A UNIVERSIDADE BRASILEIRA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NO TERRITÓRIO IBERO-AMERICANO: AVANÇAMOS?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.5429

Palavras-chave:

Universidade brasileira, Políticas de Educação Superior, Processo de mercantilização

Resumo

O artigo parte da perspectiva histórica, contextualizando a universidade brasileira até o momento contemporâneo, discutindo como se constituiu e os rumos que vêm se estabelecendo a partir da perspectiva neoliberal. Nesse particular, o modelo francês napoleônico, implantado no Brasil com a vinda da corte portuguesa, visando, principalmente, à formação profissional, aos poucos foi cedendo espaço, em algumas instituições, ao modelo humboldtiano, cujo principal objetivo era o desenvolvimento máximo da ciência. O fato de a Universidade estar imersa em um processo histórico atravessado por contradições, faz com que traga as marcas dos diferentes tempos. Na perspectiva aqui posta, ao término da segunda guerra mundial passamos a assistir o surgimento de um novo modelo de universidade, motivado pelas tecnologias e pelo processo de globalização econômica, que é o modelo norte-americano, que invade a educação superior de muitos países, dentre eles o Brasil. No espaço europeu, a Declaração de Bolonha vem selar um novo modelo de universidade que também insere as universidades europeias no processo de globalização tendo dentre suas prioridades o aumento da competitividade. Essas mudanças influenciam de forma direta a formação profissional no sentido amplo e a formação de professores no sentido estrito. Ao vislumbrarmos esse panorama nos questionamos: quais os rumos da educação brasileira? Por onde poderemos andar? Como serão traçadas as políticas para a Educação Superior? Como vamos superar ou avançar em relação ao processo de mercantilização do ensino e da pesquisa na universidade? São questões postas neste artigo que têm servido de pano de fundo às reflexões aqui apresentadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Silvia Regina Canan, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões

Licenciada em Pedagogia pela UFSM - Universidade Federal de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul, Especialista em Alfabetização pela PUC/RS – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Mestre em Educação pela UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Doutora em Educação pela UNISINOS – Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Teve experiência docente como professora da Rede Pública e da Rede Privada e atua como docente na URI – Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, situada na região norte do Estado do Rio Grande do Sul, nos cursos de licenciatura e no Programa de Pós-Graduação em Educação: Mestrado em Educação. Teve experiência de gestão através da Coordenação do Curso de Pedagogia, da Chefia do Departamento de Ciências Humanas, foi Diretora Acadêmica e atualmente é Diretora Geral do Câmpus da URI em Frederico Westphalen/RS. No Mestrado em Educação atua na Linha de Pesquisa Políticas Públicas e Gestão da Educação, onde desenvolve pesquisas na área das Políticas de Formação de Professores, Políticas de Avaliação e Ensino Superior. Coautora do Livro: Educação e Pedagogia Universitária: até que ponto formamos docentes para o ensino superior?, recentemente lançado pela Editora CRV; autora do livro: Influência dos organismos internacionais nas políticas educacionais: só há intervenção quando há consentimento? Lançado pela Mercado de Letras.

 

Edite Maria Sudbrack, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões

Doutora (2002) e Mestre em Educação (1995) pela UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Maria (1975). Realizou estágio pós-doutoral pela UFRGS com o projeto: Assistência Financeira da União aos Estados e Municípios na Educação Básica: política e políticas. Atuou como Diretora Acadêmica (2002-2010) e como Chefe do Departamento de Ciências Humanas (2010-2014), é Coordenadora e docente do Mestrado em Educação e professora da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Presidente do Conselho Municipal de Educação de Frederico Westphalen. Tem experiência na área de Educação, no mestrado em Educação atua na Linha de Pesquisa Políticas Públicas e Gestão da Educação atuando principalmente nos seguintes temas: educação, formação docente, avaliação em larga escala, gestão da educação, políticas públicas e política educacional. Membro do Conselho Editorial da Revista de CH, consultora AD HOC da Revista Vivências/URI, da Revista Educação da UFSM e da Revista Educação e Cultura Contemporânea da Universidade Estácio de Sá. Integra a Rede Iberoamericana de pesquisa em políticas e processos na/da educação superior. Integra também o Grupo Internacional de Estudos e Pesquisas em Educação Superior, da Universidade Estadual de Campinas/SP. Membro da Câmara de Ensino, Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação da URI. Avaliadora de pesquisa da UFFS, líder do Grupo de Pesquisa em Educação - GPE e integra os Grupos de Pesquisa: Núcleo de Estudos e Pesquisas em Políticas e Processos de Educação Superior - NEPPES e o Grupo Internacional de Estudos e Pesquisas Sobre Educação Superior, da Universidade Estadual de Campinas, cadastrados no CNPQ.

Referências

ALMEIDA, M. L. P. (2012). Sobre ciência e tecnologia na América Latina: uma análise dos modelos de pesquisa. In: ALMEIDA, M. L.P; CATANI, A. M. (Orgs). Educação Superior na América Latina. Campinas: Mercado de Letras, p. 151-172.

BANCO MUNDIAL (2006). Relatório sobre o desenvolvimento mundial de 2007: visão geral. Washington, DC: Banco Mundial. Disponível em: http: // www.bancomundial.org.br/index.php/content/view_folder/2877.html. Acesso em: 25 de out. 2006.

BAUMAN, Z. (1999). Globalização: As consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

BENTO, J. O. (2015). Processo de Bolonha: uma ofensa e traição à ideia e missão da Universidade. In: BIANCHETTI, L. O processo de Bolonha e a globalização da Educação Superior: antecedentes, implementação e repercussões no que fazer dos trabalhadores da educação. Campinas: Mercado de Letras, 2015. p. 9-16.

BOTELHO, A. de F. (2015). Das propostas do Banco Mundial à avaliação institucional na educação. In: SILVA, M. A.; SILVA, K. A. C. P. C. Pensamento político e pedagógico na formação do pesquisador em educação. Belo Horizonte/MG: Traço Fino, p. 235-249.

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, INEP. Censo da educação superior 2016: notas estatísticas. Disponível em www.inep.gov.br. Acessado em jan/2017.

CAMPOS, M. M. (2003). Educação e políticas de combate à pobreza. Revista Brasileira de Educação, n. 24, set/out.

CANAN, S. R. (2016). Influências dos organismos internacionais nas políticas educacionais: só há intervenção quando há consentimento? Campinas: Mercado de Letras, 116p.

CHAUI, M. (1999). Raízes teológicas do populismo no Brasil. In: DAGNINO, Evelina(org.). Anos 90: política e sociedade no Brasil. São Paulo: Cortez, 1999, p. 102-123.

CURY, C. R.J. (1996). A Educação Básica No Brasil. In: CURU, C.R.J. Educ. Soc. Campinas: Mercado de Letras, v.23, n.80, p.168-200.

DAL VECHIO, A.; SANTOS, J. E. (2016). Educação superior no Brasil: apontamentos sobre o lugar e o papel da diversidade institucional. In.: DAL VECHIO, Angelo e SANTOS, José Eduardo (Orgs). Educação superior no Brasil: modelos e missões institucionais. São Paulo: Casa Flutuante, 2016. 226 p.

DALE, R. (2007). Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educacional Mundial Comum” ou localizando uma “Agenda Globalmente Estruturada para a Educação”? Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago.

DALE, R; GANDIN, L. A. (2014). Estado, Globalização, Justiça Social e Educação: reflexões contemporâneas de Roger Dale. In: DALE, R; GANDIN, L. A. Currículo sem Fronteiras. v.14, p. 5-16.

DIAS SOBRINHO, J. (2010). Dilemas da educação superior no mundo globalizado: sociedade do conhecimento ou economia do conhecimento? São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

HUMBOLDT, W.V. (2003). Sobre a organização interna e externa das Instituições Científicas Superiores em Berlim. In: CASPER, G; HUMBOLDT. Um mundo sem Universidades? 2 ed. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2003. p. 79-100.

LUCCHESI, M. A. S. (2011). O ensino superior brasileiro e a influência do modelo francês. In: Anais do XI Colóquio Internacional sobre gestão universitária na América do Sul e II Congresso Internacional - IGLU. Florianópolis, 7 e 9 de dezembro de 2011. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/29534/7.2.pdf?sequence=1. Acesso em 07/09/2016.

MASSETTO, M.T. (1998). Professores universitários: um profissional da educação na atividade docente. In: MASSETO, M. (Org). Docência na Universidade. 4 ed. Campinas: Papirus, 1998. p. 9-26.

MAUÉS, O. l. (2011). A Política da OCDE para a educação e a formação docente: a nova regulação. Educação. Porto Alegre. v. 34, n. 1, p. 75–85, 2011. Semestral. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/5033/6130. Acesso em: 7 abr. 2014.

MOROSINI, M. C. (2006). Estado do conhecimento sobre internacionalização da educação superior: conceitos e práticas. Revista Educar, Curitiba, n. 28, p.107-124, 2006, Editora UFPR.

OCDE. (2016). L’école de demain. Repenser l’enseignement: Des scénarios pour agir. Disponível em: Disponível em: <http://www.sourceocde.org/enseignement/9264023658>./Acesso em:15 out.2016.

PEREIRA, E. M. A. A universidade da modernidade em tempos atuais. In.: ALMEIDA, M. L. P. e CATANI, Afrânio Mendes (Orgs.). (2012). Educação Superior na América Latina: políticas, impasses e possibilidades. Campinas, SP: Mercado de Letras.

SANTOS, M. (2004). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Record.

SILVA, M. A. (2002). Intervenção e Consentimento. Campinas: Autores associados.

SLAUGTERS; LESLIE, L. (1997). Academic capitalismo: polítics, policies anal the entrepreemial univenty. Princetos. p.37-60. Disponível em: <http://firgoa.usc.es/drupal/files/Rhoades.qxp.pdf>. Acesso em: 24 nov. 2016.

TORRES, R. M. (1996). Melhorar a qualidade da educação básica? As estratégias do Banco Mundial. In: TOMMASI, L. De; WARDE, J. M.; HADDAD, S. (Orgs.) O Banco Mundial e as políticas educacionais. São Paulo: Cortez Ed./Ação Educativa/PUC-SP. p. 125- 193.

UNESCO. (2015). Acordo Geral de 2015. Brasília: Unesco. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/agencia/unesco/>. Acesso em: 15 jun 2016.

UNESCO. (2009). Conferência Mundial sobre Ensino Superior 2009: as Novas Dinâmicas do Ensino Superior e Pesquisas para a Mudança e o Desenvolvimento Social. 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=2722-cmes-unesco-comunicadofinal-paris-2009&category_slug=janeiro-2010-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 23 nov. 2016.

Downloads

Publicado

11/06/2018

Como Citar

Canan, S. R., & Sudbrack, E. M. (2018). A UNIVERSIDADE BRASILEIRA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NO TERRITÓRIO IBERO-AMERICANO: AVANÇAMOS?. HOLOS, 2, 333–350. https://doi.org/10.15628/holos.2018.5429

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.