BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS: COMPARANDO A GERAÇÃO ESTIMADA COM A QUANTIDADE VALIDADA EM PROJETOS DE MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

Juliana Gonçalez Justi Pedott, Alexandre de Oliveira e Aguiar

Resumo


Os sistemas de captação e queima do biogás de aterros sanitários permitem sua utilização como combustível para geração de energia elétrica ou outros fins energéticos, e geração de créditos de carbono em projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e de venda da energia gerada, essenciais para a viabilidade econômica desses projetos. Com o objetivo de comparar as previsões de geração de biogás em aterros com a produção real, foram estudados dois aterros da cidade de São Paulo. A metodologia de cálculo de estimativa de biogás que é objeto de estudo deste trabalho é a aplicada pela Convenção-Quadro das Nações Unidas para as Mudanças Climáticas (United Nation Framework Convention on Climate Change – UNFCCC), chamada ACM0001 em duas versões - 02 e 13, para calcular as estimativas de captação de biogás para os dois aterros supracitados. A comparação mostrou que a quantidade de gás captada está em média 52% abaixo da previsão inicial do projeto, e que a versão 13 da metodologia já é capaz de produzir previsões mais próximas do real. Entre as outras causas de diferenças que poderiam ser estudadas estão a composição do lixo, os métodos de operação dos aterros e as condições climáticas locais.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. 1992. Projetos de aterros sanitários de resíduos sólidos urbanos. NBR 8.419.

ARCADIS Tetraplan. 2010. Estudo sobre o Potencial de Geração de Energia a partir de Resíduos de Saneamento (lixo, esgoto), visando incrementar o uso de biogás como fonte alternativa de energia renovável. Disponível em: . Acesso em 15 jun.2012.

BORBA, S. M. P. 2006. Análise de Modelos de Geração de Gases em Aterros Sanitários: Estudo de Caso. Dissertação. Mestrado em Engenharia Civil. Rio de Janeiro. 134 p. UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro.

BRASIL, 2005. DECRETO Nº 5.445, DE 12 DE MAIO DE 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5445.htm. Acesso em 20 set,2013.

______, 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010.

BRITO FILHO, L. F. 2005. Estudo de Gases em Aterros. Casos: Nova Iguaçu e Terra Brava. Dissertação. Mestrado, Programa de Engenharia Civil /COPPE /UFRJ, Rio de Janeiro.

CASSINI, S. T. (coord). 2003. Digestão de Resíduos Sólidos Orgânicos e Aproveitamento do Biogás. Vitória: ABES. Disponível em Acesso em 22 ago.2012.

COSTA NETO, P. L. O. Estatística. São Paulo: Edgard Blucher, 1988.

EPE, Empresa de Pesquisa Energética. 2009. Plano Decenal de Expansão de Energia: Relatório Final – 2008 a 2017 (Volume I). Brasília. Disponível em: . Acesso em 28 jul.2012.

ICLEI, Governos Locais para a Sustentabilidade. 2010. Manual para aproveitamento do biogás: volume dois, efluentes urbanos. São Paulo. Disponível em: . Acesso em 21 jun.2012.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2002. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2000. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: . Acesso em 22 jun.2012.

______, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2008. Disponível em: . Acesso em 9 jun.2012.

IPCC, Intergovernmental Panel on Climate Change. 1995. The Science of Climate Change - Summary for Policymakers. Office Graphics Studio. Madrid.

ISHIKAWA, K. 1993. Controle de qualidade total: à maneira japonesa. Rio de Janeiro: Campus.

JARDIM N.S. (coord.). 1995. Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. São Paulo: IPT/CEMPRE.

JUNQUEIRA, M. S. D. 2006. Project Design Document - Bandeirantes Landfill Gas to Energy Project (BLFGE). Disponível em: https://cdm.unfccc.int/filestorage/B/W/X/BWXKQVUY9Z67EATMROFC8JDG5IS413/BLFGE_PDD_v03_03012012_submission.pdf?t=d0N8bXJseWVrfDCRnNSQfrUL5clgQL3dY3fV Acessado em: 09 de agosto de 2012.

JUNQUEIRA, M. S. D. 2004. Project Design Document - São João Landfill Gas to Energy Project (BLFGE). Disponível em: . Acessado em: 09 ago.2012.

JUSTI, J. G.; MOLITERNO, M. 2008. Geração de energia elétrica por meio de biogás extraído do Aterro Sanitário Bandeirantes e o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo como indutor de investimentos socioambientais. São Paulo. 90p. Monografia - Especialização em Gestão Ambiental e Negócios no Setor Energético. Universidade de São Paulo – USP.

MARTINS, G. A.; TEOPHILO, C. R. Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Atlas, 2009.

MCT, Ministério da Ciência e Tecnologia. 2010. Status atual das atividades de projeto no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo. Disponível em:. Acesso em 17 jul.2012.

REAL, J. L. G. 2005. Riscos Ambientais em Aterros de Resíduos Sólidos com Ênfase na Emissão de Gases. (Dissertação de Mestrado). Programa de Engenharia Civil/COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro.

SILVA, T. N; FREITAS, F. S. N.; CANDIANI, G. 2013. Emissões Superficiais de Gás de Aterros Sanitários de Grande Porte com Projeto de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo - MDL. Revista de Engenharia Sanitária e Ambiental 18(2):95-104.

SOUZA, R. M; SERRA, J. C.V; JUNIOR, J. C. Z; SANTOS, D. R. R. 2011. Análise do Potencial Energético do Biogás Proveniente do Aterro Sanitário de Palmas/TO para Geração de Energia Elétrica. Revista AJES. Disponível em: . Acesso em 06 jul.2012.

TCHOBANOGLOUS, G.; THEISEN, H.; VINIL, S. 1993. Integrated solid waste management: engineering principles and management issues. USA: McGraw-Hill.

UNEP, United Nation Environment Program. 2011, Towards a Green Economy: Pathways to Sustainable Development and Poverty Eradication. Disponível em: . Acesso em 13 set.2013.

______, United Nation Environment Program. 2012. Capacity Development for Clean Development Mechanism - CDM/JI Pipelines. Disponível em . Acesso em 20 jul.2012.

UNFCCC, United Nation Framework Convention on Climate Change. 2012. Clean Development Mechanism (CDM). Disponível em: . Acesso em 23 jul.2012.

UNFCCC, Nation Framework Convention on Climate Change. 2012. ACM0001: Flaring or use of landfill gas --- Version 13.0.0. Disponível em: . Acesso em 31 ago.2012.

USEPA, United States United States Environmental Protection Agency. 1996. Turning a Liability into as asset: A Landfill Gas-to-energy Project Development Handbook.

______, United States Environmental Protection Agency. 1997. Feasibility assessment for gas-to-energy at selected landfills in São Paulo, Brazil. Public Review Draft. EPA 68-W6-004.

LUCAS, N.D.; MELO, A.S.S.A. Evidências do Protocolo de Quioto no Brasil: Uma análise exploratória descritiva. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica, v. 16, p. 33-48, 2011.

FRIBERG, L. Varieties of carbon governance: The clean development mechanism in Brazil—a success story challenged. The Journal of Environment & Development, v. 18, n. 4, p. 395-424, 2009.

DECHEZLEPRÊTRE, A.; GLACHANT, M.; MÉNIÈRE, Y. Technology transfer by CDM projects: A comparison of Brazil, China, India and Mexico. Energy policy, v. 37, n. 2, p. 703-711, 2009.

AMINI, H.R.; REINHART, D.R.; NISKANEN, A. Comparison of first-order-decay modeled and actual field measured municipal solid waste landfill methane data. Waste Management, 2013.

CORDEIRO, S. A.; SOUZA, C.C.; MENDOZA, Z.M.S.H.; SILVA, M.L. Etapas e custos dos projetos de mecanismo de desenvolvimento. Revista Agrogeoambiental, v. 2, n. 1, 2010.

IIED - The International Institute for Environment and Development. SSN – South South North Carbon Finance Guide for Task Team Leaders. Washington, DC: Carbon Finance Unit / World Bank, 2009. Available: http://siteresources.worldbank.org/INTCARBONFINANCE/Resources/TTL_guide_cd.pdf. Access: 20 Sep 2013.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1715



 

HOLOS IN THE WORLD