PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DOS CONCEITOS DE ÁCIDOS E BASES COM A INSERÇÃO DA EXPERIMENTAÇÃO UTILIZANDO A TEMÁTICA SABÃO ECOLÓGICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.4714

Palavras-chave:

Sabão ecológico, Proposta didática, Ensino de Química

Resumo

Atualmente as práticas experimentais no ensino de Química se tornaram uma ferramenta essencial para o processo de ensino e aprendizagem. Neste caso, analiza- se que é indispensável a existência de um laboratório nas escolas, para a realização de experimentos, o que não impossibilita a prática destes, uma vez que, é possível trabalhar com outros espaços dentre eles, a sala de aula. A Química pode ser trabalhada com materiais alternativos que estão presentes no cotidiano que são de baixo custo. Neste contexto, o estudo aborda a temática sabão ecológico, obtido com óleo de frituras nas aulas de Química seguindo uma proposta didática implementada numa escola pública de ensino médio do Município de Arara- PB, trabalhando os conceitos de funções orgânicas. As atividades desenvolvidas incluíram exposição de conceitos, aplicação de questionários, atividade experimental, além de resolução de questões de vestibulares/ ENEM referentes ao assunto. Os resultados evidenciaram que a temática sabão ecológico contribuiu para melhor compreensão de conceitos químicos abordados por parte dos alunos, inclusive, desmistificou com base no conhecimento científico, algumas concepções em relação à formação de espuma, à presença de bases na fabricação do sabão e a influência do pH sobre as mãos. Destarte, o tema favoreceu resgatar a cultura de outrora do aproveitamento de gorduras animais e cinzas de fogão a lenha para a produção do sabão que era utilizado no uso doméstico pelos nordestinos para lacrar silos de armazenamento de cereais, contribuído assim, para a conscientização ambiental.

Palavras-chave: Sabão ecológico; Proposta didática; Ensino de Química.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Francisco Ferreira Dantas Filho, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB

Graduado em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Pós - Graduação em Estudos Políticos e Estratégicos (ADESG), Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Doutorado em Engenharia de Processos (UFCG). Atualmente é professor adjunto no Departamento de Química da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Campus I, atuando nas áreas de Ensino de Química e Química, desenvolvendo pesquisa nas linhas de ensino e aprendizagem em Química, Biomassa, biodiesel, bio-óleo e bioálcool. É vinculado ao Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECM/UEPB). Líder do Grupo de Pesquisa em Metodologias para a Educação em Química (GPMEQ/UEPB). Coordenador da Olimpíada Paraibana de Química (OPBQ) vinculado ao Programa Nacional Olimpíadas de Química (PNOQ) e do projeto Ações Construtivas para o Conhecimento em Química nas Escolas Públicas da Paraíba (CAPES).

André Santos da Costa, Universidade Estadual da Paraiba

Graduado em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Paraíba 2016 - UEPB. Atualmente é colaborador de projetos de Extensão do Departamento de Química da UEPB desenvolvendo atividades Didáticas Pedagógicas para o ensino de Química na Educação Básica das Escolas Publicas da Paraíba. Mestrando em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual da Paraíba- UEPB. Participante do Grupo de Pesquisa em Metodologias para a Educação em Química (GPMEQ/UEPB). orcid.org/0000-0001-8769-3695

Gilberlândio nunes da Silva, Universidade Estadual da Paraiba

Possui graduação em Licenciatura e Formação em Química pela Universidade Estadual da Paraíba (2010) e mestrado em Ensino de Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2013). Atualmente é professor na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) atuando na graduação do Departamento de Química na área de educação química. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Ensino de Química e desenvolve pesquisa nas linhas de ensino e aprendizagem em Química e em formação de professores para uso das novas Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC).

Referências

Bogdan, R., & Biklens, S. (1994). Características da investigação qualitativa. Porto: Porto Editora.

Cachapuz, A. (Orgs). (2005). A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez.

Campos, D. B., Moraes, M. F. P.G., Silveira, R. M. C. F., Resende, L. M. M., & Mello, R. (2009). Instigando a aprendizagem da Química Orgânica por meio de uma Postura Docente Empreendedora: Processos de Reciclagem de Óleo vegetal e a Obtenção de Sabões em um Estudo Exploratório. I Simpósio Nacional de Ciência e Tecnologia, Paraná, Pr, Brasil.

Castoldi, R., Castoldi, T., & Polinarski, C.A. (2009). A utilização de recursos didático-pedagógicos na motivação da aprendizagem. I Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia. Recuperado de http://www.sabesp.com.br.

Giordan, M. (1999). O Papel da Experimentação no Ensino de Ciências. Química Nova na Escola, 10 (57).

Gomes, A., Sant’Anna, A.P.P., Ramualdo, J., & Rodrigues, N. (2005). Interação da química com o meio ambiente no cotidiano. Formação Continuada nas Áreas de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Junior, V.D.M. (2009). Educação ambiental, política, cidadania e consumo. Interações, 11 (3), 214- 229. Recuperado de http://nonio.eses.pt/interaccoes/artigos/K11%281%29. pdf.

Leach, J., Ametller, J., Hind, A., Lewis, J., & Scott, P. (2005) Desining and evaluating short science teaching sequences: Improving student learning. Research and Quality of Science Education (Eds. Kerst Boersma, Martin Goedhart, Onno de Jong e Harrie Eijelhof) Holanda: Spring.

Leal, C.M. S., Pereira, C. A. L., Ramos, A. P. D., Leite, A. A., & Oliveira, M. Z. G. C. T. (2011). Educação Ambiental e Gestão de Resíduos: Projeto SOLUZ – Sabão caseiro a partir do óleo de cozinha usado – Ano VI, no quilombo em Alagoa Grande-PB. 3º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos. Porto Alegre, RS, Brasil.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Dispõe sobre as diretrizes e bases da Educação Nacional. Cartilha da LDB. Ministério da Educação. Brasília-DF, 1997.

Mano, E.B. (2005). Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo: Edgard Blücher.

Martins, A. B., Santa Maria, L. C., & Aguiar, M. R. M. P. (2003). As drogas no ensino de química. Química Nova na Escola, 18 (2), 18.

Reis, M. C. A história do sabão. (2009) Naturlink. [s.n].

Santos, W. L. P., & Schenetzler, R. P. (1996). O que significa ensino de química para formar o cidadão? Química Nova na Escola - Química e Cidadania, 4 (5), 29.

Santos, W.L.P., & Schenetzler, R. P. (1996) Função Social: O que significa ensino de química para formar cidadão. Química Nova Escola - Química e Cidadania, 4 (7), 22.

Santos, W.L.P., & Schenetzler, R. P. (2003) Educação em Química: Compromisso com a cidadania. Ijuí, SP, Editora Unijuí.

Wartha, E. J., Alario, A. F. (2005). A contextualização no Ensino de Química através do Livro Didático. Revista Química Nova na Escola, 22 (6), 35.

Downloads

Publicado

2017-08-29

Como Citar

Dantas Filho, F. F., Costa, A. S. da, & Silva, G. nunes da. (2017). PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DOS CONCEITOS DE ÁCIDOS E BASES COM A INSERÇÃO DA EXPERIMENTAÇÃO UTILIZANDO A TEMÁTICA SABÃO ECOLÓGICO. HOLOS, 2, 161–173. https://doi.org/10.15628/holos.2017.4714

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)