Educação Profissional e acessibilidade: Reflexões a partir do estudo no contexto do laboratório de bioquímica do IFRS/POA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2021.10871

Palavras-chave:

Educação profissional. Acessibilidade. Ensino de bioquímica. Laboratório.

Resumo

O presente artigo apresenta as reflexões produzidas a partir do estudo que teve como objetivo investigar os processos de inclusão no âmbito da Educação Profissional a partir da análise da acessibilidade dos espaços físicos, em particular, dos laboratórios da área de bioquímica do IFRS - Campus Porto Alegre. Para tanto, partimos do entendimento de que a acessibilidade física é um dos elementos essenciais para a legitimação da inclusão educacional, uma vez que sua natureza é garantir o acesso nos mais diversos espaços, com facilidade, autonomia e segurança. Os resultados apresentados suscitam a necessidade de ampliarmos os estudos sobre tal temática, em particular, no âmbito da educação profissional, a fim de construirmos estratégias voltadas à promoção da acessibilidade no espaço  dos laboratórios, no caso,  de bioquímica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BRASIL, Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2019. Disponível em http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf . Acesso em 24/4/2020.

BRASIL, Estatuto da pessoa com deficiência – Brasília : Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2015. Disponível em file:///C:/Users/ANONIMUS/Desktop/ESTATUTO%20PESSOA%20COM%20DEFICIENCIA.pdf. Acesso em 24/4/2020.

HIRATA, M. H. O laboratório de ensino e pesquisa e seus riscos. In HIRATA, M. H.;

MANCINI FILHO, J. Manual de Biossegurança. São Paulo: Manoele LTDA, 2002.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de biologia. 2.ed. São Paulo: Harper, 1986.

MANZINI, E. J. Inclusão e acessibilidade. In: Revista da Sobama. v.10, n. 1. p. 31-36. 2005. Suplemento.

MATOS, K. de. Posso brincar com você? Um estudo da possibilidade de crianças cegas brincarem com videntes sob a Ática do desenho universal. 287 f. Dissertação (Mestrado em Educação)- Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo: São Paulo, 2007.

MEC/SETEC. Ofício nº 1409/2009DAPE/SETEC/MEC. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, Diretoria de Articulação e Projetos Especiais, 2009. Brasília – DF.

MEC PCN Ensino Médio. Brasília: SEMTEC/MEC, 1999. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS.

MELO, A. M. Acessibilidade e corpo: encontros e desencontros na inclusão educacional. In: DA SILVA, F. F; DE FREITAS, D. P. S. II Seminário corpos, gêneros, sexualidades e relações étnico-raciais na educação. Uruguaiana: Unipampa, 2012. 35-50.

SASSAKI, R. K. Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho. São Paulo: PRODEF, 1997, 16 p.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

WEISSMANN, H. Didática das ciências naturais: contribuições e reflexões. Tradução Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artmed, 1998. 248 p.

Downloads

Publicado

2021-07-22

Como Citar

CHAVES, J. V.; TALLINI, K.; PRESTES, L. M.; LISKA, M. G. Educação Profissional e acessibilidade: Reflexões a partir do estudo no contexto do laboratório de bioquímica do IFRS/POA. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 20, p. e10871, 2021. DOI: 10.15628/rbept.2021.10871. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/10871. Acesso em: 21 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS