A GAMIFICAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIA: O JOGO “LEGEND OF ZELDA” NA ABORDAGEM SOBRE MEDIEVALISMO

Autores

  • Dayse Marinho Martins Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Programa de Pós Graduação em Cultura e Sociedade PGCult http://orcid.org/0000-0002-3774-7824
  • João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Programa de Pós Graduação em Cultura e Sociedade PGCult, Programa de pós-graduação em Gestão de Ensino da Educação Básica- PPGEEB e Departamento de Educação II. http://orcid.org/0000-0002-4432-0271

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2016.1978

Palavras-chave:

Tecnologias na Educação, jogos digitais, cultura

Resumo

Estudo sobre a utilização metodológica de tecnologias no ensino de História. Com base nas contribuições da Nova História, os jogos eletrônicos são apresentados enquanto recursos psicopedagógicos por representarem situações-problema na compreensão dos conteúdos de forma contextualizada, crítica e globalizante propiciando uma formação para o sujeito histórico, não apenas conteudista e essencialmente conceitual. O trabalho contempla uma pesquisa de cunho qualitativo, focada na análise do jogo The Legend of Zelda: Ocarina of the time. A abordagem enfoca a análise do conteúdo imagético do game a partir de pressupostos da semiótica, análise do discurso e da relação entre História e Literatura. Com isso, busca apresentar elementos do imaginário medieval presentes no jogo eletrônico que possam ser utilizados na transposição didática do conhecimento histórico referente a esse período nas aulas de História. O estudo mostra que os games podem contribuir para uma intervenção psicopedagógica na abordagem sobre medievalismo no Ensino Fundamental. O jogo The Legend of Zelda: Ocarina of the time evidenciou elementos que aproximam o aluno do medievo: um contexto histórico distante da contemporaneidade. Com isso, representa um importante mecanismo para o ensino de história mediando a relação ensino-aprendizagem numa perspectiva significativa e problematizante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Dayse Marinho Martins, Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Programa de Pós Graduação em Cultura e Sociedade PGCult

Licenciada em Pedagogia, História e Filosofia, Especialista em Psicopedagogia, História do Brasil, Educação Infantil e Metodologia do Ensino de Filosofia e Sociologia, Mestra em Cultura e Sociedade – Mestrado Interdisciplinar, da Universidade Federal do Maranhão – UFMA e Doutoranda em Políticas Públcias pela UFMA.

João Batista Bottentuit Junior, Universidade Federal do Maranhão - UFMA, Programa de Pós Graduação em Cultura e Sociedade PGCult, Programa de pós-graduação em Gestão de Ensino da Educação Básica- PPGEEB e Departamento de Educação II.

Doutor em Ciências da Educação com área de especialização em Tecnologia Educativa pela Universidade do Minho (2011), Mestre em Educação Multimídia pela Universidade do Porto (2007), Tecnólogo em Processamento de Dados pelo Centro Universitário UNA (2002). É também Especialista em Docência no Ensino Superior pela PUC-MG (2003), Engenharia de Sistemas pela ESAB (2010) e Educação a Distância pelo UNISEB (2015). Publicou mais de uma centena de artigos em periódicos especializados e trabalhos em anais de congressos, possui ainda livros e capítulos de livros publicados no Brasil e no Exterior. É professor Adjunto III da Universidade Federal do Maranhão, atuando no Departamento de Educação II, é também Professor Permanente dos Programas de Pós-graduação em Cultura e Sociedade (Mestrado Acadêmico) e Gestão de Ensino da Educação Básica (Mestrado Profissional), atua na linha de Cultura, Educação e Tecnologia (Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação). É líder do grupo de Estudos e Pesquisas em Tecnologias Digitais na Educação (GEP-TDE). É membro do comitê científico da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED) desde 2012. É consultor ad hoc e Bolsista de Produtividade em Pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Científico do Maranhão (FAPEMA). Atua na área de Educação, Informática na Educação, Metodologia da Pesquisa, Educação a Distância, Formação de Professores e Tecnologia Educativa. É avaliador de cursos de graduação presenciais e a distância do MEC/INEP

Referências

ALAMINO, C. M. A., PEREIRA, L. R. (2012). Ensino de História e Games: o Uso de Jogos Digitais na Aprendizagem. Araguaína: Revista do curso de História do Araguaína.

ALVES, L. (2012) Jogos eletrônicos e ensino on-line: aprendizagem mediada por novas narrativas. In: BOTTENTUIT JUNIOR, João Batista. & COUTINHO, Clara. P. (orgs.). Educação On-line: conceitos, metodologias, ferramentas e aplicações. Curitiba, PR: CRV.

ALVES, L.; TELLES, H. V. (2015). Ensino de História e Videogame: Problematizando a Avaliação de Jogos Baseados em Representações do Passado. In: XI Seminário SJEEC: Jogos eletrônicos-Educação-Comunicação., Salvador. Disponível em <http://www.comunidadesvirtuais.pro.br/seminario-jogos/files/R26SJEEC2015.pdf> Acessado em 09 Jul. 2016.

ANDREOZZI, M. L. (2005). Piaget e a intervenção psicopedagógica. 5 ed. São Paulo: Olho d’água,

ARANHA, G. (2004). O processo de Consolidação dos Jogos Eletrônicos Como Instrumento de Comunicação e de Construção de Conhecimento. Revista Ciências & Cognição. Vol 03: 21-62.

BAKHTIN, Mikhail. A Cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 2010.

BITTENCOURT, C. (2002). (org.). O saber histórico na sala de aula. SP: Contexto.

BITTENCOURT, C. (2004). Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez.

BURKE, Peter. A Revolução Francesa da Historiografia: a Escola dos Annales 1929-1989. 2ª edição. São Paulo, Editora UNESP, 1991.

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

BUSARELLO, R. I.; FADEL, L. M.; ULBRICHT, V. R. Gamificação na construção de histórias em quadrinhos hipermídia para a aprendizagem. In: FADEL, L. A.; ULBRICT, V. R.; BATISTA, C.; VANZIN, T.; Gamificação na educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014.

CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R. (2012). Novos domínios da História. Rio de Janeiro, Elsevier.

CARPENTIER, Vicent. A Idade Média passo a passo. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CARVALHO, F. B., CRENITTE, P. A. P. & CIASCA, S. M. (2007). Distúrbios de aprendizagem na visão do professor. Revista Psicopedagogia, 24(75), 229-239. Recuperado em 03 de agosto de 2016, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862007000300003&lng=pt&tlng=pt.

ECO, Umberto. Os limites da interpretação. 2ª ed. São Paulo Perspectiva, 2004.

EDUCAUSE. (2011). 7 Things You Should Know About Gamification. Disponível em; http://net.educause.edu/ir/library/pdf/ELI7075.pdf.

FIGUEIREDO, A. M. (2011). de. Como elaborar projetos, monografias, dissertações e teses: da redação científica à apresentação do texto final. 4.ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

FONSECA, V. (1995). Introdução às dificuldades de aprendizagem. 2.ed. Porto Alegre: Artes Médicas.

FRANCO JR, H. (2004). A Idade Média, nascimento do Ocidente. Nova ed. rev. e ampl. São Paulo: Brasiliense.

FRANCO JR, Hilário. As Cruzadas. São Paulo: Brasiliense, 1981.

GONÇALVES, Aníbal & ZAGALO, Nelson. Citizen Zelda. Prisma.com. Revista de Ciências e Tecnologias de Informação e Comunicação do CETAC. MEDIA. Portugal, 2009 .

HIMEKAWA Akira & MIYAMOTO, Shigeru. The Legend Of Zelda: Hyrule Historia. Oregon, EUA: Dark Horse, 2012.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2005.

KAPP, Karl. (2012). The Gamification of Learning and Instruction: Game-based Methods and Strategies for Training and Education. Pfeiffer.

KARNAL, L. (org.). ( 2005). História na sala de aula. São Paulo: Contexto.

KAUARK, F. S., & SILVA, V. A. S. (2008). Dificuldades de aprendizagem nas séries iniciais do ensino fundamental e ações psico & pedagógicas. Revista Psicopedagogia, 25(78), 264-270. Recuperado em 03 de agosto de 2016, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-4862008000300009&lng=pt&tlng=pt.

LE JOFF, Jacques & SCHMITT, Jean Claude (coord.). Dicionário Temático do Ocidente Medieval. São Paulo: EDUCS, 2002.

LOPES, M. C. (2010). Umberto Eco: da “Obra aberta” para “Os limites da interpretação”. Revista Redescrições – Revista online do GT de Pragmatismo e Filosofia Norte-Americana Ano 1, Número 4.

LOPES, M. G. (2001). Jogos na educação: criar, fazer, jogar. 4.ed. São Paulo: Cortez.

MASTROCOLA, V. M. (2013). Doses lúdicas: breves textos sobre o universo dos jogos e entretenimento. São Paulo: Independente,.

NOVAK, J. (2010). Desenvolvimento de games. Tradução: Pedro Cesar de Conti. São Paulo: Cengage Learning.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: Uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 1997

PESCADOR, M. C. (2010). Ações de Aprendizagem Empregadas pelo Nativo Digital para Interagir em Redes Hipermidiáticas tendo o Inglês como Língua Franca. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Caxias do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação.

PIAGET, J. (1998). A psicologia da criança e o ensino de História. In: PARRAT, Silvia; TRYPHON, Anastasia (orgs.). Sobre a pedagogia Tradução Claudia Berliner. São Paulo: Casa do Psicólogo.

PINSKY, C. B. (2010). (org). Novos temas nas aulas de História. 2. Ed. São Paulo: Contexto.

PINSKY, J. (2013). Por que gostamos de História. São Paulo: Contexto.

PORTO, O. (2005). Bases da Psicopedagogia: diagnóstico e intervenção nos problemas de aprendizagem. Rio de Janeiro: Wak Ed,.

REIS, J. C. (2000). Escola dos Annales: inovação em História. São Paulo: Paz e Terra.

VIEIRA, F. G. P. (2009). A ficção como limite: reflexões sobre o diálogo entre História e literatura. Fronteiras: Revista Catarinense de História, Florianópolis, n.17, p.13-31.

YANAZE, L. (2012). Tecno-pedagogia: os games na formação dos nativos digitais. São Paulo: Annablume, Fapesp,.

ZANOLLA, S. R. S. (2010). Videogame, educação e cultura: pesquisas e análise crítica. Campinas, SP: Editora Alínea.

ZIERER, A. & FEITOSA, Márcia M. M. (org). Literatura e História antiga e medieval: diálogos interdisciplinares. São Luís: EDUFMA, 2011.

Downloads

Publicado

12/11/2016

Como Citar

Martins, D. M., & Bottentuit Junior, J. B. (2016). A GAMIFICAÇÃO NO ENSINO DE HISTÓRIA: O JOGO “LEGEND OF ZELDA” NA ABORDAGEM SOBRE MEDIEVALISMO. HOLOS, 7, 299–321. https://doi.org/10.15628/holos.2016.1978

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.