A DEFICIÊNCIA EM FOCO NOS CURRÍCULOS DE GRADUAÇÃO DA UFRN: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA (1960-2015)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2016.4000

Palavras-chave:

Pessoa com deficiência, Educação especial, Inclusão educacional, Educação Superior, Currículo.

Resumo

A deficiência é um conceito histórico-social e, como tal, requer a sua discussão nos diversos segmentos da sociedade, os quais inclui o sistema educacional. Deste modo, o artigo objetiva mapear, no período de 1960 a 2015, os componentes curriculares dos currículos de graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que versam sobre a deficiência em seus diversos contextos, e também, discorrer sobre de que modo o tema da deficiência e suas concepções foram retratados nestes currículos. Utilizou-se de pesquisa exploratória e documental em base de dados eletrônica do SIGAA/UFRN, realizada no período de janeiro a março de 2015. Os resultados expressam um crescente aumento na oferta de componentes curriculares com foco na deficiência no período em estudo, notavelmente nas áreas de educação e libras. Também indicam mudanças nas denominações atribuídas ao sujeito com deficiência, bem como nas concepções e paradigmas correlatos presentes nos componentes curriculares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Érico Gurgel Amorim, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduado em Medicina e Mestre em Saúde Coletiva pela UFRN.

Olivia Morais de Medeiros Neta, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Graduada e mestre em História, doutora em Educação e professora do Centro de Educação da UFEN e do PPGEP/IFRN.

Jacileide Guimarães, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora Doutora da Escola de Saúde e do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UFRN.

Referências

AMIRALIAN, Maria L. T. et al. Conceituando deficiência. Revista Saúde Pública, São Paulo, n. 34, v. 1, p. 97-103, 2000. Disponível em: < www.fsp.usp.br/rsp > Acesso em: 10 jan. 2015.

ARANHA, M. S. F. Integração social do deficiente - análise conceitual e metodológica. Temas em psicologia, Ribeirão Preto, v. 3, n. 2, ago. 1995.

ARAÚJO, Luiz Alberto David. A proteção constitucional das pessoas com deficiência. 4. ed. Brasília: Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência, 2011.

ARAÚJO, Luiz Alberto David. A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seus reflexos na ordem jurídica interna no Brasil. (1997) In: FERRAZ, Carolina Valença et al [Coords.]. Manual dos direitos da pessoa com deficiência. São Paulo: Saraiva, 2012.

BEZERRA, E. V. Inclusão do aluno com deficiência visual no ensino superior: reflexões sobre a prática do professor de música. In: CONGRESSO DA ANPPOM, 24., 2014, São Paulo/SP. Anais..., 2014. p. 1-8.

BIREME. Descritores em Ciências da Saúde (DeCS). Disponível em: < http://decs.bvs.br >. Acesso em: 2 abr. 2015.

BONILHA, F. F. G. Leitura musical na ponta dos dedos: caminhos e desafios do ensino de musicografia Braille na perspectiva de alunos e professores. 2006. 226 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, 2006.

BRASIL. Lei n. 4.024, de 20 Dezembro de 1961. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4024.htm > Acesso em: 10 mar. 2015.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br >. Acesso em: 10 abr. 2015.

BRASIL. Lei n. 7.853, de 24.10.1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência e dá outras providências, 1989. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br >. Acesso em: 20 mar. 2015.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996.

BRASIL. Decreto n. 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei n. 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm >. Acesso em: 12 mar. 2015.

BRASIL. Lei n. 10088/2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências, 2000. Disponível em: < http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/103158/lei-10088-00 >. Acesso em: 22 mar. 2015.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 2, de 11 de Fevereiro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. 2001.

BRASIL. Lei n. 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências, DF, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Educação inclusiva: a fundamentação filosófica. Brasília, 2004.

BRASIL. Decreto n. 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002 e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000, DF, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. A política de inclusão. Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Direito à educação:subsídios para a gestão dos sistemas educacionais – orientações gerais e marcos legais. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. UFRN. Prestação de contas ordinária anual relatório de gestão do exercício de 2013. 2014. Disponível em: < http://www.sistemas.ufrn.br/portal/PT/documento/4056332#.VTZXZyFViko > Acesso em: 3 abr. 2015.

BRASIL. Ata VII – Comitê de Ajudas Técnicas – CAT. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República (CORDE/SEDH/PR). 2007. Disponível em: < http://www.comunicacaoalternativa.com.br/artigos-cientificos >. Acesso em: 22 mar. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF. 2008.

BRASIL, Decreto n. 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007 [ONU, 2007]. 2009. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm > Acesso: 3 abr. 2015.

BRASIL, Marcos Político-Legais da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, 2010.

BRASIL. Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm > Acesso em: 10 abr. 2015.

BRASIL. Lei n. 12.796, de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm >. Acesso em: 15 fev. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013: sinopse estatística. Brasília: INEP, 2014. Disponível em < http://www.inep.gov.br/download/censo >. Acesso em: 10 mar. 2015.

BRASIL. INEP. Censo Escolar, 2014. Disponível em:< http://inep.gov.br > Acesso em: 14 abr. 2015.

BROGNA, P. El Derecho a la Igualdad... ¿O el Derecho a la Diferencia? El Cotidiano. Universidad Autónoma Metropolitana - Azcapotzalco, Distrito Federal, México, n. 134, v. 21, nov. dez./2005, p. 43-55.

CAETANO, Andressa Mafezoni. A formação inicial de professores na perspectiva da inclusão escolar de alunos com deficiência: o Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Espírito Santo. 2009. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, 2009.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Direitos humanos e cidadania. São Paulo: Moderna, 1988.

DINIZ, Debora. O que é deficiência? São Paulo: Editora Brasiliense, 2007.

FABRÍCIO, Nívea Maria de Carvalho; SOUZA, Vânia Carvalho Bueno de; ZIMMERMANN, Vera B. Singularidade na inclusão: estratégias e resultados. São José dos Campos: Pulso, 2007.

FÁVERO, Maria de Lourdes de Albuquerque. A Universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitária de 1968. Educar, Curitiba, n. 28, p. 17-36, 2006.

FÁVERO, Eugênia Augusta Gonzaga de. Direito das pessoas com deficiência. 2004 p. 21-22. Disponível em: < http://egov.ufsc.br/portal/sites/ default/files/anexos/15675- 15676-1-PB.pdf > Acesso em: 12 ago. 2013.

FIGUEIRA, Emílio. Introdução à psicologia e pessoas com deficiência. A construção de um novo relacionamento!. 2. ed. São Paulo: Edição do Autor/AgBook, 2014.

GESSER, M., NUREMBERG, A. H., Toneli, M. J. F. A contribuição do modelo social da deficiência à psicologia social. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 24, n. 3, p. 557-566, 2012.

GUASSELLI, Maristela. Formação de professores para educação especial: fronteiras entre a produção do ensino/pesquisa e a prática na educação básica. In: ANPED SUL - Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 9., 2012, Anais..., 2012.

MARQUES, Ademar; BERUTTI, Flávio; FARIA, Ricardo (Orgs). História Moderna através de textos. São Paulo: Contexto. 2005.

PACHECO, Kátia Monteiro De Benedetto; ALVES, Vera Lucia Rodrigues. A história da deficiência, da marginalização à inclusão social: uma mudança de paradigma. Acta fisiátrica;14(4), dez. 2007.

SALVADOR, Diego Salomão Candido de O; MOURA, Dante Henrique; SILVA, José Aldivan de A; MAIA, Silvan Ferreira. Processo educacional inclusivo: das discussões teóricas à necessidade da prática. Holos, Natal, n. 22, p. 11-23, dez. 2006. Disponível em: < http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/viewFile/15/12 > Acessos em> 20 mar. 2015.

MELO, Francisco Ricardo Lins Vieira. Inclusão no ensino superior: docência e necessidades educacionais especiais. Natal: EDUFRN, 2013.

RODRIGUES, Patrícia Rocha; ALVES. Lynn Rosalina Gama. Tecnologia assistiva – uma revisão do tema. Holos, Natal, n. 29, v. 6, p. 170-180, 2013. Disponível em: < http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/viewFile/1595/765 > Acesso em: 27 mar. 2015.

SCLIAR, Moacyr. História do conceito de saúde. Physis – Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 29-41, jan./abr. 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/physis/v17n1/v17n1a03 > Acesso em: 2 abr. 2015.

SILVA, Maria Odete Emygdio da. Da exclusão à inclusão: Concepções e práticas. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, n. 13, p. 135-153, 2009. Disponível em: < www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rle/n13/13a09 > Acesso em: 20 mar. 2015.

UBIERNA, José Antonio. Hacia un entorno físico acessible a todos: possible o utópico, Mimeografado. (s.d.).

Downloads

Publicado

20/04/2016

Como Citar

Amorim, Érico G., Medeiros Neta, O. M. de, & Guimarães, J. (2016). A DEFICIÊNCIA EM FOCO NOS CURRÍCULOS DE GRADUAÇÃO DA UFRN: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA (1960-2015). HOLOS, 2, 231–248. https://doi.org/10.15628/holos.2016.4000

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)