A contribuição da saúde nas múltiplas escalas do desenvolvimento regional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2019.7516

Palavras-chave:

Saúde. Território. Desenvolvimento Regional. Programa de Saúde da Família.

Resumo

O estudo investiga o ambiente da saúde e o desenvolvimento, em suas múltiplas escalas, ao olhar os complexos industriais de saúde, o Programa da Saúde da Família, ao contemplar a pesquisa exploratória e descritiva, a abordagem qualitativa, interpretando os dados coletados, da pesquisa bibliográfica e documental. Assim, o objetivo central do trabalho é identificar e analisar as relações entre a saúde e o desenvolvimento; as dimensões da saúde como um direito - a desmercantilização do seu acesso; a saúde como um bem econômico com a mercantilização da oferta de serviços e o assalariamento médico; a saúde como um espaço de acumulação de capital com a formação do complexo industrial da saúde. Não menos importante, se faz necessária à compreensão do território e suas relações com a saúde, sendo este de extrema relevância para a formulação de políticas públicas de saúde. Portanto, a dimensão territorial do desenvolvimento sofre influências das ações de saúde no território, uma vez que, é no espaço e em suas diversas escalas que as políticas se encontram e podem gerar sinergia necessária ao processo de desenvolvimento. Ainda, o presente trabalho busca evidenciar a relevância de um dos programas de maior sucesso no Brasil, o Programa de Saúde da Família, onde são analisados os impactos da articulação entre a saúde e desenvolvimento no que se refere à regionalização e descentralização preconizada pelo modelo do sistema único de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sérgio Luis Allebrandt, UNIJUÍ

Doutor em Desenvolvimento Regional (UNISC). Integra o Corpo Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Desenvolvimento Regional e faz parte do Grupo Interdisciplinar de Estudos em Gestão e Políticas Públicas, Desenvolvimento, Comunicação e Cidadania – GPDeC - Unijuí

Nedisson Luis Gessi, FEMA UNIJUÍ

Doutorando em Desenvolvimento Regional (UNIJUÍ), docente na Fundação Educacional Machado de Assis (FEMA)

Mauro Alberto Nuske, SETREM UNIJUI

Mestre em Engenharia de Produção (UFSM), Doutorando em Desenvolvimento Regional (UNIJUI), Docente na Faculdade Três de Maio (SETREM).

Aírton Adelar Mueller, UNIJUÍ

Doutorado em Sociologia (Freie Universitat - Alemanha, Brasil). Integra o Corpo Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Desenvolvimento Regional e faz parte do Grupo Interdisciplinar de Estudos em Gestão e Políticas Públicas, Desenvolvimento, Comunicação e Cidadania – GPDeC - Unijuí

Referências

Allebrandt, S. L. (2002). A Participação da Sociedade na Gestão Pública Local e na Produção das Políticas Públicas: a Atuação dos Conselhos Municipais de Ijuí – RS, de 1989 a 2000. Ijuí: Ed. Unijuí.

Andrade, M. M. de. (2003). Proposta para um resgate histórico: as fontes do SESP/FSESP no estudo das campanhas de imunização no Brasil. História, Ciência e Saúde: Manguinhos, Vol.10 (suplemento 2).

Brandão, C. A. (2012). Território e desenvolvimento: as múltiplas escalas entre o local e o global. Campinas: Unicamp.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: Promulgada em 5 de outubro de 1988.Brasília: Senador Federal.

Brasil. (1990). Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 - Lei Orgânica da Saúde Institui o Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Avaliação para melhoria da qualidade da Estratégia de Saúde da Família. Documento Técnico. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Política Nacional de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (1994). Programa de Saúde da Família. Brasília. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da família: uma estratégia para reorientação do modelo assistencial [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 1997 [citado 2018 abr 23]. 36 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cd09_16.pdf [ Links ] Acessado em outubro de 2018.

Brasil. Lei nº 12.871 de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis n. 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e n. 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras s providências. Diário Oficial da União 2013.

Bravo, M. I. (2009) Política de Saúde no Brasil. In: Mota, A. E. (Org.) [et al.]. Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. 4° Ed. São Paulo: Cortez.

Cargnin, A. P. (2014). Políticas de desenvolvimento regional no Rio Grande do Sul: vestígios, marcas e repercussões territoriais. 1ª ed. – Brasília, DF: Ministério da Integração Nacional.

Costa, V. B. A Prática Social da Convivência Escolar Entre Estudantes Deficientes Visuais e seus Docentes: o estreito caminho em direção à inclusão. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2009.

Cohn, A.(2009). Saúde da Família e SUS: Convergências e Dissonâncias. Rio de Janeiro: Beco do Azougue; São Paulo: Cedec.

Frantz, T. R. (2012). Inovação Tecnológica e Desenvolvimento: noções introdutórias e perspectivas analíticas à luz das teorias econômicas. In: Siedenberg, D. R. (Org.). Desenvolvimento Sob Múltiplos Olhares. Ijuí: Unijuí.

Furtado, C. (1964). Dialética do Desenvolvimento. Rio de Janeiro. Editora: Fundo de Cultura.

Gadelha, C. A.G.; Costa, L, S. (2013). A dinâmica do sistema produtivo da saúde: inovação e complexo econômico-industrial. Rio de janeiro: Ed. Fiocruz.

Gadelha, C. A.G.; Costa, L. S. (2011). A Saúde e territorialização na perspectiva do desenvolvimento. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro.

Gadelha, C. A.G.; Costa, L. S. (2010). A Saúde na perspectiva da Proposta de Desenvolvimento do Governo Federal. Nota Técnica. Brasília.

Gadelha, C. A. G. Desenvolvimento e Saúde. 24/09/2009. Disponível em:<http://www.brasilmaior.gov.br/artigos/1915> acessado em outubro de 2018.

Giovanella, L; Mendonça, M.H.M.de. (2008). Atenção Primária à saúde. Giovanella, L. et al. (Org). Políticas e sistema de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Gadelha, C. A. G. (2007). Desenvolvimento e Saúde: em busca de uma nova utopia. Revista Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v.19, nº 71.

Lakatos, E. M.; Marconi, M. de A. (2012). Metodologia do trabalho Científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações de trabalhos científicos, 7 Ed. São Paulo, Atlas.

Motta, L. C. de S.; Batista, R. S. (2015). Estratégia da Família: Clinica e Crítica. Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de Janeiro.

Neto, M. M. da C.(2000). A implantação da Unidade de Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de Atenção Básica.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Atenção Básica. Histórico de cobertura da saúde da família. 2016 [citado 2016 nov 7]. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/historico_cobertura_sf.php . [ Links Acessado em outubro de 2018.

Oliveira, G. B. de. (2003). Elementos endógenos do desenvolvimento regional: considerações sobre o papel da sociedade local no processo de desenvolvimento sustentável. Revista da FAE. Curitiba, v.6, n.1, p.31-37.

Oliveira, P. de T. R. de. (2005). O Sistema Único de Saúde, descentralização e a desigualdade regional: um enfoque sobre a região da Amazônia Legal. Tese apresentada na Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Rio de Janeiro.

OLIVEIRA, S. L. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisa. São Paulo: Pioneira, 1997.

OMS, Organização Mundial da Saúde. (2010). Relatório Mundial da Saúde: Financiamento dos Sistemas de Saúde o caminho para a cobertura universal.

Sachs, I. (2004). Desenvolvimento includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond.

Sen A. (2007).Teorías del desarrollo a principios del siglo XXI. In: Castellano FL, coordenador. Desarrollo: crônica de un desafio permanente. Granada: Universidad de Granada.

Sen, A. (2010). Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras.

Siedenberg, D. R. (2012). Fundamentos, Trajetórias e Abordagens Contemporâneas do Desenvolvimento, In: Siedenberg, D. R. (Org.). Desenvolvimento Sob Múltiplos Olhares. Ijuí: Unijuí.

Tenório, F. G. (2012). Cidadania e desenvolvimento local: Critérios de Análise. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Trennepohl, D. (2011). Avaliação de Potencialidades Econômicas para o Desenvolvimento Regional. Ijuí: Ed. Unijuí.

Downloads

Publicado

16/01/2020

Como Citar

Allebrandt, S. L., Thesing, N. J., Gessi, N. L., Nuske, M. A., & Mueller, A. A. (2020). A contribuição da saúde nas múltiplas escalas do desenvolvimento regional. HOLOS, 6, 1–15. https://doi.org/10.15628/holos.2019.7516

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)