INFLUÊNCIA DE ÓRGÃOS INTERNACIONAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL BRASILEIRA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2017.5595

Palavras-chave:

Política educacional, Organismos Internacionais, Educação profissional

Resumo

O objetivo do presente artigo é fazer uma reflexão teórica sobre a interferência de órgãos internacionais, na politica de educação profissional brasileira, assim como suas consequências. Como base para esse estudo, diversos autores são usados, principalmente do campo da Educação. A partir da análise dessas publicações, é construído um ensaio que evidencia que a educação profissional sofreu e ainda mantém a influência de instituições internacionais, que em sua maioria é bancos, que estimulam mudanças nos projetos educacionais a partir de demandas do mercado. A finalidade dessas intervenções, na politica educacional nacional, é a produção de trabalhadores aptos a manutenção de uma economia voltada para o acumulo de capital, criando com isso um obstáculo para que a educação profissional seja a base para uma formação humana integral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

AZEVEDO, l. A; SHIROMA, E.O; COAN, M. As políticas públicas para a educação profissional e tecnológica: sucessivas reformas para atender a quem? Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v.38, n.2, pp. 27-40, mai./ago., 2012.

DELUIZ, Neise; VELOSO, Bianca. Políticas de educação profissional e enfrentamento da desigualdade: O ProJovem Trabalhador em foco. IN: MORAES, Lélia Cristina Silveira et alii (org.) ProJovem: Escola, trabalho e cidadania na contramão do discurso instituído? Curitiba: Champagnat, 2012.

FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida a lógica do mercado. Educação e Sociedade, Campinas, v.24, n. 82, p. 93-130, abr. 2003.

KUENZER, Acácia. Da dualidade assumida à dualidade negada: o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente. Revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1153-1178, out. 2007.

LIMA, Marcelo. A educação profissional no governo Dilma: Pronatec, PNE e DCNEMs. RBPAE, v. 28, n.2, p, 495-513, maio/ago, 2012.

MOURA, Dante Henrique; LIMA FILHO, Domingos Leite; SILVA, Mônica Ribeiro. Politecnia e educação integrada: confrontos conceituais, projetos políticos e contradições históricas da educação brasileira. In: Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro: ANPEd, v. 20, n. 63, out./dez. 2015, pág. 1057-1080 Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782015206313

OLIVEIRA, Ramon. Algumas questões para pensar a educação de nível técnico e a qualificação profissional. In: ZIBAS, Dagmar e al. (orgs.). O ensino médio e a reforma da educação básica. Brasília: Plano, 2002, p. 259-278.

OLIVEIRA, Ramon. O Banco Mundial e a educação profissional. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v.27, n.2, pp. 24-33, mai./ago., 2001.

RAMOS, Marise N. Trabalho, Educação e Correntes Pedagógicas no Brasil: um estudo a partir da formação dos trabalhadores técnicos da saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, UFRJ, 2010. pp. 35 a 61.

VIEIRA, Monica et al. Dinâmica da formação técnica e da ocupação de postos de trabalho em saúde: Brasil, anos 2000. In: MOROSINI et al (org.). Trabalhadores técnicos da saúde: aspectos da qualificação profissional no SUS. Rio de Janeiro: EPSJV, 2013.

Downloads

Publicado

18/12/2017

Como Citar

FERREIRA, M. S. INFLUÊNCIA DE ÓRGÃOS INTERNACIONAIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL BRASILEIRA. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 13, p. 73–80, 2017. DOI: 10.15628/rbept.2017.5595. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/5595. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS