O MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A AMPLIAÇÃO DO RECONHECIMENTO DOS INDÍGENAS NO ESTADO DE ALAGOAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2020.9870

Palavras-chave:

Educação Profissional Integrada, Sociedades Indígenas, Educação Integral, História, Cultura.

Resumo

Este artigo aborda a importância da discussão da temática indígena nas salas de aula do Instituto Federal de Alagoas (IFAL) e a contribuição do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) para o tratamento de temáticas locais, muitas vezes negligenciadas. De cunho bibliográfico, documental e reflexivo, discute três pontos: (1) o ProfEPT e o produto educacional, (2) a educação integral e a obrigatoriedade da inclusão da temática "História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena" no currículo oficial das escolas públicas e privadas e (3) a relevância do estudo da história e a cultura dos povos indígenas alagoanos nas salas de aula do IFAL. Nas considerações finais apontamos a possibilidade de que os produtos educacionais produzidos no âmbito do ProfEPT contribuam para o aperfeiçoamento da prática educativa e para a ampliação do reconhecimento do contexto local/regional pela comunidade escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Adriana Cirqueira Freire, Instituto Federal de Alagoas

Jornalista do Instituto Federal de Alagoas Campus Satuba

Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica pelo PROFEPT

Especialista em Docncia para o Ensino Supeior

Graduada em Comunicação Social (habilitações Jornalismo e Relaçoes Públicas)

Beatriz Medeiros de Melo

Professora Adjunta de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico IFAL
Professora Efetiva do Mestrado Profissional em Educação Profissional - IFAL.
Professora Colaboradora do Mestrado em Sociologia - UFAL.
Doutora em Sociologia - UFSCar/São Carlos/SP
Mestre em Geografia - UNESP/Presidente Prudente/SP
Graduada em Ciências Sociais - UNESP/Araraquara/SP

Referências

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os índios na história do Brasil. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2010.

AMORIM, Siloe Soares. Indios ressurgidos: a construção da auto-imagem: os Tumbalala, os Kalanko, os Karuazu, os Catokinn e os Koiupanka. 2003. 301 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/284858. Acesso em: 03 ago. 2018.

ARROYO, Miguel. Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2011

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Promulgada em 05 de outubro de 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 21 set. 2019.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os indígenas no Censo Demográfico 2010. Brasília. Disponível em https://ww2.ibge.gov.br/indigenas/indigena_censo2010.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional). Brasília: dezembro de 1996. Disponível http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 21 set. 2019.

BRASIL. Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília. Disponível em https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/98883/lei-10639-03. Acesso em: 21 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Brasília: outubro de 2005. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/res012004.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.645 de 10 de março de 2008. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília: março de 2008. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm, Acesso em: 21 set. 2019.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. 2000. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf. Acesso em: 21 set. 2019.

BRASIL. Instituto Federal do Espírito Santo. O ProfEPT. Histórico. 2018. Disponível em https://profept.ifes.edu.br/sobreprofept, Acesso em: 21 set. 2019.

BRASIL. Instituto Federal do Espírito Santo. Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica. Regulamento.. 2018. Disponível em https://profept.ifes.edu.br/images/stories/ProfEPT/Turma_2018/Regulamento/Res_CS_22_2018_-_Regulamento.pdf. Acesso em: 22 set. 2019.

BRASIL. Instituto Federal de Alagoas. Projeto Político Pedagógico Institucional (PPPI). 2013. Disponível em https://www2.ifal.edu.br/ifal/reitoria/pdi/documentos-pdi-2019-2023/outros-documentos/pppi-2013.pdf. Acesso em: 22 set. 2019

BRASIL. Fundação CAPES. Mestrado Profissional: o que é? . Brasília. Disponível em http://capes.gov.br/avaliacao/sobre-a-avaliacao/mestrado-profissional-o-que-e. Acesso em: 21 set. 2019.

FRIGOTTO, G., CIAVATTA, M., RAMOS, M. O trabalho como princípio educativo no projeto de educação integral de trabalhadores. In: COSTA, H. e CONCEIÇÃO, M. (Org.). Educação integral, sistema de reconhecimento e certificação educacional e profissional. São Paulo: CUT, 2005, p.19-62.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

LOMBARDI, José Claudinei. Educação, ensino e formação profissional em Marx e Engels. In: LOMBARDI, J. C., SAVIANI, D. (Org.). Marxismo e educação: debates contemporâneos. Campinas: Ed. Autores Associados Ltda, 2002. p. 27-64

OLIVEIRA, João Pacheco. Uma etnologia dos 'índios misturados' - situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana - Estudos em Antropologia Social. Rio de Janeiro. v. 4, n. 1: 47-77 p. 1998.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 152-165, Apr. 2007. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1413-24782007000100012&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 22 set. 2019.

SAVIANI, Dermeval. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1989. Disponível em https://docgo.net/detail-doc.html?utm_source=dermeval-saviani-sobre-a-concepcao-de-politecnia&utm_campaign=download. Acesso em: 23 set. 2019.

SCHÄFER, Márcio Egídio. O conceito de trabalho na filosofia de Hegel e alguns aspectos de sua recepção em Marx. 2012. 126 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012. Disponível em http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/2887. Acesso em: 23 set. 2019.

SILVA, Amaro Hélio Leite da. Proletarização Indi?gena no Alto Serta?o de Alagoas. In: Coleção Índios do Nordeste: temas e problemas, Vol. VIII, 2007

SILVA, Amaro Hélio Leite da. Geripankó: a formação de um território indígena no alto sertão. In: ALMEIDA, Luiz Sávio de (Org.). Índios do Nordeste: etnia, política e história. Maceió: EDUFAL, 2008.

SILVA, Amaro Hélio Leite da. Trabalho Indígena na Formação das Alagoas (Século XIX): os índios das matas nas falas e relatórios oficiais. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo, julho 2011. Disponível em http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1308187662_ARQUIVO_TRABALHOINDIGENANAFORMACAODASALAGOAS.pdf. Acesso em: 22 set. 2019.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. 15 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ep/v31n3/a09v31n3.pdf. Acesso em: 23 set. 2019.

VIEIRA, Jorge L. Gonzaga. Povos do sertão de Alagoas: confinamento, diáspora e reterritorialização. Revista Fórum Identidades. Itabaiana: GEPIADDE, Ano 4, Volume 8. jul-dez de 2010. Disponível em https://seer.ufs.br/index.php/forumidentidades/article/viewFile/1777/1566. Acesso em: 23 set. 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-03

Como Citar

FREIRE, A. C.; MELO, B. M. de. O MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A AMPLIAÇÃO DO RECONHECIMENTO DOS INDÍGENAS NO ESTADO DE ALAGOAS. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 19, p. e9870, 2020. DOI: 10.15628/rbept.2020.9870. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/9870. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS