Avanços e desafios na atenção à saúde de pessoas com deficiência na atenção primária no Brasil: uma revisão integrativa

Érico Gurgel Amorim, Rafaela Liberali, Olivia Morais Medeiros Neta

Resumo


Trata-se de um estudo de revisão integrativa de literatura que objetivou descrever e analisar os fatores facilitadores e dificultadores para a atenção integral à saúde da pessoa com deficiência na atenção primária no Brasil, no período de 2006 a 2016. Pesquisou-se nas bases de dados Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e Scientific Electronic Library Online (SCIELO). Foram selecionados e submetidos à análise temática 30 estudos. As categorias que emergiram foram: O cuidado integral à saúde da pessoa com deficiência; Capacitação profissional para atuação junto à pessoa com deficiência e Acessibilidade aos serviços na atenção primária. A análise permitiu verificar que apesar de alguns avanços conquistados na garantia da saúde à pessoa com deficiência, ainda são escassas as ações de seu cuidado e reabilitação na atenção primária. Além disso, as práticas profissionais ainda carecem de qualificação e capacitação para o cuidado integral pretendido e a falta de acessibilidade física e atitudinal nas unidades básicas de saúde perpetuam um ciclo de iniquidades historicamente construído. Conclui-se que para a inclusão das pessoas com deficiência se tornar uma realidade, é fundamental enfrentar o desafio ético, político e conjuntural da garantia da efetividade de seus direitos legalmente constituídos, articulando deste modo uma sociedade mais justa e humana na criação de novas formas de vida no encontro com o outro.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Pessoas com Deficiência; Serviços de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, M. D. S. V. D. et al. (2014). Acessibilidade aos serviços de saúde: uma análise a partir da Atenção Básica em Pernambuco. Saúde debate, 38(spe), 182-194.

Antunes, M. H., & Rocha, E. F. (2011). Desbravando novos territórios: incorporação da Terapia Ocupacional na estratégia da saúde da família no município de São Paulo e a sua atuação na atenção à saúde da pessoa com deficiência no período de 2000-2006. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 22(3), 270-278.

Aoki, M., & Correa, F. O. (2013). Pessoas com deficiência moradoras de bairro periférico da cidade de São Paulo: estudo de suas necessidades. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 21(2), 391-398.

Batista, K. B. C., & Gonçalves, O. S. J. (2011). Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde e Sociedade, 20(4), 884-899.

Bezerra, E., & Dimenstein, M. (2008). O CAPS e o Trabalho em Rede: tecendo o Apoio Matricial na Atenção Básica. Psicologia, Ciência e Profissão, 28(3), 632-645.

Brasil. Ministério da Saúde. (2008). Portaria 154 de 24 de janeiro de 2008 cria os NASFs – Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Família. Recuperado em 17 dezembro, 2016, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt0154_24_01_2008.html.

Brasil. Ministério da Saúde. (2009). Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência no Sistema Único de Saúde – SUS. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em 17 novembro, 2016, de http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/atensaudecomdefic.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (2012). Política Nacional de Atenção Básica. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. (p. 110). (Série E. Legislação em Saúde). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em 17 novembro, 2016, de http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf.

Brasil. (2015). Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Recuperado em 20 novembro, 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm.

Campos, G. W. S. (2007). Reflexões sobre a clínica ampliada em equipes de saúde da família. In: Campos GWS. Saúde Paidéia. (3a ed.). (p. 68-75). São Paulo: Hucitec.

Campos, G. W. S., & Domitti, A. C. (2007). Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, 23 (2), 399-407.

Ceccim, R. B. (2004/2005) Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface comun saúde educ, 9(16), 161-177.

Ceccim, R. B. (2005). Réplica. Interface comun saúde educ, 9(16), 175-177. Recuperado em 20 dezembro, 2016, de http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832005000100016&lng=en&nrm=iso.

Costa, G. D. et al. (2009). Saúde da família: desafios no processo de reorientação do modelo assistencial. Rev Bras Enferm, 62(1),113-8.

Cunha Falcão, S., & de França, I. S. X. (2016). Morbidade e mortalidade em pessoas com deficiência na Previdência Social do Brasil. Ciência, Cuidado e Saúde, 15(2), 242-249.

Diniz, D., Barbosa, L., & Santos, W. R. (2009). Deficiência, direitos humanos e justiça. Sur. Rev. Int. direitos humanos, São Paulo, 6 (11) 64-77. Recuperado em 16 novembro, 2016, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-64452009000200004&lng=en&nrm=iso.

Ferreira, T. G., & Oliver, F. C. (2010). A atenção domiciliar como estratégia para ampliação das relações de convivência de pessoas com deficiências físicas. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 21(3), 189-197.

Fiorati, R. C., & Elui, V. M. C. (2015). Social determinants of health, inequality and social inclusion among people with disabilities. Revista latino-americana de enfermagem, 23(2), 329-336.

França, I. S. X., & Pagliuca, L. M. F. (2009). Inclusão social da pessoa com deficiência: conquistas, desafios e implicações para a enfermagem. Rev Esc Enferm da USP, 43(1),178-85.

França, I. S. X. et al. (2012). O descuidar do lesado medular na atenção básica: desafios bioéticos para as políticas de saúde. Rev. bras. enferm, 65(2), 236-243.

Figueira, E. (2014). Introdução à psicologia e pessoas com deficiência: a construção de um novo relacionamento! 2a. ed. São Paulo: Edição do Autor/AgBook.

Figueredo, M. D., & Campos, R. O. (2009). Saúde mental na atenção básica à saúde de Campinas, SP: uma rede ou um emaranhado? Ciênc Saúde Coletiva. 14(1),129-38.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE] (2010). Censo Demográfico 2010. Recuperado em 17 novembro, 2016, de http://censo2010.ibge.gov.br.

Jorge, M. S. B. et al. (2011) Promoção da saúde mental - tecnologias do cuidado: vínculo, acolhimento, co-responsabilização e autonomia. Cien Saude Colet, 16(7),3051-60.

Jorge, M. S. B. et al. (2015). Apoio matricial, projeto terapêutico singular e produção do cuidado em saúde mental. Texto & Contexto Enfermagem, 24(1), 112-120.

Hirdes, A. (2015). A perspectiva dos profissionais da Atenção Primária à Saúde sobre o apoio matricial em saúde mental. Cien Saude Colet, 20(2), 371-382.

Liberali, R. (2011). Metodologia Científica Prática: um saber-fazer competente da saúde à educação. 2a ed. rev. ampl. (p. 206). Florianópolis: Postmix.

Lopes, M. J. M. & Bohusch, G. (2014). Usuários portadores de deficiência: questões para a atenção primária de saúde. Revista Baiana de Enfermagem, 28(1).

Magalhães Junior, H. M. (2014). Atenção básica enquanto ordenadora da rede e coordenadora do cuidado: ainda uma utopia?. Divulg Saúde debate, 51, 14-29.

Maia, E. R., Pagliuca, L. M. F., & Almeida, P. C. D. (2014). Learning of community health agent to identify and register disabled people. Acta Paulista de Enfermagem, 27(4), 326-332.

Martini, J. G. (2008). Mas, do que é mesmo que estamos falando quando abordamos a integralidade? Rev Bras Enferm, 61(3), 285.

Martins, K. P. et al. (2016). Internal structure of Family Health Units: access for people with disabilities. Ciência & Saúde Coletiva, 21(10), 3153-3160.

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. D. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto-Enfermagem, 17(4), 758-764.

Muniz, D. P. et al. (2011). Projeto terapêutico singular na produção do cuidado integral: uma construção coletiva. Texto Contexto Enferm, 20(3),293-302.

Othero, M. B., & Dalmaso, A. S. W. (2009). Pessoas com deficiência na atenção primária. Interface. Comunicação Saúde Educação, Botucatu, 13(28), 177-88.

Rocha, E. F., & Kretzer, M. R. (2009). Ações de reabilitação de pessoas com deficiência na estratégia da saúde da família da Fundação Zerbini e Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo-Região Sudeste-Sapopemba/Vila Prudente-período 2000/2006. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 20(1), 59-67.

Rosário, S. S. D. D. et al. (2013). Acessibilidade de crianças com deficiência aos serviços de saúde na atenção primária. Rev. eletrônica enferm, 15(3), 740-746.

Santos, A. M. et al. (2007). Linhas de tensões no processo de acolhimento das equipes de saúde bucal do Programa Saúde da Família: o caso de Alagoinhas, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública, 23(1),75-85.

Schoeller, S. D. et al. (2013). Aspectos da (in) dependência funcional de pessoas adscritas a um centro de saúde. Ciência, Cuidado e Saúde, 12(1), 47-55. Recuperado de DOI: 10.4025/cienccuidsaude. v12i1. 18026.

Silva, D. S. D. (2011). Apoio matricial em saúde mental: uma análise sob ótica dos profissionais de saúde da atenção primária. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, (6), 20-27.

Siqueira, F. C. V. et al. (2009). Barreiras arquitetônicas a idosos e portadores de deficiência física: um estudo epidemiológico da estrutura física das unidades básicas de saúde em sete estados do Brasil. Cien Saude Colet, 14(1), 39-44.

Souza, F. D. R., & Pimentel, A. M. (2012). Pessoas com deficiência: entre necessidades e atenção à saúde. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, 20(2).

Souza, M. T., da Silva, M. D., de Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, 8 (1) , 102-106.

Souza, C. C. B. X., & Rocha, E. F. (2010). Portas de entrada ou portas fechadas?: o acesso à reabilitação nas Unidades Básicas de Saúde da região sudeste do município de São Paulo-período de 2000 a 2006. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 21(3), 230-239.

Tedesco, J. D. R., & Junges, J. R. (2013). Desafios da prática do acolhimento de surdos na atenção primária. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 29(8),1685-1689.

Van Schaik, E. E. et al. (2014) Reflexões sobre a atenção às crianças com deficiência. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 25(3), 233-241.

World Health Organization [WHO]. (2011). World report on disability 2011. (pp. 323-325). WHO: Malta. Recuperado em 17 novembro, 2016, de http://www.who.int/disabilities/world_report/2011/report.pdf.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.5775



 

HOLOS IN THE WORLD