USO DE MECANISMO DINÂMICO E INTERATIVO NO ENSINO DE QUÍMICA: UM RELATO DE SALA DE AULA

Autores

  • André Luiz Melo Camelo UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
  • Selma Elaine Mazzetto UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
  • Pedro Hermano Menezes de Vasconcelos

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2016.2817

Palavras-chave:

Motivação, Lúdico, Ligação Química, Ensino de química

Resumo

Nos dias atuais é comum observar alunos desmotivados e com pouco interesse em aprender o que é ministrado pelo professor. Cabe ao docente buscar estratégias que venham contribuir de maneira significativa o processo de ensino e aprendizagem do aluno. Sabe-se que a brincadeira é uma característica da criança, porém permanece vivo em cada nível de vida de uma pessoa. Seja um brinquedo simples como dominó, até mesmo brincadeira virtual como jogos de vídeo game, comuns para crianças, jovens e adultos. O brincar traz ao ser humano o sentimento de prazer e emoção, desta forma, se torna uma ferramenta útil para alunos e professores quando se associa aos conceitos teóricos da sala de aula. Com esse contexto o presente trabalho aborda o assunto de Ligação Química de uma maneira dinâmica e atraente utilizando o lúdico como ferramenta na sala de aula.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

André Luiz Melo Camelo, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

Possui graduação em Química-Licenciatura e Mestrado pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é aluno de Doutorado em Química pela mesma Universidade. Atua principalmente nos seguintes temas: Ensino de Química; cromatografia gasosa; espectrometria de massas; espectroscopia na região do infravermelho; microextração em fase sólida; análise de metabólitos secundários; análise de sub-produtos derivado do glicerol e análise de pesticidas.

Selma Elaine Mazzetto, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

Bacharel em Química - Universidade de São Paulo (1987), Licenciada em Química - Universidade Federal do Ceará (2000), mestre em Química - Instituto de Química de São Carlos (1991), doutora em Química - Instituto de Química de São Carlos (1994), Pós-Doutorado - Wayne State University Detroit MI - USA (1995/1996) e Pós-Doutorado - Università di Salento - Itália (2002-2003). Pertence ao banco de avaliadores do INEP-MEC-SINAES (Institucional e de Cursos de Graduação). Professor Associado IV da Universidade Federal do Ceará - Departamento de Química Orgânica e Inorgânica, desenvolve suas pesquisas atuando na fronteira entre a Química Orgânica/Inorgânica. Fundadora e gestora do Laboratório de Produtos e Tecnologia em Processos LPT onde reúne competências voltadas para a melhoria dos processos produtivos em escalas de bancada e piloto, assim como para a concepção e o desenvolvimento de novas tecnologias, buscando soluções aplicáveis a processos e produtos industriais nas áreas da Química Fina, Química Verde, Tecnologia Química, Biotecnologia, Biodiversidade e Conservação, Aproveitamento de Resíduos, Energias Renováveis e Novos Materiais, visando o aproveitamento da biomassa regional, formação de recursos humanos, inovação tecnológica com transferência de tecnologias para o setor produtivo, sustentabilidade industrial e proteção intelectual. Credenciada junto aos programas de pós-graduação de Química (1997-atual) e Rede Nordeste de Biotecnologia-RENORBIO (2007-atual). Desde 2008 atua na coordenação e gerenciamento da Coordenadoria de Inovação Tecnológica da UFC (CIT-UFC), tendo realizado vários cursos na área, além de experiência em prospecção tecnológica e transferência de tecnologia para o setor produtivo.

Pedro Hermano Menezes de Vasconcelos

Professor de Química do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) - Campus Fortaleza. Doutor em Química Analítica pela Universidade Federal do Ceará (UFC) - 2013. Mestre em Química Inorgânica pela UFC - 2008. Graduado em Licenciatura em Química pela UFC - 2006 e em Bacharelado em Química pela UFC - 2006. Tem experiência na área de Química, atuando principalmente nos seguintes temas: lantanídeos, bis(2,4-dinitofenil), TCNQ, TCNE, HPA, GCMS e água de produção.

Referências

BENEDETTI FILHO, E.; FIORUCI, A. R.; BENEDETTI, L. P. D. S.; CRAVEIRO, J. A.. Palavras cruzadas como recurso didático no ensino de teoria atômica. Química nova na escola, v. 31, nº 2, p. 88-95, 2009.

FOCETOLA, P. B. M.; CASTRO, P. J.; SOUZA, A. C. J. D.; GRION, L. D. S.; PEDRO, N. C. D. S.; IACK, R. D. S.; ALMEIDA, R. X. D.; OLIVEIRA, A. C. D.; BARROS, C. V. T. D.; VAITSMAN, E.; BRANDÃO, J. B.; GUERRA, A. C. D. O.; SILVA, J. F. M. D. Os jogos educacionais de cartas como estratégia de ensino de Química. Química nova na escola, nº 4, p. 248-255, 2012.

GIORDAN, M. O papel da experimentação no ensino de ciências. Química nova na escola: experimentação e ensino de ciências. nº 10, p. 43-49, 1999.

LIMA, V. A. D.; MARCONDES, M. E. R. Saindo também se aprende – O protagonismo como um processo de ensino-aprendizagem de química. Química nova na escola, v. 33, nº 2, p. 100-104, 2011.

NETO, H. D. S. M.; PINHEIRO, B. C. S.; ROQUE, N. F. Improvisações teatrais no ensino de Química: Interface entre teatro e ciência na sala de aula. Química nova na escola, nº 2, p. 100-106, 2013.

SANTOS (org.), S. M. P. O Lúdico na formação do educador. 8.ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

SOARES, M. H. F. B.; CAVALHEIRO, E. T. G. O ludo como um jogo para discutir conceitos em termodinâmica. Química nova na escola, nº 23, p. 27-31, 2006.

SOARES, M. H. F. B.; OKUMURA, F.; CAVALHEIRO, E. T. G. Proposta de um jogo didático para ensino do conceito de equilíbrio químico. Química nova na escola, nº 18, p. 13-17, 2003.

Downloads

Publicado

23/06/2016

Como Citar

Camelo, A. L. M., Mazzetto, S. E., & Menezes de Vasconcelos, P. H. (2016). USO DE MECANISMO DINÂMICO E INTERATIVO NO ENSINO DE QUÍMICA: UM RELATO DE SALA DE AULA. HOLOS, 3, 132–136. https://doi.org/10.15628/holos.2016.2817

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)