EXTENSÃO E FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Autores

  • Olivia Morais Medeiros Neta Universidade Federal do Rio Grande do Norte http://orcid.org/0000-0002-4217-2914
  • Dante Henrique Moura
  • Ilane Ferreira Cavalcante
  • João Paulo Oliveira
  • Conceição Leal Costa

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2018.7101

Resumo

 

O que se pretende com o diálogo, em qualquer hipótese (seja em torno de um conhecimento científico e técnico, seja de um conhecimento “experiencial”), é a problematização do próprio conhecimento em sua indiscutível reação com a realidade concreta na qual se gera e sobre a qual incide, para melhor compreendê-la, explicá-la, transformá-la.

Paulo Freire, 2002

 

O conceito de extensão mudou ao longo do tempo, mas sempre esteve ligado à relação entre Universidades e Instituições com função de formação no ensino superior e a sociedade. Cada instituição estabelece o seu modelo e determina as formas como ela é desenvolvida. Mas ela sempre é um diálogo entre a comunidade acadêmica e a sociedade. Ela é um processo educacional que visa estabelecer uma prática de formação que leve à compreensão da realidade social e visa também levar o conhecimento produzido na comunidade acadêmica para fora de seus muros e trazer os conhecimentos sociais para as instituições educacionais.

Existem pelo menos quatro modelos de extensão utilizados pelas instituições de ensino superior ao longo da história: um que representa a transmissão vertical do conhecimento; aquele que se apresenta como voluntarismo, a ação voluntaria sócio comunitária; o modelo que se apresenta como ação sócio comunitária institucional; e o modelo acadêmico institucional. Evidentemente, tais modelos se apresentam de formas distintas em diferentes momentos e diferentes instâncias institucionais.

Para a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da educação brasileira, a extensão é uma das finalidades da formação em nível superior, que se articula a partir dos tripés ensino, pesquisa e extensão. Isso fica claro ao lermos os incisos II, IV e VII do artigo 43, da referida lei:

 

Art. 43. A educação superior tem por finalidade:

[...]

II - formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua;

[...]

IV - promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação;

[...]

VII - promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição.

(BRASIL, 1996).

 

Evidentemente, a LDB deixa entrever que na construção de seu discurso, diferentes formas de extensão e diferentes modelos conflitam em seu discurso, desde os modelos mais tradicionais, voltados para a transmissão do conhecimento produzido (inciso IV), com a ênfase nos verbos “promover” e “comunicar” até o diálogo e a colaboração em dupla via entre academia e sociedade, caso do inciso VII, que propõe que a abertura da participação da população na construção do conhecimento, embora que apenas difundindo as conquistas das produções institucionais. A LDB também não prevê a extensão como parte da formação no Ensino Médio, aspecto desenvolvido pelos institutos federais, e definido como uma das finalidades da rede de educação profissional e tecnológica na Lei 11.892/2009 (lei de criação dessas instituições). As reflexões presentes neste dossiê deixam evidente a lacuna da legislação acerca da importância da extensão na formação profissional e no ensino médio, em geral, assim como a relevância dos projetos de extensão desenvolvidos no diálogo entre a academia e a sociedade para a formação dos profissionais de nível técnico ou superior.

A diversidade de modelos, formatos e ações extensionistas foi o que instigou, em parte, a organização de um dossiê que pensasse a extensão sob a perspectiva não só da formação geral, mas da educação profissional. Um conjunto de reflexões que reúne pesquisadores de várias instituições brasileiras (institutos federais e universidades) e que conta com a colaboração, na editoração e no corpo de produções, da colega Conceição Leal da Costa da Universidade de Évora.

O conjunto de reflexões, experiências e práticas aqui reunido traça um retrato da diversidade das ações de extensão e das perspectivas teóricas, sociais, educacionais que movem as instituições de educação básica e superior em seu diálogo com a sociedade e permite o registro desse momento para a construção histórica da extensão no Brasil.

 

Boa leitura!

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Olivia Morais Medeiros Neta, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduada e Mestre em História pela UFRN. Doutora em Educação pela mesma instituição. Professora do Centro de Educação da UFRN.

Downloads

Publicado

20/06/2018

Como Citar

MEDEIROS NETA, O. M.; MOURA, D. H.; CAVALCANTE, I. F.; OLIVEIRA, J. P.; COSTA, C. L. EXTENSÃO E FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 1, n. 14, p. e7101, 2018. DOI: 10.15628/rbept.2018.7101. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/7101. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

EDITORIAL

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

> >>