INDICADORES DE AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL EM ORGANIZAÇÕES RURAIS: UM ESTUDO DE CASO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.10228

Palavras-chave:

Indicadores. Sustentabilidade. Agronegócio

Resumo

O estudo busca identificar como um conjunto de indicadores para avaliação da sustentabilidade econômica, social e ecológica podem auxiliar no desempenho sustentável de uma organização rural, localizada na região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Para isso, adaptou-se dimensões e constructos de Martins e Cândido (2008) e Oliveira (2007) para elaboração de indicadores para análise das dimensões econômico, ecológico e social no desempenho sustentável das atividades de consumo, comércio e geral da organização rural analisada. O método do estudo baseou-se em dados quantitativos coletados por meio de pesquisa documental, observação e survey com o proprietário da organização. Os resultados apontam quais a dimensão que mais contribuiu positivamente para o Índice de Sustentabilidade Geral, foi a econômica (0,83), visto que a propriedade rural analisada apresenta, a partir dos resultados obtido, bons controles econômicos e financeiros. As dimensões sociais (0,32) e o ecológica (0,53), contribuíram em menor proporção, visto que quanto as questões ecológicas a organização é insustentável e quanto a dimensão social foi verificada a sustentabilidade intermediaria, o que remete a uma necessidade eminente de preocupação com estas duas dimensões principalmente visando o equilíbrio das três dimensões, econômica, ecológica e social. No entanto, como se verifica, mesmo assim, a organização se mostrou com sustentabilidade intermediária no índice geral (0,51), considerado o intervalo 0,5 < IS ? 0,8 de acordo com a adotada pela ONU.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tainá Kowaleski, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Maria Margarete Baccin Brizolla, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Doutora em Ciências Contábeis e Administração pela Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB. Professora do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ.

Roselaine Felipin, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Mestre em Ciências Contábeis pela Fundação Universidade Regional de Blumenal - FURB. Professora de Ciências Contábeis da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ.

Patrique Rosa Hedlund, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ.

Mestrando em Desenvolvimento Regional e Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Felipe Cavalheiro Zaluski, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutorando em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Mestre em Desenvolvimento Regional e Graduado em Administração pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ.

Daniel Knebel Baggio, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ.

Doutor em Contabilidade e Finanças pela Universidad de Zaragoza. Professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ.

Referências

Amaral, S. P. (2003). Estabelecimento de indicadores e modelo de relatório de sustentabilidade ambiental, social e econômica: uma proposta para a indústria de petróleo brasileira. 265 p. Tese de Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Engenharia. Universidade Federal do Rio de Janeiro – COOPE. Rio de Janeiro.

Barbieri, J. C. & Cajazeira, J. E. R. (2016). Responsabilidade Social Empresarial e Empresa Sustentável - Da Teoria à Prática. 3. ed. São Paulo: Saraiva.

Bellen, H. M. V. (2006). Indicadores de Sustentabilidade - Uma Análise Comparativa. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV.

Beni, M. C. (2006). Política e planejamento de turismo no Brasil. São Paulo: Aleph.

Benites, L. L. L. & Polo, E. F. (2013). A sustentabilidade como ferramenta estratégica empresarial: governança corporativa e aplicação do Triple Bottom Line na Masisa. Revista de Administração da UFSM, 6, 195-210.

Braga, C. (2011). Contabilidade Ambiental: Ferramenta para a gestão da sustentabilidade. São Paulo, SP: Editora Atlas.

Caporal, F. R. & Costabeber, J. A. (2002). Análise multidimensional da sustentabilidade. Agroecología e desenvolvimento rural sustentavél, 3(3), 70-85.

Crepaldi, S. A. (2012). Contabilidade Rural. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Creswell, J. W. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Dias, S. (2011). A Evolução da Contabilidade e a Questão Ambiental. Revista de Direito da Unigranrio, 4(1), 29-40.

Ehlers, E. M. (1994). O que se entende por agricultura sustentável? 165 p. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental. Universidade de São Paulo. São Paulo.

Elkington, J. (1994). Towards the sustainable corporation: Win-win-win business strategies for sustainable development. California Management Review, 36(2), 90-100.

Elkington, J. (2011). Sustentabilidade: canibais com garfo e faca. São Paulo: M. Books.

Figueiredo, C. B. & Filho, J. R. de F. (2009). Sustentabilidade da indústria de petróleo. In: Anais do V Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Gestão do conhecimento para a Sustentabilidade.

Garcia, D. S. S. (2012). A atividade portuária como garantidora do Princípio da sustentabilidade. Revista Direito Econômico Socioambiental. Curitiba, 3(2), 375-399.

Giordano, S. R. (2000). Gestão ambiental no sistema agroindustrial. In: Zylbersztajn D & Neves MF (Org.). Economia e gestão dos negócios agroalimentares: indústria de alimentos, indústria de insumos, produção agropecuária e distribuição.

Kesseler, N. S. et al. (2013). Práticas sustentáveis nas pequenas propriedades de agricultura familiar: um estudo de caso. Revista do Centro do Ciências Naturais e Exata, Santa Maria, 17, 67-75.

Llanillo, R. F. (2007). Indicadores de sustentabilidade da produção familiar mecanizada de grãos em modalidades de plantio direto no Norte do Paraná. 129 p. Tese de Doutorado – Programa de Pós-graduação em Agronomia. Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Lopes, V. F. (2014). Método para Avaliar a Montagem de Produtos com base no DFA no âmbito do tripé da sustentabilidade. 184 p. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

Martins, M. F. & Cândido, G.A. (2008). Índice de Desenvolvimento Sustentável para Municípios (IDSM): metodologia para análise e cálculo do IDSM e classificação dos níveis de sustentabilidade – uma aplicação no Estado da Paraíba. João Pessoa: Sebrae.

Oliveira, A. F. S. A. (2007). Sustentabilidade da Agricultura Orgânica Familiar dos Produtores Associados à APOI (Associação dos Produtores Orgânicos da Ibiapaba-CE). Revista de Geografia da UFC, 6(11), 133-141.

ONU – Organização das Nações Unidas. Índice de Desenvolvimento Humanos. (1994). Disponível em: http://www.onu-brasil.org.br/documentos_carta.php. Acesso em: 15 jan. 2020.

Richardson, R. J. (2017). Pesquisa social: métodos e técnicas. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Rossato, M. V., Trindade, L. de L. & Brondani, G. (2009). Custos ambientais: um enfoque para a sua identificação, reconhecimento e evidenciação. Revista Universo Contábil, 5(1), 72-87.

Sachs, I. (2007). Rumo à ecossocioeconomia: Teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez.

Santos, J. G. & Cândido, G. A. (2013). Sustentabilidade e agricultura familiar: um estudo de caso em uma associação de agricultores rurais. Revista de Gestão Social e Ambiental, 7(1), 70-86.

Downloads

Publicado

15/06/2021

Como Citar

Kowaleski, T., Brizolla, M. M. B., Felipin, R., Hedlund, P. R., Zaluski, F. C., & Baggio, D. K. (2021). INDICADORES DE AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DO DESEMPENHO SUSTENTÁVEL EM ORGANIZAÇÕES RURAIS: UM ESTUDO DE CASO. HOLOS, 1, 1–17. https://doi.org/10.15628/holos.2020.10228

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.