VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ-SC: DESAFIOS E AVANÇOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.11604

Palavras-chave:

Saúde Ambiental, Vigilância em Saúde, SUS, Promoção da Saúde, Meio Ambiente

Resumo

A Vigilância Ambiental em Saúde (VAS) atua em um conjunto de ações que proporciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes do meio ambiente que interferem na saúde humana. Objetivo: analisar as contribuições e desafios da VAS para a prevenção de agravos e promoção da saúde, a partir da ótica de gestores e colaboradores de Chapecó (SC). Método: estudo qualitativo, com entrevistas com profissionais cujas manifestações foram analisadas segundo as orientações da análise temática de conteúdo. Resultados: Como contribuições da VAS foi indicada a educação em saúde que representa uma estratégia multidisciplinar, destacada pelos participantes como referência para Santa Catarina, colaborando com as ações de promoção da saúde, desenvolvidas por meio dos agentes de combate a endemias que atuam como atores de diálogo entre a comunidade e o serviço. Ainda, a relevância do planejamento e ações no qual o serviço se estruturou e ganhou forma e notoriedade no município. Os desafios identificados são a resistência da população em receber os ACE, a carência da comunicação e informação em saúde, assim como o predomínio de uma cultura setorial sem o devido diálogo entre os serviços que compõem a vigilância em saúde. Conclusão: A VAS de Chapecó foi estruturada a partir das políticas públicas de saúde vigentes e tem ações pautadas por um planejamento sistemático e atua fundamentalmente na educação, promoção da saúde e prevenção de agravos. Contudo, enfrenta importantes desafios dentre eles se destacam a integração na rede de saúde, carência de financiamento e da identidade enquanto serviço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ariane Fatima Deggeroni, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó

Possui graduação em Enfermagem - pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó. Especialista em Gestão em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo e Enfermagem do Trabalho pela Universidade Pitágoras Unopar/Polo Chapecó. Atualmente Mestranda do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Saúde da Universidade Comunitária da Região de Chapecó - Unochapecó.

Junir Antônio Lutinski, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó)

Possui graduação em Ciências Biológicas, Doutor em Biodiversidade Animal pela Universidade Federal de Santa Maria. Atualmente, é professor dos cursos de Graduação em Ciências Biológicas, Medicina, Fisioterapia e Nutrição e do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências da Saúde da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó). 

Maria Assunta Busato, Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó)

Possui graduação em Ciências e Biologia, Doutora em Biologia pela Universidade de Barcelona - Espanha. Atualmente, é professora dos cursos de Graduação em Ciências Biológicas, Medicina e Nutrição e do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ciências da Saúde da Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó).

Referências

Araújo, W. A. et al. (2018). Educação em saúde na Estratégia Saúde da Família: contribuições práticas do enfermeiro. Enfermagem Brasil, 17(6), 645-653. http://dx.doi.org/10.33233/eb.v17i6.2231

Barbosa Júnior, S. A., Freitas, A. A., & Liberal, M. M. C. (2020). Contribuições das Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde como Estratégias de Enfrentamento às Zoonoses. Revista de Saúde Digital e Tecnologias Educacionais, 5(2), 14-29. https://doi.org/10.36517/resdite.v5.n2.2020.a2

Barcellos, C., & Quitério, L. A. D. (2006). Vigilância ambiental em saúde e sua implantação no Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Pública, 40(1), 170-177. https://doi.org/10.1590/S0034-89102006000100025

Barreira Filho, E. B., & Pontes, J. R. S. (2012). A inserção da vigilância em saúde ambiental no sistema único de saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 25(1), 1-2 10.5020/18061230.2012.p1

Bezerra, A. C. V. (2012). A consolidação das ações de campo da vigilância em saúde ambiental: heranças e desafios à territorialização (Tese de doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Bezerra, A. C. V. (2017). Vigilância em saúde ambiental no Brasil: heranças e desafios. Saúde e Sociedade, 26, 1044-1057. 10.1590/S0104-12902017170093

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal.

Brasil. (2002a). Promoção da Saúde: Cartas de Ottawa, Adelaide, Sundsvall e Santa Fé de Bogotá. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2002b). Vigilância Ambiental em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2006). Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006. Regulamenta o § 5º do art. 198 da Constituição Federal, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado pelo parágrafo único do art. 2º da Emenda Constitucional nº 51, de 14 de fevereiro de 2006, e dá outras providências.

Brasil. (2013). Glossário temático: gestão do trabalho e da educação na saúde (2. ed.). Brasília: Ministério da Saúde.

Busato, M. A., Nothaft, S. C. S., & Andrioli, D. C. (2018). Vigilância Ambiental em Saúde: aproximações possíveis com a educação em saúde e a promoção da saúde. In J. A. Lutinski, M. A. Busato (Org.), Vigilância Ambiental em Saúde: uma abordagem interdisciplinar (pp. 167-180). Curitiba: CRV.

Buss, P. M. (2009). Uma Introdução ao conceito de Promoção da Saúde. In D. Czeresnia, C. M. Freitas (Org.), Promoção da Saúde: conceitos, reflexões, tendências (pp. 61-101). (2. ed.). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Câmara, V. M. (2009). Epidemiologia e ambiente. In R. A. Medronho et al. (Org.), Epidemiologia (pp. 535-547). São Paulo: Atheneu.

Coriolano-Marinus, M. W. L. et al. (2014). Comunicação nas práticas em saúde: revisão integrativa da literatura. Saúde e Sociedade, 23(4), 1356-1369. https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000400019

Fraga, L. S., & Monteiro, S. (2014). A gente é um passador de informação: práticas educativas de agentes de combate a endemias no serviço de controle de zoonoses em Belo Horizonte, MG. Saúde e Sociedade, 23(3), 993-1006. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000300021

Grando, M. K., & Dall’Agnol, C. M. (2010). Desafios do processo grupal em reuniões de equipe de estratégia em saúde da família. Escola Anna Nery, 14(3), 504-510. https://doi.org/10.1590/S1414-81452010000300011

Guida, H. F. S. et al. (2012). As relações entre saúde e trabalho dos agentes de combate às endemias da Funasa: a perspectiva dos trabalhadores. Saúde e Sociedade, 21(4), 858-870, 2012. https://doi.org/10.1590/S0104-12902012000400006

Kleba, M. E., & Wendausen, A. (2009). Empoderamento: processo de fortalecimento dos sujeitos nos espaços de participação social e democratização política. Saúde e Sociedade, 18(4), 733-743. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902009000400016

Kuczmainski, A. G., & Ferraz, L. (2018). Vigilância Ambiental em Saúde: aproximações possíveis com a educação em saúde e a promoção da saúde. In J. A. Lutinski, M. A. Busato (Org.), Vigilância Ambiental em Saúde: uma abordagem interdisciplinar (pp. 49-60). Curitiba: CRV.

Libanio, K. R., Favoreto, C. A. O., & Pinheiro, R. (2014). Análise da integração da Vigilância Ambiental no controle da dengue com a Estratégia Saúde da Família: impacto nos saberes e práticas dos agentes comunitários de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 24(1), 147-163. https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000100009

Lima-Camara, T. N. (2016). Arboviroses emergentes e novos desafios para a saúde pública no Brasil. Revista de Saúde Pública, 50(36), 1-7. 10.1590/S1518-8787.2016050006791

Lutinski, J. A. et al. (2016). Percepções dos Agentes de Combate às Endemias sobre Planejamento e Comunicação no Serviço de Saúde. Revista de Saúde Pública de Santa Catarina, 9(2), 8-19.

Lutinski, J. A., & Busato, M. A. (Org.). (2018). Vigilância Ambiental em Saúde: uma abordagem interdisciplinar. Curitiba: CRV.

Lutinski, J. A., Guarda, C., & Lutinski, C. J. (2018). Vigilância Ambiental em Saúde em Chapecó-SC: experiências de uma década. In J. A. Lutinski, M. A. Busato (Org.), Vigilância Ambiental em Saúde: uma abordagem interdisciplinar (pp. 29-48). Curitiba: CRV.

Lutinski, J. A., & Müller, E. S. (2018). Vigilância Ambiental em Saúde: uma abordagem interdisciplinar. In J. A. Lutinski, M. A. Busato (Org.), Vigilância Ambiental em Saúde: uma abordagem interdisciplinar (pp. 17-28). Curitiba: CRV.

Maciel Filho, A. A. et al. (1999). Indicadores de vigilância ambiental em saúde. Informe epidemiológico do SUS, 8(3), 59-66. http://dx.doi.org/10.5123/S0104-16731999000300004

Matos, D. S. et al. (2016). Visita domiciliar: dificuldades encontradas pelos Agentes Comunitários de Saúde. EFDeportes.com, 20(214).

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (14. ed.). São Paulo: Hucitec.

Oliveira, M. M., Castro, G. G., & Figueiredo, G. L. A. (2016). Agente de combate às endemias e o processo de trabalho da equipe de saúde da família. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 29(3), 380-389. https://doi.org/10.5020/18061230.2016.p380

Oliveira, M. S., Rohlfs, D. B., & Villardi, J. W. R. (2017). Vigilância em saúde ambiental. In G. M. M. Gondim, M. A. C. Christófaro, G. M. Miyashiro (Org.), Técnico de vigilância em saúde: contexto e identidade (pp. 243-273). Rio de Janeiro: EPSJV.

Ornelas, A. L., & Teixeira, M. G. C. (2015). Intersetorialidade ou diálogos setoriais? Reflexões a partir da experiência do Projeto Teias-Escola Manguinhos, Rio de Janeiro. Saúde em Debate, 39(106), 659-670. https://doi.org/10.1590/0103-110420151060003008

Pedrosa, I. C. F., Corrêa, Á. C. P., & Mandú, E. N. T. (2011). Influências da infraestrutura de centros de saúde nas práticas profissionais: percepções de enfermeiros. Ciência, Cuidado e Saúde, 10(1), 058-065. https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v10i1.13288

Peixoto, T. M. et al. (2020). Práticas educativas no controle da Dengue: atuação dos Agentes de Combate às Endemias e percepção dos moradores. Revisa, 9(2), 262-270.

Pimentel, F. C., Albuquerque, P. C., & Acioli, R. M. L. (2009). Análise do processo de trabalho dos agentes de vigilância ambiental do município de Olinda, Pernambuco. Ciência & Saúde Coletiva, 14(6), 2209-2214.

Pinto, L. F., & Rocha, C. M. F. (2016). Inovações na Atenção Primária em Saúde: o uso de ferramentas de tecnologia de comunicação e informação para apoio à gestão local. Ciência & Saúde Coletiva, 21(5), 1433-1448.

Rohlfs, D. B. et al. (2011). A construção da Vigilância em Saúde Ambiental no Brasil. Cadernos Saúde Coletiva, 19(4), 391-398.

Santili, P. G. J., Tonhom, S. F. R., & Marin, M. J. S. (2017). Educação em saúde: algumas reflexões sobre sua implementação pelas equipes da estratégia saúde da família. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 29, 102-110.

Santos, E. O. et al. (2017). Reunião de equipe: proposta de organização do processo de trabalho. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, 9(3), 606-613.

Silva, D. A. J., & Tavares, M. F. L. (2016). Ação intersetorial: potencialidades e dificuldades do trabalho em equipes da Estratégia Saúde da Família na cidade do Rio de Janeiro. Saúde em Debate, 40(111), 193-205.

Souza, K. R. et al. (2018). Saberes e práticas sobre controle do Aedes aegypti por diferentes sujeitos sociais na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 34(5), 1-13, 2018.

Targino, M. G. (2009). Informação em Saúde: potencialidades e limitações. Informação & Informação, 14(1), 52-81.

Villardi, J. W. R. (2015). A vigilância em saúde ambiental no Brasil – uma reflexão sobre seu modelo de atuação: necessidades e perspectivas (Tese de doutorado). Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Villela, E. F. M. (2016). Comunicação de risco versus comunicação de crise na saúde pública: o discurso das autoridades diante de uma epidemia de dengue. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, 4(10), 1-11.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos (4. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Downloads

Publicado

04/11/2021

Como Citar

Deggeroni, A. F., Lutinski, J. A., & Busato, M. A. (2021). VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ-SC: DESAFIOS E AVANÇOS. HOLOS, 2. https://doi.org/10.15628/holos.2021.11604

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)