NUARTE: uma análise do projeto de extensão “Música na Escola” no campus Natal – Zona Norte – IFRN.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2018.6967

Palavras-chave:

NUARTE. Educação. Cultura. Música

Resumo

Inicialmente, cabe refletir sobre o questionamento de Hentschke (1995) em relação ao papel da educação musical na escola, como por exemplo: é significativa a disseminação a respeito da ideia de que a educação musical nas escolas teria como objetivo formar músicos profissionais? Por que surgem essas questões com relação à música, e não com relação a outras disciplinas como Ciência e História, por exemplo? Neste contexto, a autora destaca, então, algumas razões importantes para justificar a inserção da educação musical no currículo escolar como: o desenvolvimento da sensibilidade estética e artística do sujeito, o desenvolvimento da imaginação e do potencial criativo, um sentido histórico da nossa herança cultural, meios de transcender o universo musical imposto pelo seu meio social e cultural, o desenvolvimento cognitivo, afetivo e psicomotor, o desenvolvimento da comunicação não-verbal, o reconhecimento das potencialidades e limites vocais, dentre outras contribuições. Assim, o objetivo deste projeto consiste em apreender as impressões dos alunos participantes das oficinas de canto e coral a respeito das contribuições do projeto de extensão em música em relação ao reconhecimento das suas potencialidades e limitações vocais, as suas experiências de participação em um coral e os aspectos positivos e negativos das suas experiências no referido projeto. Metodologicamente, foram desenvolvidas oficinas de canto e coral. Paralelamente às oficinas elaborou-se um instrumento de coleta de dados (questionário semiestruturado) a partir de reuniões sistemáticas para avaliar as referidas oficinas e os resultados obtidos pelas mesmas. Os resultados obtidos nesta pesquisa corrobora com a concepção de que a música é um importante fator na aprendizagem, principalmente, pela interação significativa entre a música e a vida dos sujeitos. Na aprendizagem, a música é muito importante, pois o aluno convive com ela desde muito pequeno. A escola, enquanto espaço institucional de produção de conhecimentos socialmente construídos pode e deve se ocupar na promoção da aproximação dos alunos com outras propriedades da música que não aquelas reconhecidas por elas na sua relação espontânea com a mesma. O projeto trouxe essa aproximação e o encantamento com a música pela maioria dos participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Araújo Santos, IFRN

Professor de arte efetivo do IFRN, lotado no Campus Natal - Zona Norte. Doutor em Educação pela UFRN.

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

BRÉSCIA, Vera Lucia Pessagno. Educação Musical: bases psicológicas e ação preventiva. São Paulo: Átomo, 2003.

CHUN, RYS. Voz profissional: repensando conceitos e práticas na promoção da saúde vocal. In: Ferreira LP, Andrada e Silva M. Saúde vocal: práticas fonoaudiológicas. São Paulo: Roca; 2002. p.19-31.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HENTSCHKE, Liane & OLIVEIRA, Alda. A educação musical no Brasil. In: HENTSCHKE, Liane (org.). Educação musical em países de línguas neolatinas. Porto Alegre: Universidade/UFRGS, 2000.

Downloads

Publicado

20/06/2018

Como Citar

SANTOS, Fábio Araújo. NUARTE: uma análise do projeto de extensão “Música na Escola” no campus Natal – Zona Norte – IFRN. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 14, p. e6967, 2018. DOI: 10.15628/rbept.2018.6967. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/6967. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.