CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS GESTORES DE PESQUISA E DE EXTENSÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS

Autores

  • Magali Inês Pessini Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Santa Catarina
  • Luciana Calabró Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2020.10068

Palavras-chave:

Gestores, Pesquisa, Extensão, Institutos Federais, Produção Científica

Resumo

O presente artigo objetiva caracterizar a produção científica dos Gestores de Pesquisa e de Extensão dos Institutos Federais. É de grande importância retratar o perfil desses gestores, que assumem o papel de zelar pelo cumprimento da missão institucional e pelas políticas e ações institucionais de pesquisa e extensão dentro de uma proposta singular de Educação Profissional e Tecnológica, que está em plena expansão e visa à consolidação de sua estrutura. Trata-se de uma pesquisa descritiva, de abordagem quantitativa. Esta investigação se pautou pela análise do cenário institucional, pelas características do perfil dos gestores, tais como: gênero, instituição de doutoramento e função institucional. Traçamos um percurso metodológico alicerçado no conceito de Cientometria e constatamos que, com titulação acadêmica mais elevada, os gestores de Pesquisa possuem produção científica maior do que os gestores de Extensão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BARROS, A. J. P.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de Metodologia: um guia para a iniciação científica. São Paulo: McGraw-Hill, 1986.

BERTI, L. C. et al. Produção científica e formação de recursos humanos na área de Bioquímica em instituições federais do Rio Grande do Sul: fomento estadual. Química Nova, v. 33, n. 3, p. 765-771, 2010.

BRASIL. Decreto n° 19.851. Rio de Janeiro: República dos Estados Unidos do Brasil, 1931. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/ 1930-1939/decreto-19851-11-abril-1931-505837-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 27 set. 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006. Brasília: Presidência da República, 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato 2004-2006/2006/Decreto/D5707.htm. Acesso em: 3 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Brasília: Presidência da República, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato 2007-2010/2008/Lei/L11892.htm. Acesso em: 5 maio 2020.

BRASIL. Plano Nacional pelo Desenvolvimento da Educação (PNDE). Brasília: Ministério da Educação, 2007. Disponível em: https://www.todospela educacao.org.br/conteudo/saiba-o-que-e-e-como-funciona-o-plano-de-desen volvimento-da-educacao/. Acesso em: 4 maio 2020.

DEMO, P. A Nova LDB: ranços e avanços. 3. ed. Campinas: Papirus, 1997.

FERNANDES, F. C. M. Gestão dos Institutos Federais: O Desafio do Centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Holos, Fortaleza, a. 25, v. 2, p. 3-9, 2009.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS (FORPROEX). Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus, 2012. Disponível em: http://www.renex.org.br/docu mentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

FUJITA, M. S. L. Aspectos evolutivos das bibliotecas universitárias em ambiente digital na perspectiva da rede de bibliotecas da UNESP. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 15, n. 2, p. 97-112, jul./dez. 2005.

GALIAZZI, M. C. et al. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de ciências. Ciência e Educação, v. 7, n. 2, p. 249-263, 2001.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

JACOBS, D. Demystification of bibliometrics, scientometrics, informetrics and webometrics. In: DIS ANNUAL CONFERENCE, 11., 2010. Conferences […]. Richardsbay: University of Zululand, 2010. Disponível em: https://www.rese archgate.net/publication/266877235_Demystification_of_Bibliometrics_Scientometrics_Informetrics_and_Webometrics. Acesso em: 6 jun. 2017.

KUNZE, N. C.; CONCIANI, W. Ensino, pesquisa e extensão: uma relação possível a favor da moradia. In: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Cadernos Temáticos. v. 14. Brasília: MEC, 2007. p. 23-30.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Um novo modelo em Educação Profissional e Tecnológica: concepções e diretrizes. Brasília: Institutos Federais, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option= com_docman&view=download&alias=6691-if-concepcaoediretrizes&category _slug=setembro-2010pdf&Itemid= 30192. Acesso em: 21 out. 2017.

MORAES FILHO, W. B.; SILVEIRA, H. E. Extensão na formação profissional: desafios e possibilidades. Uberlândia: EDUFU, 2011. Disponível em: https://curricularizacaodaextensao.ifsc.edu.br/files/2016/06/5 _Extensao_na_Formacao_Profissional_Desafios_e_Possibilidades.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

OKUBO, Y. Bibliometric Indicators and analysis of reaserchsytems: methods and examples. Paris: OECD, 1997.

REDE FEDERAL. Instituições. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: http://rede federal.mec.gov.br/instituicoes. Acesso em: 5 maio 2020.

SANTOS, R. N. M.; KOBASHI, N. Y. Bibliometria, Cientometria, Infometria: conceitos e aplicações. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, Brasília, v. 2, n. 1, p. 155-172, jan./dez. 2009.

SAVIANI, D. Tendências e correntes da educação no Brasil. In: MENDES, D. T. (coord.). Filosofia da educação brasileira. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987. p. 19-47.

TARGINO, M. G.; GARCIA, J. C. R. Ciência brasileira na base de dados do Institut for Scientific Information (ISI). Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 1, p. 103-107, jan./abr. 2000.

Downloads

Publicado

04/09/2020

Como Citar

PESSINI, M. I.; CALABRÓ, L. CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DOS GESTORES DE PESQUISA E DE EXTENSÃO DOS INSTITUTOS FEDERAIS. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 19, p. e10068, 2020. DOI: 10.15628/rbept.2020.10068. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/10068. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS