IMPLICAÇÕES E POSSIBILIDADES PARA O ENSINO A PARTIR DA CONSTRUÇÃO DE BIODIGESTOR NO IFRN – CAMPUS APODI.

Autores

  • Francisco Felipe Maia da Silva Curso de Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Professor
  • Luciana Medeiros Bertini Curso de Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Professora
  • Leonardo Alcântara Alves Curso de Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Professor
  • Plínio Tavares Barbosa Curso de Licenciatura em QuímicaInstituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Aluno.
  • Luciano Fernandes Moura Programa de Pós-Graduação em energias renováveis, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. Aluno
  • Cleia Souza Macêdo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. técnica de Laboratório

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.3091

Palavras-chave:

Biodigestão, Biogás, Biofertilizante, Dejetos

Resumo

A criação e ampliação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia no Brasil, surge em um contexto de crescente demanda por energia a nível mundial e da problemática crescente referente ao tratamento de resíduos sólidos. Nesse contexto, a biodigestão anaeróbica desempenha papel de destaque, pois, é uma tecnologia capaz de transformar dejetos animais em biogás, uma fonte de energia limpa e renovável que usa como matéria prima, um material considerado muitas vezes incomodo, que são os dejetos. Com isso esse trabalho teve como objetivo a construção de um biodigestor modelo indiano no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, campus Apodi, visando à geração de um ambiente de aprendizagem concreto e que permita integrar várias disciplinas, assim como divulgar a tecnologia para os produtores rurais que possibilite o tratamento dos dejetos gerados. O biodigestor construído tem 2,20 m de profundidade com 1,90m de diâmetro, com uma capacidade útil de aproximadamente 5.000 litros da mistura biomassa e água e uma campânula construída em polietileno de alta densidade, sendo esta para o armazenamento do biogás produzido. Dependendo da biomassa utilizada este equipamento tem capacidade de produzir até 1216m3 (dejetos bovinos), 809m3 (dejetos caprino), 1140m3 (dejetos suínos) por ano, produção essa, que equivale energeticamente a 669, 445 e 627 litros de óleo diesel. Estes dados mostram que a tecnologia do uso de biodigestores além de proporcionar o tratamento de dejetos, possibilita a produção de biocombustíveis, características que tornam essa tecnologia aplicável nas áreas de ensino, pesquisa e extensão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Felipe Maia da Silva, Curso de Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Professor

Professor do IFRN, Campus Apodi, Mestre em Química pela UFC, área de concentração Química Orgânica, doutorando em Química também pela UFC.

Luciana Medeiros Bertini, Curso de Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Professora

Possui graduação em Química Licenciatura Plena pela Universidade Estadual do Ceará (2004), mestrado em Química Orgânica pela Universidade Federal do Ceará (2009) e doutorado em Química pela Universidade Federal do Ceará (2013). Atualmente é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Atua no Ensino Médio nos Cursos Técnicos Integrados de Biocombustíveis, Zootecnia, Agricultura, Informática e ainda no Curso Superior de Licenciatura em Química. Sua experiência na pesquisa é desenvolver projetos nas áreas de Ensino em Química, Química dos Produtos Naturais e Biocombustíveis. Atualmente orienta alunos do Curso de Licenciatura em Química e do Ensino Médio do Curso Técnico modalidade Integrado de Biocombustíveis e Zootecnia

Leonardo Alcântara Alves, Curso de Licenciatura em Química, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Professor

Possui Graduação em Química Industrial (2007), Mestrado (2009) e Doutorado em Química (2013) pela Universidade Federal do Ceará com trabalhos desenvolvidos nas áreas de Produtos Naturais e Biocátalise. Atualmente é professor do quadro efetivo de Professores de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal do Rio Grande do Norte - Campus Apodi e membro da Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Instituição. É bolsista de Desenvolvimento Tecnológico Industrial - Nível C do CNPq. Orienta projetos nas áreas de Química Orgânica, Química de Produtos Naturais, Biocatálise e Produção e Caracterização de Biodiesel.

Plínio Tavares Barbosa, Curso de Licenciatura em QuímicaInstituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Aluno.

Aluno de graduação do Curso de Licenciatura em Química do IFRN, bolsista CNPq, com atuação na área de química dos biocombustíveis com ênfase na tecnologia de produção de Biogás.

Luciano Fernandes Moura, Programa de Pós-Graduação em energias renováveis, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. Aluno

Licenciado em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Fui bolsista durante dois anos no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID e durante três semestre Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq. Atualmente Mestrado em andamento em Energias Renováveis no Instituto Federal do Ceará - Campus Maracanaú, IFCE tem experiência na área de Química, com ênfase em Química

Cleia Souza Macêdo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. técnica de Laboratório

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa (2000). Atualmente é técnico laboratório área/agrícola do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Agronomia

Referências

ARCURI, P. Bs. Efeito da temperatura ambiental na qualidade do biogás em biodigestor modelo indiano na zona da mata de minas gerais. Viçosa: UFV, 1986.

BARRERA, P. Biodigestores: energia, fertilidade e saneamento para a zona rural. São Paulo: Ícone, p. 11, 1993.

BITTON, G., Wastewater Microbiology, 2nd ed. Wiley-Liss, Inc., New York. 1999.

BOTERO, R.; PRESTON, T. R. Biodigestor de Bajo Costo para La Producción de Combustible y Fertilizante a Partir de Excretas. 1997.

BRASIL. Constituição Federal do Brasil. Lei 11.892. 2008

BRASIL. Constituição Federal do Brasil. lei n° 12.305. 2010

BRASIL. Ministério da educação. Diretrizes Curriculares Nacionais. 2013

CARDOSO FILHO, E. P. Fatores que influenciam na digestão anaeróbia de efluentes líquidos. Sem publicação. CETESB, 2001.

COLDEBELLA, A. Viabilidade da cogeração de energia elétrica com biogás da bovinocultura de leite. f. 9. Dissertação (Mestrado em engenharia Agrícola) Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE. Cascavel – PR. 2004.

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS (DCN). Ministério da Educação. 2013

GASPAR, R. M. B. L. Utilização de biodigestores em pequenas e médias propriedades rurais com ênfase na agregação de valor, dissertação. Um estudo de caso na região de Toledo-PR, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Cidades – Apodi/RN, Pecuária. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=240100&idtema=121&search=rio-grande-do-norte|apodi|pecuaria-2012>. Acessado em 10 de setembro de 2014.

LIMMEECHOKCHAI, B.; CHAWANA, S. Sustainable energy development strategies in rural Thailand: The case of improved cooking stove and the small biogas digester Renewable and Sustainable Energy Reviews. vol 11, p. 818-837, 2007.

OLIVER, A. P. M.; SOUZA NETO, A. A.; QUADROS, D. G.; VALLADARES, R. E. Manual de treinamento em biodigestão, 2008.

ORRICO, A. C. A. LUCAS JÚNIOR, J.; ORRICO JÚNIOR, M. A. P. Caracterização e biodigestão anaeróbia dos dejetos de caprinos. Engenharia Agrícola, v.27, n.3, p.639-647, 2007.

QUADROS, D. G.; VALLADARES3, R.; REGIS, U.; OLIVER, A.; SANTOS, L. S; ANDRADE, A. P.; FERREIRA, E. J. Biodigestão anaeróbica de dejetos da caprina-ovinocultura para produção de biogás e biofertilizante no semi-árido: 1. Produção e composição de biogás. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROENERGIA E BIOCOMBUSTIVEIS. Anais... EMBRAPA Meio norte: Teresina. 2007.

SAKAR, S.; YETILMEZSOY, K.; KOCAK, E. Anaerobic digestion technology in poultry and livestock waste treatment – a literature review. Waste Manag. Res. 27 (1), 3–18, 2009.

SANTOS, T. M. B.; LUCAS JÚNIOR, J.; SILVA, F. M. Avaliação do desempenho de um aquecedor para aves adaptado para utilizar biogás como combustível. Engenharia Agrícola, v.27, n.3, p. 658-664, 2007.

SAYED, S.; VAN DER ZANDEN, J.; WIJFFELS, R.; LETTINGA. Anaerobic degradation of the various fractions of slaughterhouse wastewater. Biol. Waste 23, 117–142, 1988.

SGANZERLA, E. Biodigestores: uma solução. Porto Alegre. Agropecuária, 1983.

SILVA, F. M.; LUCAS JUNIOR, J.; BENINCASA, M.; OLIVEIRA, E. Desempenho de um aquecedor de água a biogás. Engenharia Agrícola, v.25, n.3, p.608-614, 2005.

Downloads

Publicado

11/12/2015

Como Citar

Maia da Silva, F. F., Bertini, L. M., Alves, L. A., Barbosa, P. T., Moura, L. F., & Macêdo, C. S. (2015). IMPLICAÇÕES E POSSIBILIDADES PARA O ENSINO A PARTIR DA CONSTRUÇÃO DE BIODIGESTOR NO IFRN – CAMPUS APODI. HOLOS, 6, 315–327. https://doi.org/10.15628/holos.2015.3091

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)