SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL: CONSIDERAÇÕES SOBRE DIFERENTES SISTEMAS DE MENSURAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.5916

Palavras-chave:

Sustentabilidade Corporativa, Indicadores de Sustentabilidade, Sistema de Mensuração do Desenvolvimento Sustentável (SMDS)

Resumo

A mensuração da sustentabilidade empresarial é um tema complexo e fundamental para a operacionalização do desenvolvimento sustentável na rotina diária das organizações. Por isso, inúmeros sistemas foram desenvolvidos após o alerta apresentado pela Agenda 21 Global quanto à sua importância. Apesar da existência desses vários sistemas, algumas lacunas ainda impedem a inclusão da sustentabilidade na agenda operacional das organizações, dentre elas a falta de congruência em relação ao seu conteúdo. Por isso, o objetivo deste trabalho foi desenvolver uma análise comparativa da dimensão ambiental entre diferentes sistemas de mensuração do desenvolvimento sustentável (SMDS) corporativo. Para tanto, comparou-se cinco dos principais sistemas: Global Reporting Initiative (GRI), Índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI), Indicadores Ethos de Responsabilidade Social Empresarial, Índice de Sustentabilidade Empresarial BM&F-Bovespa (ISE) e a Norma ISO 26.000. O trabalho compara diferentes níveis de profundidade na gestão da sustentabilidade empresarial e apresenta temas prioritários como Água, Energia, Resíduos, GEE e Biodiversidade. O GRI apresenta critérios mais profundos e detalhados na dimensão ambiental, sendo o único a objetivamente avaliar metas quantitativas na performance ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Adriana Maria Imperador, Universidade Federal de Alfenas

Doutora em Ciências da Engenharia Ambiental pela Universidade de São Paulo; Professora Adjunta da Universidade Federal de Alfenas, Campus Avançado de Poços de Caldas/MG.

Mauro Vitor Homem Silva, Universidade Federal de Alfenas

Mestre em Ciência e Engenharia Ambiental - UNIFAL

Referências

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2013). NBR ISO 26000:2010: Diretrizes sobre responsabilidade social. Rio de Janeiro: ABNT. Recuperado de http://www.inmetro.gov.br/qualidade/responsabilidade_social/iso26000.asp.

Barbieri, J. C., Vasconcelos, I. F. G., & Andreassi, T. (2010). Inovação e sustentabilidade: novos modelos e proposições. Revista de Administração de Empresas, 50 (2).

Bolsa de Mercadorias & Futuros – Bolsa de Valores de São Paulo. (2013). Índice de sustentabilidade empresarial. Recuperado de http://www.bmfbovespa.com.br/indices/ResumoIndice.aspx?Indice=ISE&idioma=pt-br.

Bolsa de Mercadorias & Futuros – Bolsa de Valores de São Paulo. (2013). Índice de sustentabilidade empresarial: objetivos. Recuperado de http://isebvmf.com.br/?r=site/conteudo&id=1#objetivos.

Bolsa de Mercadorias & Futuros – Bolsa de Valores de São Paulo. (2013). Metodologia do índice de sustentabilidade empresarial (ISE). Recuperado de http://www.bmfbovespa.com.br/Indices/download/ISE-Metodologia-pt-br.pdf.

Boff, L. (1995). Ecologia: grito da Terra, grito dos pobres. São Paulo: Ática.

Boisier, S. (1997). El Vuelo de una cometa. Una metáfora para una teoría de desarrollo territorial. Revista Eure, 69.

Bustami, R., Na, D., Bustami, R., A´Mmaari, S. R., Nasruddin, E. (2013). Exploring ISO 26000 and Global Reporting Initiatives (GRI): a neo-institutional analysis of two CSR institutions. International Economics Letters, 2, 10-17.

Comissão Mundial Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD). (1991). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Delai, I. (2006). Uma proposta de modelo de referência para mensuração da sustentabilidade corporativa (Dissertação de Mestrado).Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, Brasil.

Dow Jones Sustainability Index. (2013). Dow Jones sustainability world indexes guide v.7.0. Recuperado de http://www.sustainability – indeces.com.

Dow Jones Sustainability Index. (2013). Dow Jones sustainability world indexes. Recuperado de http://djindexes.com/mdsidx/downloads/fact_info/Dow_Jones_Sustainability_World_Index_Fact_Sheet.pdf.

Elkington, J. (1994). Towards the sustainable corporation: Win-win-win business strategies for sustainable development. California Management Review, 36(2).

Elkington, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books.

Ethos. (2013). Indicators of corporate social responsibility. Recuperado de http://www.ethos.org.br.

Ethos. (2014). Indicadores Ethos para negócios sustentáveis e responsáveis. Recuperado de http://www3.ethos.org.br/conteudo/iniciativas/indicadores.

Global Reporting Iniative (GRI). (2014). Sustainability reporting guidelines. Recuperado de http://www.globalreportinginitiative.org.

Global Reporting Iniative (GRI). (2014). G4: Diretrizes para relato de sustentabilidade – Princípios para relato e conteúdos padrão. Recuperado de http://www.globalreportinginitiative.org.

Goodland, R. (1995). The concept of environmental sustainability. Annual Review of Ecology and Systematics, 26(1), 1-24.

Guimarães, R. P. (1998). Aterrizando una Cometa: indicadores territoriales de sustentabilidad. Santiago do Chile: CEPAL/ILPES.

Guimarães, R. P. Feichas, S. A. Q. (2009). Desafios na construção de indicadores de sustentabilidade. Ambiente & Sociedade, 12(2).

Lamberton, G. (2005). Sustainability accounting – a brief history and conceptual framework. Accounting Forum, 29(1).

Melo, C. M. (2006). ISO 26000: Uma análise da elaboração da norma internacional de responsabilidade social (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Melo, C. M., Gomes, E. R. (2006). ISO 26000: Uma análise da norma internacional de responsabilidade social. Anais do Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia – SEGeT. Resende, RJ, Brasil, 3.

Nunes, B., Alamino, R., Shaw, D., Bernett, D. (2013). Managing sustainability performance through the system fitness concept. Working Paper.

Olsthoorn, X., Tyteca, D., Wehrmeyer, W., Wagner, M. (2001). Environmental indicators for business: a review of the literature and standardization methods. Journal of Cleaner Production, 9(5), 2000.

Ostrom, E. (2009). A general framework for analysing sustainability of social-ecological systems science. Science, 325(419).

Porter, M. E., Kramer, M. R. (2011). Creating shared value. Harvard Business Review.

Quiroga, R. (2001). Indicadores de sustentabilidad y desarrollo sostenible: estado Del arte y perspectivas. Santiago de Chile: División de Medio Ambiente y Asentamientos Humanos.

Sartori, S., Latrônico, F., Campos, L. M. S. (2014). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & Sociedade. 17(1).

Searcy, C., Karapetrovic, S., Mccartney, D. (2005). Designing sustainable development indicators: analysis for a case study. Measuring Business Excellence, 9(2).

Shrivastava, P., Berger, S. (2010). Sustainability principles: a review and directions. Organization Management Journal, 7(4).

Simons, L., Slob, A, Holswilder, H., Tukker, A. (2001). The fourth generation: new strategies call for new eco-indicators. Environmental Quality Management, (11), 51-61.

Strobel, J. S., Coral, E., Selig, P. M. (2004). Indicadores de sustentabilidade corporativa: uma análise comparativa. Anais do Encontro Anual da ANPAD. Curitiba, PR, Brasil, 28.

Unstall, D. (1994). Developing and using indicators of sustainable development in Africa: an overview, doc mimeo. The Network for Environment and Sustainable Development in Africa (NESDA), Thematic Workshop on Indicators of Sustainable Development. Banjul, Gambia: NESDA.

World Commission on Environment and Development – WECD. (1987). Our Common Future. Oxford: Oxford University Press.

Downloads

Publicado

2018-09-23

Como Citar

Imperador, A. M., & Silva, M. V. H. (2018). SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL: CONSIDERAÇÕES SOBRE DIFERENTES SISTEMAS DE MENSURAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. HOLOS, 3, 429–445. https://doi.org/10.15628/holos.2018.5916

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)