A AUTOPERCEPÇÃO COMO SUJEITO CRIATIVO DE ESTUDANTES DO ENSINO TÉCNICO E TECNOLÓGICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/rbept.2017.5478

Palavras-chave:

Criatividade, Educação profissional, Conceito autoavaliativo.

Resumo

Abordar e desenvolver a criatividade, ainda é um desafio porque muitas pessoas acreditam que a criatividade é um dom especial. Assim, embasado na articulação entre Neurociências e Educação, este trabalho aborda o uso da ferramenta Mapa Mental como possível colaborador no desenvolvimento da autopercepção para a potencialização do comportamento criativo. O estudo envolveu coleta de dados a partir de uma experiência prática em um curso ministrado para 16 alunos do ensino técnico de nível médio e tecnológico de nível superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia, Campus Rio Grande. Os instrumentos utilizados foram teste de Criatividade de Chaffee (2000), questionários, planilha de análise das produções escritas e planilha de observação do curso. Os resultados apontam que a maioria se autopercebe moderadamente criativo, mas que tal situação nem sempre corresponde à realidade e que novas estratégias efetivas de ensino podem auxiliar os docentes em suas ações pedagógicas na busca da otimização do desenvolvimento cognitivo de seus alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cleiton Pons Ferreira, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Departamento de Engenharia Mecânica

Área de Gestão Empresarial

Fernanda Antoniolo Hammes de Carvalho, Universidade Federal do Rio Grande

Faculdade de Medicina

Ciências da Saúde

Referências

ALENCAR, E. M. L. S.; FLEITH, D. S. Criatividade: múltiplas perspectivas (3a. ed.) Brasília: EdUnB. 2003a.

______. Contribuições teóricas recentes ao estudo da criatividade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 19 (1), 1-8. 2003b.

_____. Inventário de Práticas Docentes que Favorecem a Criatividade no Ensino Superior. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 17, n. 1, 2004. p.105-110.

ANTUNES, C. A criatividade em sala de aula. Petrópolis: Vozes. 2005.

BADDELEY, A. A aprendizagem In: BADDELEY et al. MEMÓRIA: Artmed, 2011.

BUZAN, T. El libro de los mapas mentales. Editora Urano. Espanha. 1996.

______. Mapas Mentais: Métodos criativos para estimular o raciocínio e usar ao máximo o potencial do seu cérebro; tradução de Paulo Polzonoff Jr, Rio de Janeiro, Sextante, 2009.

CHAFFEE, J. Pense diferente, viva criativamente: oito passos para tornar a sua vida mais completa. Rio de Janeiro: Campus. 2000.

CLAXTON, G. O desafio de aprender ao longo da vida. Porto Alegre: Artmed, 2005.

COOPER, R.; JAYATIKALA, B. Group Creativity: The Effects of Extrinsic, Intrinsic, and Obligation Motivations, Creativity Research Journal, 18: 153-172. 2006.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Creativity: Flow and the psychology of Discovery and invention. New York: Harper Collins, p. 143, 1996.

DAWE, G.; JUCKER, R.; STEPHEN, M. Sustainable Development in Higher Education: Current Practice and Future Developments, a report for The Higher Education Academy. York: Higher Education Academy, 2005.

DE BONO, E. Criatividade levada a sério. São Paulo: Livraria Pioneira. 1994.

EMO, P. Educar pela pesquisa. 4ª ed. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2000.p. 1-61.

GERRIG, R. J. ; ZIMBARDO, P. G. A psicologia e a vida. Porto Alegre: Artmed, 2005.

EYSENCK, M. W. Memória semânticae conhecimento armazenado. In: BADDELEY et al. Memória. Porto Alegre: Artmed, 2011.

EYSENCK, M. W.; KEANE, M. T. Psicologia cognitiva: um manual introdutório. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FEIST, J. et al. Teorias da Personalidade. Porto Alegre: AMGH, 2015.

FLEITH, D. S. Criatividade: novos conceitos e ideias, aplicabilidade à educação. Revista Cadernos de Educação Especial, 17, 55-61. 2001

GARDNER, H. Os padrões dos criadores. In: BODEN, M. A.(Org.) Dimensões da Criatividade. Porto Alegre: Artmed Editora, 1999.

GAZZANIGA, M. S.; HEATHERTON, T. F. Ciência Psicológica: mente, cérebro e comportamento. 1ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

GREENSTEIN, L. Assessing 21st Century Skills: A guide to evaluating mastery and authentic learning. Thousand Oaks, California, Corwin, 2012

GUILFORD, J. P. The nature of human intelligence. New York. McGraw-Hill, p. 267, 1967.

HOWARD-JONES P. Fostering Creative Thinking: co-constructing insights from neuroscience and education. Higher Education Academy, Education Subject Centre, University of Bristol, England. 2008.

HSU, M. L. A., HOU, S.-T., & FAN, H.-L.Creative self-efficacy and innovative behavior in a service setting: Optimism as a moderator. The Journal of Creative Behavior, 45(4), 258–272. doi:10.1002/j.2162-6057.2011.tb01430.x, 2011.

HUGHES, D. J., FURNHAM, A., & BATEY, M.The structure of personality Predictors of self-rated creativity. Thinking Skills and Creativity, 9, 76-84.2013

KIM W. C., MAUBORGNE, R. Creating new market space. In: Harvard Business Review on Innovation. Boston: Harvard Business School Publishing Corporation. P.1-30. 2001.

KOSSLYN, S. M. Mental images and the brain. Cognitive Neuropsychology, 22, 333-347.2005.

LEFRANÇOIS, G. R. Teorias da aprendizagem. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

LENT, R. Neurociência da mente e do comportamento. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2008.

MMCARTHY, M.J. Domine la era de la información. Barcelona, Robinbook, 1991.

MICHALKO, M. Los secretos de los genios de creatividad. Barcelona: Gestión2000.com. 2002.

MONEREO, C. Estratejias de enseñanza y aprendizaje: formación del professorado y aplicación em la escuela. Barcelona: Graó, 1994.

ONTORIA, P. A. Aprender com Mapas Mentais: uma estratégia para pensar e estudar. Tradução Silvia Mariângela Spada, 2ª ed. São Paulo: Madras, 2006.

PEÑA, ANTONIO O.;GONZÁLEZ, JUAN M.M.; RUBIO, ANA M. Influencia de los mapas mentales em la forma de ser y pensar. Espanha. Revista Iberoamericana de Educación, (Online), Vol. 55, Nº. 1, 2011

PUCCIO, GERARD J. Two dimensions of creativity: level and style. The International Center for Studies in Creativity, 1999. Disponível em: http://www.buffalostate.edu/orgs/cbir/Readingroon/html/Puccio-99a.html. Acesso em: 10/02/2016

RENZULLI, J. S. A general theory for the development of creative productivity in young people. In F. J. Mönks & W. A. M. Peters (Eds.), Talent for the future. Maastricht, The Netherlands: Van Gorcum. 1992.

ROBINSON, KEN. Out of our minds – Learning to be Creative. Chichester, UK: Capstone Publishing Ltd., p. 2-3. 2011.

RUNCO, A. M. Creativity, theories and themes: research, development, and practice. San Diego: Elsevier. 2007.

SANTOS, D.; PRIMI R. Desenvolvimento socioemocional e aprendizado escolar: uma proposta de mensuração para apoiar políticas públicas. São Paulo: Instituto Airton Senna. 2014.

SANTOS, F. C. P. e (org.) et al. Manual de TCC da Área de Ciências da Saúde. Ipatinga: Centro universitário do Leste de Minas Gerais, 2006.

SCHENCK, J. Teaching and the adolescente brain.New York: W.W.Norton &Company, 2011.

STERNBERG, R. J.; LUBART, T. I. Investing in creativity. American Psychologist, 677–688, 1996.

TARDIF, M., LESSARD,. C. O trabalho docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

WECHSLER, S. M. Criatividade: descobrindo e encorajando. São Paulo: Editora Psy, 2008.

Downloads

Publicado

18/12/2017

Como Citar

FERREIRA, C. P.; CARVALHO, F. A. H. de. A AUTOPERCEPÇÃO COMO SUJEITO CRIATIVO DE ESTUDANTES DO ENSINO TÉCNICO E TECNOLÓGICO. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, [S. l.], v. 2, n. 13, p. 48–64, 2017. DOI: 10.15628/rbept.2017.5478. Disponível em: https://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/RBEPT/article/view/5478. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS