CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS FLORESTAIS NÃO MADEIREIROS NA PERSPECTIVA MERCADOLÓGICA DE ASSOCIAÇÕES EXTRATIVISTAS NO ESTADO DO ACRE

Adriana Maria Imperador, Lucia Helena de Oliveira Wadt

Resumo


A Certificação concedida pelo Conselho de Manejo Flo-restal é um instrumento de gestão para o uso sustentá-vel dos recursos florestais, considerando aspectos soci-ais, econômicos e ambientais. Dentre suas vantagens está a possibilidade de conquistar novos mercados e agregar valor ao produto. Diante da experiência das Associações dos Seringueiros Porto Dias e dos Morado-res e Agroextrativistas do Remanso de Capixaba, ambas do Estado do Acre, este estudo avaliou a percepção de seus manejadores em relação ao mercado para Produtos Florestais Não Madeireiros certificados através de en-trevistas estruturadas. Nesse universo que representou 100% das famílias certificadas nas duas Associações, 53% dos entrevistados consideraram as questões relativas ao mercado como maior dificuldade encontrada para man-ter a certificação enquanto que 59% apontaram que melhoria das condições de comercialização de seus produtos como o principal entrave para a manutenção do processo. Verificou-se que agregar valor e comercia-lizar o produto com vantagem competitiva são condições essenciais para a viabilidade da Certificação Florestal Comunitária como incentivo ao manejo sustentável dos recursos florestais na Amazônia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALCORN, J. B. Process as Resource: The Traditional Agricultural Ideology of Bora and Huastec Resource Management and Implications for Research. Advances in Economic Botany, v. 7, p. 63-77, 1989.

AMARAL, P.& AMARAL NETO, M. Manejo Florestal Comunitário: processos e aprendizagens na Amazônia brasileira e na América Latina. Belém: IEB e IMAZON, 2005.

AMAZÔNIA. Preço alto ainda é empecilho para desenvolvimento de produtos certificados - 27/10/2008. Disponível em: < www.amazonia.org.br >. Acesso em: 07 nov. 2012.

Brechin,S.R.; Wilshusen, P.; Fortwangler,C. and WestBRECHIN, P. Beyond the square wheel: Toward a more comprehensive understanding of biodiversity conservation as social and political process. Society and Natural Resources, v. 15, p. 41-64. 2002.

CTA. Centro de Trabalhadores da Amazônia. Apoio ao comercio justo e solidário de óleo de copaíba manejado e certificado: uma estratégia de geração de renda para pequenos produtores (as) florestais e de Conservação Ambiental no Estado do Acre. Relatório Técnico. Acervo do CTA. 2008.

ESCOBAL, J. & ALDANA, U. Are nontimber forest products the antidote to rainforest degradation? Brazil nut extraction in Madre de Dios, Peru. World Development, v. 31, N. 11, p. 1873–1887, 2003..

FARNSWORTH,N.R.; AKERELE O.; BINGEL, A.S.; SOEJARTO, D.D. and GUO Z. Medicinal plants in therapy. Bulletin of the World Health Organization, v. 63, p. 965-981. 1985.

FERRO, A. F. P.; BONACELLI, M. B. M. and ASSAD, A. L. D. Oportunidades tecnológicas e estratégias concorrenciais de gestão ambiental: o uso sustentável da biodiversidade brasileira. Rev. Gestão & Produção, v. 13, n. 3, p. 489-501, set.-dez. 2006.

HEYWOOD, V. H. & IRIONDO, J. M. Plant Conservation: old problems, news perspectives. Biological Conservation, v. 113, p. 321-335, 2003.

HIGMAN, S.& NUSSBAUM, R. How standards constrain the certification of small forest enterprises. Report for UK DFID Forestry Research Program 2002.

HUMPHRIES, S. & KAINER, K. Local Perception of Forest Certification for Community-based enterprises. Forest Ecology and Management, v. 235, p. 30-43, 2006.

JONES, E. C. McLAIN, R.J. and WEIGGAND,J. Nontimber forest products in the United States. Lawrence, Kansas: University Press of Kansas, 2002.

LIMA, A. C. B.; SPAROVEK, G. E certificar, faz diferença? Estudo de avaliação de impacto da certificação FSC/RAS. Piracicaba: Imaflora, 2009. 96 p.

LIMA, D. & POZZOBON, J. Amazônia Socioambiental. Sustentabilidade Ecológica e Diversidade Social. Dossiê Amazônia Brasileira II. Rev. Estudos Avançados, v. 19, n. 54. São Paulo, 2005.

MOLNAR, A.; SCHERR, S.J. and KHARE, A. Strategies to Protect Forests and Respect Rights. Washington D.C.: Forest Trends and Ecoagriculture. Parners, 2004.

MYERS, G.P., NEWTON, A. AND MELGAREJO, O. The influence of canopy gap size on natural regeneration of Brazil nut (Bertholletia excelsa) in Bolivia. Forest Ecol. Manag, v. 127, p. 119-128, 2000.N

NEPSTAD D, MCGRATH D, ALENCAR A, BARROS AC, CARVALHO G, SANTILLI M, DIAZ V. and MDEL C. Frontier Governance in Amazonia. Science, n. 295, 2002, p. 629-631.

PIERCE, A. R. & LAIRD, S. A. In search of comprehensive standards for non-timber forest products in the botanicals trade. International Forestry Review, v. 5(2), p. 138-147, 2003.

PINTO, L.F.G.; SHANLEY, P. and COTA GOMES, A.P. Experience with NTFP Certification in Brazil. Forest, Trees and Livelihoods, v. 18, p. 37-54, 2008.

QUEVEDO, L. Forest certification in Bolivia. In: CASHORE, B. et al. (Eds.). Confronting Sustainability: Forest Certification in Developing and Transitioning Countries. New Haven, CT: Yale School of Forestry and Environmental Studies Press, 2006.

ROBINSON, D.& BROWN, L. The SLIMFs Initiative: A Progress Report, FSC. 2002.

SHANLEY, P. et al. Além da Madeira: A Certificação de Produtos Florestais não-madeireiros. Bogor, Indonésia: Centro de Pesquisa Florestal Internacional CIFOR, 2005. 153p.

SILVA, M. A. F. Métodos e Técnicas de Pesquisa. 2. ed. Curitiba: Impex, 2005, p. 110-113.

SMARTWOOD & IMAFLORA. Resumo Público de Certificação FSC Programa Smartwood da Associação dos Seringueiros da Reserva Extrativista São Luiz do Remanso – ASSER. Capixaba, 2006. 56 p.

______________________. Resumo Público de Re - Certificação FSC Programa Smartwood da Associação Seringueira Porto Dias – ASPD. Acrelândia, 2005. 16 p.

THORNBER, K. & MARKOPOULOS, M. Certification: Its Impacts and Prospects for Community Forests, Stakeholders, and Markets. Londres: International Institute for Environment and Development (IIED), 2001.

WADT, L. H. de; KEINER, K. A. and GOMES-SILVA, D. A. P. Estrutura populacional e produtividade de Bertholletia excelsa H.B.K. no sudoeste da Amazônia. In: CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 6, 2003, Fortaleza-CE. Anais de trabalhos completos. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, p. 89-90. 2003.

WADT, L. H. O.; KAINER, K.A.; STAUDHAMMERC.L. and SERRANO, R.O.P. Sustainable forest use in Brazilian extractive reserve: Natural regeneration of Brazil nut exploited populations. Biological Conservation, v. 141, p. 332-346, 2008.

WENBAN-SMITH, M., W, NUSSBAUM R., GARFORTH M and SCRASE H. An analysis of the barriers faced by small scale farmers and communities producing timber outside a conventional forest matrix and recommendations for progress. Oxford: Proforest. 2001.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2014.1158



 

HOLOS IN THE WORLD