PRÁTICAS EDUCATIVAS E A PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: EXPERIÊNCIAS NO ENSINO INTEGRADO NO IFPB

Autores

  • Silvia Helena Valente Bastos Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba
  • Gilcean Silva Alves

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2020.10306

Palavras-chave:

Práticas alimentares, Corpo Humano, Meio ambiente. Construção de conhecimentos.

Resumo

É consenso na literatura que práticas alimentares não saudáveis representam fator de risco para a ocorrência de diversas doenças e abordar alimentação e nutrição no âmbito escolar contribui na promoção da alimentação saudável e no processo de ensino e aprendizagem. Este artigo é um relato de experiência de ações de educação alimentar e nutricional (EAN) realizadas com discentes do 3° ano do curso técnico de controle ambiental do Instituto Federal da Paraíba, Campus João Pessoa. A presente pesquisa, do tipo descritiva e abordagem qualitativa, traz a análise temática de conteúdo das avaliações somativa e formativa, de cinco encontros de EAN durante o ensino da fisiologia humana. As ações permitiram ampliação de conhecimentos, intenção ou modificação de práticas alimentares e compreensão de como escolhas alimentares afetam o corpo humano e o meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Silvia Helena Valente Bastos, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba

Sou nutricionista servidora do IFPB, mestranda do PROFEPT e bolsista CAPES pelo Programa de Incentivo à Qualificação do Servidor (PIQIFPB).

Referências

ANVISA. Gerência-Geral de Alimentos. Processo de revisão da regulamentação de rotulagem nutricional: resultados das atividades já desenvolvidas e planejamento das próximas ações. Brasília: Anvisa, 2019. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/2782895/Rotulagem+Nutricional.pdf/4d540957-2a21-460a-9275-235deb3cde03>. Acesso em: 05 maio 2020.

ÁVILA, R. S. et. al. Educação alimentar e nutricional para adolescentes: O protagonismo como estratégia para práticas alimentares saudáveis. Revista Saúde e Desenvolvimento Humano. Canoas. v. 7, n. 3, p. 39-48, 2019. Disponível em: <https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/saude_desenvolvimento/article/view/5053/pdf>. Acesso em: 22 abril 2020.

BOOG, M. C. F. Educação em Nutrição: integrando experiências. Campinas, SP: Komedi, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília: MS, 2014. Disponível em: < https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf>. Acesso em: 02 fevereiro 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Universidade Federal de Minas Gerais. Instrutivo: metodologia de trabalho em grupos para ações de alimentação e nutrição na atenção básica. Brasília: MS, 2016. Disponível em:

<https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/instrutivo_metodologia_trabalho_alimentacao_nutricao_atencao_basica.pdf>. Acesso em: 25 outubro 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Departamento de ações programáticas e estratégicas. Proteger e cuidar da saúde de adolescente na atenção básica. Brasília: MS, 2017. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/proteger_cuidar_adolescentes_atencao_basica.pdf>. Acesso em: 20 maio 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: MS, 2019. Disponível em: <https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/julho/25/vigitel-brasil-2018.pdf>. Acesso em: 15 junho 2019.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Marco de referência a educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília: MDS, 2012. Disponível em: <http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/seguranca_alimentar/marco_EAN.pdf>. Acesso em: 18 janeiro 2019.

CARNEIRO, C. de S. et. al. Excesso de peso e fatores associados em adolescentes de uma capital. Revista Brasileira de Epidemiologia. v. 20, n.2, abr.-jun., p.260-273, rio de janeiro, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20n2/1980-5497-rbepid-20-02-00260.pdf>. Acesso em:15 fevereiro 2020.

CARVALHO, M. C. V. S. et. al. Avaliação de ações de Educação Alimentar e Nutricional na escola. Instituto de Nutrição Josué de Castro/ UFRJ para o projeto MDS/SESAN/ CNPq, 2016. Disponível em: <http://www4.planalto.gov.br/consea/publicacoes/avaliacao-de-acoes-de-ean/avaliacao-de-acoes-de-ean-na-escola/1-avaliacao-de-acoes-de-ean-na-escola.pdf>. Acesso em: 11 novembro 2019.

COSTA, M. de C. et. al. Experiência lúdica de promoção de alimentação saudável no ambiente escolar: satisfação e aprendizado dos estudantes. O mundo da saúde. São Paulo. v. 40, n. 1, p. 38.50, 2016. Disponível em: <http://www.unirio.br/cecane/arquivos/experiencia_ludica_promocao.pdf>. Acesso em: 10 dezembro 2019.

GOMES, M. E. M.; TEIXEIRA, C. Aproveitamento integral dos alimentos: qualidade nutricional e consciência ambiental no ambiente escolar. Ensino, saúde e ambiente. Niterói. v. 10, n. 1, p. 203-217, 2017. Disponível em:

< https://periodicos.uff.br/ensinosaudeambiente/article/view/21257/12729>. Acesso em: 15 abril 2020.

MAGALHÃES, Q. V. B.; CAVALCANTE, J. L. P. Educação alimentar e nutricional como intervenção em hábitos alimentares saudáveis no ambiente escolar. Sanare. Sobral. v. 18, n. 1, p. 59-67, 2019. Disponível em: <https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1306/687>. Acesso em: 10 março 2020.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

SILVA, L. S, et. al. Semeando saúde: Educação ambiental e alimentar em escolas de Itaqui/RS. Extensio. Florianópolis. v. 17, n. 35, p. 108-125, 2020.Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/extensio/article/view/1807-0221.2020v17n35p108>. Acesso em: 20 maio 2020.

SILVEIRA, J. A. C. et al. A efetividade de intervenções de educação nutricional nas escolas para prevenção e redução do ganho excessivo de peso em crianças e adolescentes: uma revisão sistemática. Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro. v. 87, n. 5, p. 382-392, 2011. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572011000500004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 18 janeiro 2019.

VAZ, E. da G. V.; RIBEIRO, S. R. P.; RUFINO, M. do S. M. Os reflexos profilático e pedagógico da educação alimentar nas escolas do Maciço de Baturiré, Ceará. Revista Brasileira de Extensão Universitária. Chapeco. v. 11, n. 1, p. 01.11, 2020. Disponível em: <https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/RBEU/article/view/10928>. Acesso em 29 abril 2020.

WHO. Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva: World Health Organization, 2014.

Downloads

Publicado

22/09/2020

Como Citar

BASTOS, S. H. V.; ALVES, G. S. PRÁTICAS EDUCATIVAS E A PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: EXPERIÊNCIAS NO ENSINO INTEGRADO NO IFPB. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 19, p. e10306, 2020. DOI: 10.15628/rbept.2020.10306. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/10306. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA