O Aprendiz Surdo e a Química / Deaf Students and Learning of Chemistry

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.8303

Palavras-chave:

Educação Inclusiva, Libras, Introdução à Química

Resumo

A educação inclusiva é um assunto cada vez mais discutido atualmente e a educação especial enfrenta o grande desafio de promover a inclusão. No caso de alunos com deficiência auditiva (surdos), está sendo respeitado o aspecto legal da disponibilidade do profissional Tradutor e Intérprete de Libras no acompanhamento aos alunos, o que não necessariamente está garantindo o acesso às aprendizagens, pois há dificuldades de comunicação entre professor e aluno surdo, falta de conhecimento sobre a surdez e adaptações metodológicas isoladas na sala de aula. O Tradutor e Intérprete não apresenta conhecimentos específicos de todos conteúdos programáticos de um curso, constituintes de diversas disciplinas. A área de Química apresenta especificidades em seus conceitos que requerem habilidades para suas transmissões e nos casos envolvendo estudantes surdos, parece clara a importância do professor possuir também competências para lidar com essas transmissões de conhecimentos.  Este trabalho objetivou ministrar um curso de média duração para pessoas surdas de Barbacena/MG, tornando-as capazes de compreender os processos químicos, em seus aspectos descritivos, em laboratório e sua atuação sobre esses, visando conseguir os efeitos desejados em sua vida cotidiana. Houve promoção de inclusão dos alunos surdos, bem como a formação e a qualificação de recursos humanos, colaborando com a capacitação em educação especial de todos os envolvidos, em particular as futuras professoras.

________________________________________________________________

Inclusive education has been increasingly on debate at present and special education faces the great challenge of promoting inclusion. Regarding to hearing-impaired students (deaf students), the legal aspect relating to providing a Translator and Interpreter of Brazilian Sign Language (Libras) to be with students has been carried out, which does not necessarily guarantee learning access, since there are communication barriers between teachers and deaf students, lack of knowledge on deafness and isolated methodological adaptations in the classroom.    The Interpreter does not have specific knowledge regarding course syllabus from a variety of disciplines. Chemistry presents specificities in its concepts that require abilities for its transmissions and when it comes to involving deaf students, it seems clear the importance of teacher’ competences to deal with that issue. This work aimed at teaching a medium-term course for deaf people in Barbacena / MG, enabling them to understand chemical processes in the laboratory, in their descriptive aspects, as well as their action on them, in order to provide desired effects in their daily lives. The deaf students’ inclusion has been promoted, as well as training and qualification of human resources have been provided, which collaborated with special education training of all those involved, particularly to pre-service teachers.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Regina Lucia Pelachim Lianda, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena (Núcleo de Química)

Possui graduação em Bacharelado em Química (1993) e graduação em Licenciatura Plena em Química (1993) pela Universidade Presbiteriana Mackenzie; mestrado (2004) e doutorado (2009) em Química, área de concentração Química Orgânica, pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Professora EBTT do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais. Atuou como coordenadora do curso de Licenciatura em Química (2010-2013), coordenadora de pós-graduação do Campus Barbacena (2013-2015), e coordenadora do curso Técnico em Química Integrado ao Ensino Médio (2015-2017). Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química dos Produtos Naturais, atuando principalmente nos seguintes temas: mel, atemóia, cogumelos, substâncias fenólicas, atividade antioxidante; na área de Educação, focando Metodologia ABP - Aprendizagem Baseada em Projetos; na área de Educação Inclusiva, direcionada ao ensino de química em Libras.

Otávia Melina de Resende Costa, Associação de Apoio aos Surdos de Barbacena/MG - ASSB

Possui graduação (Licenciatura e Bacharelado) em Geografia e Meio Ambiente pela Universidade Presidente Antônio Carlos (2011). Especialização em Língua Brasileira de Sinais pela Faculdades Integradas de Jacarepaguá, FIJ, Rio De Janeiro, 2012. Graduação em Pedagogia pela Universidade Presidente Antônio Carlos, UNIPAC - Barbacena - MG, 2016. Atualmente cursa Especialização em Educação especial e inclusão pela Universidade Presidente Antônio Carlos, UNIPAC - Barbacena - MG. Foi Presidente da Associação de Apoio aos Surdos de Barbacena (ASSB/MG), 2014-2017, e atualmente é membro associada. Tem experiência ná área de Libras.

Bianca Alvin de Andrade Silveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena (Setor de de Comunicação, Cerimonial e Eventos)

Jornalista formada pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2006), com experiência em assessoria de imprensa, em jornalismo e na área acadêmica (docente e pesquisadora). Mestre em Comunicação e Sociedade na Universidade Federal de Juiz de Fora e participante do grupo de pesquisa Comunicação, Identidade e Cidadania. Na área de pesquisa atua principalmente nos seguintes temas: Comunicação, Telejornalismo, Jornalismo Local, Jornalismo Esportivo, Comunicação e Identidade.Atualmente é jornalista do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena, onde realiza atividades na áreas de jornalismo, assessoria de imprensa, editoração gráfica, mestre de cerimônias e organização de eventos.

Izabela Azevedo Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena (Núcleo de Química)

Graduada em Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas (2018).

Karine Gabrielle Fernandes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena (Núcleo de Química)

Formada como técnica em química pelo Colégio Arquidiocesano de Ouro Branco e Licenciada em Química pelo Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais (IFSudesteMG), atualmente é mestranda em educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), atuando na linha de linguagem, conhecimento e formação de professores. Faz, também, parte do grupo de pesquisa Co(m)textos da Faculdade de Educação da UFJF e do projeto de extensão intitulado "Práticas Docentes em Ciências e Matemática de Professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental em Início de Carreira&quot.

Izadora Nelly Pavani e Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena

Discente da Licenciatura em Letras-Libras na Universidade Federal de Juiz de Fora (2017-Atual). Possui curso Técnico em Hospedagem Integrado ao Ensino Médio pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Barbacena.

Referências

Andrade, J. M. de, Santos, A. G., & Oliveira, A. S. S. Intérprete em Libras: um mediador na sala de aula. Encontro Internacional de Formação de Professores e Fórum Permanente de Inovação Educacional, v. 8, n. 1, 2015.

Bentes, J. A. O., & Hayashi, M. C. P. I. Normalidade, diversidade e alteridade na história do Instituto Nacional de Surdos. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 67, 2016.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Coleção de leis da República Federativa do Brasil, Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996, Seção 1, p. 207.

BRASIL. Decreto n. 5.626. Regulamenta a Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, 22 dez. 2005.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica, Resolução n. 04, de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Coleção de leis da República Federativa do Brasil, Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 2009, Seção 1, p. 17.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Coleção de leis da República Federativa do Brasil, Diário Oficial da União, Brasília, 07 de julho de 2015, Seção 1, p. 2.

Brito, L. F. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro: UFRJ, Departamento de Linguística e Filologia, 1995.

Cunha, M. B. da. Jogos no ensino de química: considerações teóricas para sua utilização em sala de aula. Química Nova na Escola, São Paulo, [s. L.], v. 34, n. 2, p. 92-98, 2012.

Fernandes, S., & Moreira, C. Desdobramentos político-pedagógicos do bilinguismo para surdos: reflexões e encaminhamentos. Revista Educação Especial, v. 22, n. 34, 2009.

Lacerda, C. B. F. de. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cadernos Cedes, v. 26, n. 69, p. 163-184, 2006.

Lacerda, C. B. F. de. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Cadernos Cedes, v. 19, p. 68 citation_lastpage= 80, 1998.

Mallmann, F. M., Conto, J., Bagarollo, M. F., & França, D. M. V. R. A inclusão do aluno surdo no ensino médio e profissionalizante: um olhar para os discursos dos educadores. Revista Brasileira Educação Especial, 20(1), 131-146, 2014.

Miranda, A. A. B. Educação especial no Brasil: desenvolvimento histórico. Cadernos de História da Educação, v. 7, p. 29-42, 2008.

Piaget, J. O trabalho por equipes na escola. Revista Psicopedagogia, p. 14-20, 1996.

Quadros, R. M. Educação de surdos: efeitos de modalidade e práticas pedagógicas. In: I Congresso Brasileiro de Educação Especial, São Carlos, 2004.

Quadros, R. M. de, & Karnopp, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Rosin-Pinola, A. R., & Del Prette, Z. A. P. Inclusão escolar, formação de professores e a assessoria baseada em habilidades sociais educativas. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 20, n. 3, p. 341-356, 2014.

Sousa, S. F. de, & Silveira, H. E. da. Terminologias químicas em Libras: a utilização de sinais na aprendizagem de alunos surdos. Química Nova na Escola, p. 37-46. 2011.

Tec Ciência (Modificada), Disponível em: <http://tecciencia.ufba.br/ligacoes-quimicas> Acesso em out. 2016.

Downloads

Publicado

19/08/2020

Como Citar

Lianda, R. L. P., Costa, O. M. de R., Silveira, B. A. de A., Santos, I. A., Fernandes, K. G., & Silva, I. N. P. e. (2020). O Aprendiz Surdo e a Química / Deaf Students and Learning of Chemistry. HOLOS, 5, 1–19. https://doi.org/10.15628/holos.2020.8303

Edição

Seção

ARTIGOS