaca, então, algumas razões importantes para justificar a inserção da educação musical no currículo escolar como: o desenvolvimento da sensibilidade estética e artística do sujeito, o desenvolvimento da imaginação e do potencial criativo, um sentido histórico da nossa herança cultural, meios de transcender o universo musical imposto pelo seu meio social e cultural, o desenvolvimento cognitivo, afetivo e psicomotor, o desenvolvimento da comunicação não-verbal, o reconhecimento das potencialidades e limites vocais, dentre outras contribuições. Assim, o objetivo deste projeto consiste em apreender as impressões dos alunos participantes das oficinas de canto e coral a respeito das contribuições do projeto de extensão em música em relação ao reconhecimento das suas potencialidades e limitações vocais, as suas experiências de participação em um coral e os aspectos positivos e negativos das suas experiências no referido projeto. Metodologicamente, foram desenvolvidas oficinas de canto e coral. Paralelamente às oficinas elaborou-se um instrumento de coleta de dados (questionário semiestruturado) a partir de reuniões sistemáticas para avaliar as referidas oficinas e os resultados obtidos pelas mesmas. Os resultados obtidos nesta pesquisa corrobora com a concepção de que a música é um importante fator na aprendizagem, principalmente, pela interação significativa entre a música e a vida dos sujeitos. Na aprendizagem, a música é muito importante, pois o aluno convive com ela desde muito pequeno. A escola, enquanto espaço institucional de produção de conhecimentos socialmente construídos pode e deve se ocupar na promoção da aproximação dos alunos com outras propriedades da música que não aquelas reconhecidas por elas na sua relação espontânea com a mesma. O projeto trouxe essa aproximação e o encantamento com a música pela maioria dos participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Fábio Araújo Santos, IFRN

Professor de arte efetivo do IFRN, lotado no Campus Natal - Zona Norte. Doutor em Educação pela UFRN.

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

BRÉSCIA, Vera Lucia Pessagno. Educação Musical: bases psicológicas e ação preventiva. São Paulo: Átomo, 2003.

CHUN, RYS. Voz profissional: repensando conceitos e práticas na promoção da saúde vocal. In: Ferreira LP, Andrada e Silva M. Saúde vocal: práticas fonoaudiológicas. São Paulo: Roca; 2002. p.19-31.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HENTSCHKE, Liane & OLIVEIRA, Alda. A educação musical no Brasil. In: HENTSCHKE, Liane (org.). Educação musical em países de línguas neolatinas. Porto Alegre: Universidade/UFRGS, 2000.

Downloads

Publicado

20/06/2018

Como Citar

SANTOS, F. A. NUARTE: uma análise do projeto de extensão “Música na Escola” no campus Natal – Zona Norte – IFRN. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 14, p. e6967, 2018. DOI: 10.15628/rbept.2018.6967. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/6967. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS