REFLEXÕES SOBRE A RELAÇÃO SAÚDE E AMBIENTE: A PERCEPÇÃO DE UMA COMUNIDADE

Autores

  • Maria Assunta Busato Universidade Comunitária da Região de Chapecó
  • Lucimare Ferraz Universidade Comunitária da Região de Chapecó
  • Natacha Luana Pezzuol Frank Universidade Comunitária da Região de Chapecó

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2015.2145

Palavras-chave:

meio ambiente, saúde, comunidade, percepção

Resumo

Cada indivíduo ou coletivo percebe e interage com o ambiente de forma diferente, influenciados pela sua formação, cultura, condição socioeconômica e capacidade cognitiva. Este estudo identificou a percepção de uma população sobre o meio ambiente e a relação com a saúde. A pesquisa foi realizada com 1023 famílias e os dados obtidos por meio de um questionário estruturado. A população referiu-se à presença de lixo nas ruas embora grande parte (80,4%) garante realizar a separação. A presença de poluição da água, ar e do solo foi indicada por 42%, além da presença de animais abandonados e, a maioria (52,3%), identifica cheiro desagradável no ambiente. Os elementos que proporcionam a capacidade de percepção das condições do ambiente, explicitando situações que necessitam de melhorias, pois representam riscos à sua saúde podem ser entendidos como a capacidade de resposta que é um dos principais elementos da vulnerabilidade

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Assunta Busato, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Programa de Pós-graduação Ciências da Saúde. Área de Ciências da Saúde

Lucimare Ferraz, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Programa de Pós-graduação Ciências da Saúde. Área de Ciências da Saúde

Natacha Luana Pezzuol Frank, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Curso de Medicina - Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Referências

ARAUJO, M.C.C.; CÂNDIDO, G.A. Qualidade de vida e sustentabilidade urbana. HOLOS, ano 30, v.1, p.3-19, jan./fev. 2014.

BAY, A.M.; SILVA, V.P. Percepção ambiental de moradores do bairro de liberdade de Parnamirim/RN sobre esgotamento sanitário. HOLOS, n.27, v.3, p.97-112, mai./jun. 2011.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Vulnerabilidade ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2007.

BRASIL. VIII Conferência Nacional de Saúde. Relatório final. Brasília, 1986.

BRUZOS, G.A.S.; KAMIMURA, H.M.; ROCHA, S.A.; JORGETTO, T.A.C.; PATRÍCIO, K.P. Meio ambiente e enfermagem: suas interfaces e inserção no ensino de graduação. Saúde e Sociedade, v.20, n.2, p.462-469, abr./jun. 2011.

BUSS, P.M. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva, v.5, n.1, p.163-177, jan./jul. 2000.

CAMPONOGARA, S.; RAMOS, F.R.S.; KIRCHHOF, A.L.C. Reflexividade, conhecimento e consciência ecológica: premissas para uma ação responsável no contexto do trabalho hospitalar. Revista Latino-americana de Enfermagem, v.17, n.6, p.1-8, nov./dez. 2009.

CAMPONOGARA, S.; VIERO, C.M.; ERTHAL, G.; SILVA DIAZ, P.S.; ROSSATO, G.C.; SOAES, S.A.; PERES, R.R. Visão de profissionais e estudantes da área de saúde sobre a interface saúde e meio ambiente. Trabalho, Educação e Saúde, v.11, n.1, p.93-111, jan./abr. 2013.

COLLOT, M. Pontos de vista sobre a percepção das paisagens. Boletim de geografia teorética, v.20, n.39, p.21-31, jan. 1990.

CORRÊA, G.L.B.; GRUNSPAN, E.; LAGAGGIO, V.R. Pesquisa de ovos e oocistos em fezes de cães e gatos, em praças públicas de Santa Maria e sua importância na clínica veterinária e em saúde pública. In: Anais do Congresso Internacional de Medicina Veterinária em Língua Portuguesa, Salvador, 1993.

CUTTER, S.L.; BORUFF, B.J.; SHIRLEY, W. L. Social Vulnerability to Environmental Hazards. Social Science Quarterly, v.84, n.2, p.242-261, jun. 2003.

FAHEL, M.; CAMPOS, M.; ARAÚJO, C. Configuração (dilemas) dos riscos ambientais e de saúde: tendências e perspectivas no Brasil. InterfacEHS, v.1, n.2, artigo 6, dez. 2006.

FONSECA, A.F.Q. Ambiente e saúde: visão de profissionais da saúde da família. Revista Ambiente & Sociedade, v. XV, n.2, p.133-50, maio./ago. 2012.

FREITAS, C.M. Problemas ambientais, saúde coletiva e ciências sociais. Ciência & Saúde Coletiva, v.8, n.1, p.137-150, jan./mar. 2003.

FREITAS, C.M.; OLIVEIRA, S.G.; SCHÜTZ, G.E.; FREITAS, M.B.; CAMPONOVO, M.P.G. Ecosystem approaches and health in Latin America. Cadernos de Saúde Pública, v.23, n.2, p.283-296, fev. 2007.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 29 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

GOUVEIA, N.; FREITAS, C.U.; MARTINS, L.C.; MARCILIO, I.O. Hospitalizações por causas respiratórias e cardiovasculares associadas à contaminação atmosférica no Município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v.22, n.12, p.2669-2677, dez. 2006.

GUEDES, F.A.F.; FRANCO, M.W.; MAIA-BARBOSA, P.; DRUMOND, M.A.; BARBOSA, F.A.R. Percepção ambiental dos moradores de São José do Goiabal sobre o parque estadual do Rio Doce: a influência das variáveis gênero, idade, classe social e escolaridade. Pesquisa em Educação Ambiental, v.8, n.1, p.51-61, jan./jul. 2013.

HERCULANO, S.; PORTO, M.F.S.; FREITAS, C.M. (Org.). Introdução: qualidade de vida e riscos ambientais como campo interdisciplinar em construção. In: Qualidade de Vida e Riscos Ambientais. Niterói: EdUFF, 2000. 334p.

JACOBI, P. Environmental problems facing urban households in the city of São Paulo, Brazil. Stockholm: Stockholm Environment Institute, 1995.

LEFF, E. Epistemologia Ambiental. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LERMEN, H.S.; FISHER, P.D. Percepção ambiental como fator de saúde Pública em área de vulnerabilidade social no Brasil. Revista APS, v.13, n.1, p.62-71, jan./mar. 2010.

MILANO, A.M.F.; OSCHEROV, E.B. Contaminación por parasitos caninos de importancia zoonotica en playas de la ciudad de Corrientes, Argentina. Parasitología Latinoamericana, v.57, n.3-4, p.119-123, jul. 2002.

MINAYO, M.C.S. Saúde e ambiente: uma relação necessária. In: MINAYO et al. (orgs.). Tratado de Saúde Coletiva. 2ª ed. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2009.

MONKEN, M.; BARCELLOS, C. Vigilância em saúde e território utilizado: perspectivas teóricas. Cadernos de Saúde Pública, v.21, n.3, p. 898-906, maio./jun. 2005.

MONTEIRO, C.A.; NAZARIO, C.L. Evolução de condicionantes ambientais da saúde na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Revista de Saúde Pública, v.34, n.6, p.13-18, nov./dez. 2000.

REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 1994.

SCLIAR, M. História do conceito de saúde. Physis. Revista de Saúde Coletiva, v.17, n.1, p. 29-41, jan./abr. 2007.

SILVA, C.M. A história cultural: um diálogo entre Alain Corbin e Norbert Elias. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, v. 9, n. 1, jan/abr. 2012.

SILVA, C.A.F.; MALAFAIA, G.; VEIGA, B.G.A. CASTRO, A.L.A. Vulnerabilidade ambiental e social: estudo de caso em um bairro no município de Sales-SP. HOLOS, v.4, Ano 28, p.45-54, jul./ago. 2012.

SILVA, A.L. Da ecologia social à educação ambiental: as contribuições do pensamento libertário de Murray Bookchin. Dissertação 176f. (Mestrado em Educação Ambiental). Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande, 2007.

TAMBELLINI, A.T.; CÂMARA, V.M. A temática saúde e ambiente no processo de desenvolvimento do campo da saúde coletiva: aspectos históricos, conceituais e metodológicos. Ciência & Saúde Coletiva, v.3, n.2, p.47-59, ago./dez. 1998.

VASCO, A.P.; ZAKRZEVSKI, S.B.B. O estado da arte das pesquisas sobre percepção ambiental no Brasil. Perspectiva, v.34, n.125, p.17-28, mar. 2010.

VIANNA, M.S.R. Legislação de apoio ao controle de zoonoses. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Saúde, 2003.

WALTNER-TOEWS, D. An ecosystem approach to health and its implications to

tropical and emerging diseases. Cadernos de Saúde Pública, v 17, (Suplemento), p.7-36, 2001.

Downloads

Publicado

11/12/2015

Como Citar

Busato, M. A., Ferraz, L., & Frank, N. L. P. (2015). REFLEXÕES SOBRE A RELAÇÃO SAÚDE E AMBIENTE: A PERCEPÇÃO DE UMA COMUNIDADE. HOLOS, 6, 460–471. https://doi.org/10.15628/holos.2015.2145

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)