A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR AMBIENTAL EM TEMPOS DE PANDEMIA: UMA PERSPECTIVA SOCIAL E PARA SUSTENTABILIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2021.11587

Palavras-chave:

COVID-19, Educação Ambiental, Justiça Ambiental, Equidade, Sustentabilidade.

Resumo

Considerando a problemática associada a pandemia da COVID-19 no Brasil, o presente trabalho teve como objetivo destacar os principais desafios emergentes a serem superados pela sociedade e educadores ambientais para a minimização dos impactos da pandemia e promoção de um contexto pós-pandemia mais justo e equilibrado. Por meio de pesquisa qualitativa, através de consulta bibliográfica em plataformas especializadas como Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Google Scholar, este artigo frisou a importância da conservação da biodiversidade e dos recursos naturais para reduzir as chances de ocorrência de novas doenças de origem zoonótica e discorrer sobre os desafios do educador ambiental. Verificou-se que é fundamental a articulação dos educadores ambientais em meios sociais para promover a Educação Ambiental e superar os desafios relacionados à acentuada desigualdade social no Brasil. Não obstante, faz-se necessária a união de esforços para promover a transformação social e melhoria da qualidade ambiental, evidenciando a necessidade de mudanças na administração pública e nos hábitos sociais. Concluiu-se que é urgente o desenvolvimento de uma nova cultura e modo de vida, capaz de ressignificar o paradigma vigente o qual representa um forte obstáculo ao desenvolvimento sustentável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Tális Pereira Matias, Universidade Federal de Alfenas

Instituto de Ciência e Tecnologia - ICT/UNIFAL, Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA/UNIFAL).

Graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG); mestrado em Ciência e Engenharia Ambiental; especialização em Homeopatia (Unyleya); doutorando em Ciências Ambientais também pela UNIFAL-MG.

Atuando em: Engenharia Ambiental, Avaliação de Impactos Ambientais, Educação Ambiental e Sustentabilidade.

Ligia de Almeida Gilioli Fraga, Universidade Federal de Alfenas

Instituto de Ciência e Tecnologia - ICT/UNIFAL, Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA/UNIFAL).
Graduação em Ciências Biológicas pelo IFSULDEMINAS; mestrado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Unidades de conservação e Educação Ambiental) pela UNIFEI; pós graduanda em especialização em ensino de ciências da natureza e matemática pelo IFSULDEMINAS; doutoranda em Ciências Ambientais pela UNIFAL.
Atuando em: Conservação da Natureza, Unidades de Conservação, Educação Ambiental e Sustentabilidade.

Ligia Tambasco Masteghin, Universidade Federal de Alfenas

Instituto de Ciência e Tecnologia- ICT/Unifal, Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA/UNIFAL).
Graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Alfenas (Unifal); mestrado em Ciência e Engenharia Ambiental, especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho; doutorado em Ciências Ambientais pela Unifal.
Atuando em: Recursos Hídricos, Segurança do Trabalho, Educação Ambiental e Sustentabilidade.

Vívian Ariane de Oliveira Costa, Universidade Federal de Alfenas

Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG); mestrado em Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade pela Universidade Federal de Itajubá, (UNIFEI), pós-graduanda na especialização em Inovação na Educação Mediada por Tecnologias pela Universidade Federal do ABC, (UFABC) e doutoranda em Ciências Ambientais pela UNIFAL-MG.
Atuando em: Desenvolvimento, Educação e Justiça ambiental.

Luciana Botezelli, Universidade Federal de Alfenas

Instituto de Ciência e Tecnologia - ICT/UNIFAL, Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA/UNIFAL).

Graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Lavras (UFLA); mestrado em Engenharia Florestal (Manejo Ambiental); especialização em Ecoturismo e Planejamento de Atividades em Áreas Naturais; doutorado em Engenharia Florestal (Ciências Florestais) também pela UFLA.

Atuando em: Conservação da Natureza, Unidades de Conservação, Educação Ambiental, Planejamento Ambiental Urbano e Sustentabilidade

Adriana Maria Imperador, Universidade Federal de Alfenas

Instituto de Ciência e Tecnologia - ICT/UNIFAL, Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA/UNIFAL).

Graduação em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade de São Paulo, Mestrado e Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental pela USP São Carlos.

Atuando em: Educação Ambiental, Percepção Ambiental e Sustentabilidade

Referências

Acosta, A. L., Xavier, F., Chaves, L. S. M., Sabino, E. C., Saraiva, A. M. & Sallum, M. A. M. (2020). Interfaces à transmissão e spillover do coronavírus entre florestas e cidades. Estudos Avançados 34 (99): 191-207. doi: 10.1590/s0103-4014.2020.3499.012

Almeida, R. & Hayashi, C. R. M. (2020). Capacidade de organização social em enfrentamentos socioambientais. Revista Katálysis 23 (2): 276-288. doi: 10.1590/1982-02592020v23n2p276

Andrade, D., Schimidt, T. & Sutil, N. (2016). Explorando o Ambiente Virtual do Minecraft em Sala de Aula: Potencialidades do jogo para trabalhar a interação do ser humano com o ambiente. Anais XIII Congresso Internacional de Tecnologia na Educação. Disponível em: http://intranet.pe.senac.br/dr/ascom/congresso/anais/2015/arquivos/pdf/comunicacao-oral/EXPLORANDO%20O%20AMBIENTE%20VIRTUAL%20DO%20MINECRAFT%20EM%20SALA%20DE%20AULA%20potencialidades%20do%20jogo%20para%20trabalhar%20a%20intera%C3%A7%C3%A3o%20do%20ser%20humano%20com%20o%20ambiente.pdf Acesso: 13/11/2020.

Bellesa, M. (2020). Biodiversidade, clima e pandemias exigem novo modelo de desenvolvimento. Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo. Disponível em: http://www.iea.usp.br/noticias/biodiversidade-mudancas-climaticas-e-pandemias-exigem-mudanca-de-modelo-de-desenvolvimento-apontam-pesquisadores#:~:text=Biodiversidade%2C%20clima%20e%20pandemias%20exigem%20novo%20modelo%20de%20desenvolvimento,-por%20Mauro%20Bellesa&text=As%20conex%C3%B5es%2C%20similaridades%20e%20diferen%C3%A7as,no%20dia%2028%20de%20maio.

Blauth, I. F., Dias, N. & Scherer, S. (2019). Whatsapp Como Ambiente De Interações Na Educação a Distância: Ensaios De Encontros Síncronos E Assíncronos. Holos 6 (35), 1–13. doi: 10.15628/holos.2019.6298

Cetic. (2020a). TIC Domicílios 2019: 31. Disponível em: https://cetic.br/media/analises/tic_domicilios_2019_coletiva_imprensa.pdf

Cetic. (2020b). TIC Educação 2018: 27. Disponível em: https://cetic.br/pesquisa/educacao/indicadores

Citelli, A. & Falcão, S. P. (2020). Educomunicação Socioambiental: cidade e escola. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação 43 (2): 21-36. doi: 10.1590/1809-5844202021

Da-Silva, E. R. & Coelho, L. B. N. (2020). Sobre incursões da fauna silvestre em áreas urbanas durante a pandemia do novo coronavírus. Revista A Bruxa 4 (2):1-13.

Guerra, A. F. S., Orsi, R. F. M., Steuck, E. R., Silva, M. P., Serpa, P. R., Santos, B. C. L. S. & Rockett, A. N. (2020). Educação Ambiental: a resistência e o esperançar em tempos de pandemia. RevBEA 15 (4): 237-258. doi: 10.34024/revbea.2020.v15.10794

Harvey, D. (2011). O enigma do capital e as crises do capitalismo. Tradução: João Alexandre Peschanski. São Paulo: Boitempo.

Hobsbawm, E. J. (1997). A era dos extremos: o breve século XX-1914-1991. Tradução: Marcos Santarrita. (2ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Jacobi, P. (2003). Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de pesquisa (118): 189-205. doi: 10.1590/S0100-15742003000100008.

Kim, J. & Hastak, M. (2018). Social network analysis: Characteristics of online social networks after a disaster. International Journal of Information Management 38 (1): 86-96. doi: 10.1016/j.ijinfomgt.2017.08.003

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2002). Fundamentos de metodologia científica. (5. ed.). São Paulo: Atlas.

Matias, T. P., Masteghin, L. T. & Imperador, A. M. (2020). A sustentabilidade Ambiental: da utopia à emergência. RevBEA 15 (4): 160-174. doi: 10.34024/revbea.2020.v15.10830

Palmieri, M. L. B. & Massabni, V. G. (2020). As Contribuições Das Visitas Em Áreas Protegidas Para a Educação Escolar. Ambiente & Sociedade 23: 1-18. doi: 10.1590/1809-4422asoc20190041r1vu2020l1ao

Pereira, V. A. (2020). Existências ameaçadas: A Educação Ambiental em tempos de COVID-19. Brazilian Journal of Development 6 (4): 21254-21271. doi: 10.34117/bjdv6n4-337

Santos, B. de S. (2020). A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Edições Almedina, S.A.

Silva, A. A. & Passerino, L. M. (2007). A Fazenda Software Educativo para a Educação Ambiental. Renote 5 (2). doi: 10.22456/1679-1916.14198

Silva, C. L. F. da, Silva, M. S. da, Santos, D. S. dos., Braga, T. G. M. & Freitas, T. P. M. de. (2020a). Impactos socioambientais da pandemia de Sars-CoV-2 (COVID-19) no Brasil: como superá-los?. RevBEA 15 (4): 220-236. doi: 10.34024/revbea.2020.v15.10846

Silva, D. S. da C., Santos, M. B. dos & Soares, M. J. N. (2020b). Impactos causados pela COVID-19: um estudo preliminar. RevBEA 15 (4): 128-147. doi: 10.34024/revbea.2020.v15.10722

Silva, R. B. da, Araújo, M. P. M. & Corte, V. B. (2020c). A civilização “insustentável” em situação de pandemia de COVID-19: perspectivas de educadores. RevBEA 15 (4): 80-94. doi: 10.34024/revbea.2020.v15.10685

Sorrentino, M., Trajber, R., Mendonça, P. & Ferraro Junior, L. A. (2005). Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa 31 (2): 285-299. doi: 10.1590/S1517-97022005000200010

Souza, L. M. C. de, Rosa, M. C da. & Antiqueira, L. M. O. R. (2020). Ensaio reflexivo sobre a biodiversidade e os valores humanos no contexto da pandemia. RevBEA 15 (4): 45-54. doi: 10.34024/revbea.2020.v15.10780

Souza, L. P. (2020). A pandemia da COVID-19 e os reflexos na relação meio ambiente e sociedade. Revista Brasileira de Meio Ambiente 8 (4): 68-73.

Tomelin, G. A. (2020). Escassez geral nas catástrofes: cidadãos sufocados pelas prerrogativas da administração pública. In WARDE, Walfrido. VALIM, Rafael (coordenadores). As consequências da covid-19 no direito brasileiro. São Paulo: Contracorrente.

Ujvari, S. C. (2003). A história e suas epidemias: a convivência do homem com microorganismos. (2ª ed.). São Paulo: Senac.

Wyzykowski, T., Frison, M. D. & Bianchi, V. (2020). Compreensões De Educação Ambiental a Partir De Charges Do Facebook. REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática 8 (2): 290-307. doi: 10.26571/reamec.v8i2.9768

Downloads

Publicado

2021-12-08

Como Citar

Matias, T. P., Fraga, L. de A. G., Masteghin, L. T., Costa, V. A. de O., Botezelli, L., & Imperador, A. M. (2021). A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR AMBIENTAL EM TEMPOS DE PANDEMIA: UMA PERSPECTIVA SOCIAL E PARA SUSTENTABILIDADE. HOLOS, 7, 1–15. https://doi.org/10.15628/holos.2021.11587

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)