O ENSINO DE HISTÓRIA E O LUGAR DO LIVRO DIDÁTICO NA TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA DO SABER ESCOLAR

Aleksandra Nogueira de Oliveira Fernandes, Ana Lúcia Oliveira Aguiar, Stenio de Brito Fernandes

Resumo


Este artigo teve como foco de abordagem o lugar do Livro Didático (LD) de História na transposição didática do saber escolar. Destarte, a proposta aqui é de ampliar essa discussão, analisando a utilização do LD como instrumento de transposição didática do conhecimento sistematizado. A pesquisa foi realizada em uma escola pública estadual de Mossoró (RN), nas turmas do 2º ao 5° ano do Ensino Fundamental, por isso pode inserir-se no campo das pesquisas qualitativas, como um estudo de caso. Para a produção de dados foi utilizada a observação in loco, um questionário com perguntas abertas e fechadas e a análise documental. Os pressupostos teóricos que embasaram a análise foram os estudos de Bittencourt (2004) e Chevallard (1991). O desenvolvimento da investigação permitiu compreender que o LD é, de fato, utilizado no processo de transposição didática. Entretanto, verificou-se que a professora da turma em observação possui grandes dificuldades com relação à compreensão dos saberes específicos da História. Igualmente foi constatado que na transposição didática ocorre uma simplificação do conhecimento, o que, por vezes, ocasiona a superficialidade e até mesmo a distorção dos conceitos abordados.


Palavras-chave


Livro Didático;Transposição Didática; Ensino de História.

Texto completo:

PDF

Referências


André. M. E. D. A. de. (2005). Estudo de caso em pesquisa e avaliação educacional. Brasília: Líder livro.

Bezerra. H. G. (2004). Ensino de História: conteúdos e conceitos básicos. In: KARNAL. L. (Org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 23 ed. São Paulo: Contexto.

Bittencourt. C. M. F. (2004). Ensino de História: fundamentos e métodos. 7ª Ed. São Paulo: Cortez.

Brasil. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. (2006). Guia do livro didático 2007. História: séries/anos iniciais do ensino fundamental.

Chevallard. Y. (1991). Lá transposition didactique: Du savoir savant ou savoir enseigné. Paris: Lá Fenseé Souvage.

Garcia, R. L. e Moreira, A. F. B. (Orgs.). (2003). Currículo na contemporaneidade: incertezas e desafios. São Paulo: Cortez.

Karnal. L. A. (2004). História moderna e a sala de aula In: KARNAL. L. (Org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 23 ed. São Paulo: Contexto.

Lima. M. (2005). História. 1 Ed. São Paulo: FTD.

Richardson, R. J.(1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Rocha. V. (2001). Reconstruindo a História a partir do imaginário do aluno. In: NIKITIUK. S. L. (Org.). Repensando o ensino de história. 3 ed. São Paulo, Cortez.

Soares. M. B. (1996). Um olhar sobre o livro didático. In: Revista presença pedagógica. V.2 n. 12. Nov/dez.

Tardif. M. (2001). Os professores enquanto sujeitos do conhecimento: subjetividade, prática e saberes no magistério. In: CANDAU. V. M. Didática, currículo e saberes escolares. Rio de Janeiro, DP e A, 2001.

Teixeira. V. L. (2003). As propostas curriculares oficiais: reinterpretações de uma instituição escolar. UFRJ, s/d. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2003.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.5317



 

HOLOS IN THE WORLD