DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS EM UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

Maria Assunta Busato, Maira Cristina Ferigollo

Resumo


 

Um terço dos alimentos produzidos no mundo é desperdiçado a cada ano, e ainda não há consciência social sobre a grande quantidade de resíduos orgânicos gerados e que poderiam ser aproveitados. O objetivo deste estudo foi identificar o que dispõe a literatura brasileira sobre as sobras e resto-ingesta em Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) relativa ao período de 2003 a 2014. O estudo utiliza como método a revisão integrativa da literatura. As estratégias de busca foram realizadas com Descritores em Ciências da Saúde (DeCS), os quais foram cruzados na Língua Portuguesa, na BVS: “Desperdício de alimentos”, e os termos “resto-ingesta”, “UAN”, “Nutrição” e “Sobra”. A coleta de dados ocorreu durante o mês de junho de 2015. Foram encontrados 49 estudos, dos quais 42 foram repetidos em mais de um local e um estudo era revisão sistemática. Assim, 6 publicações que abordavam o tema proposto foram selecionadas. Os artigos foram sistematizados em duas categorias: “sobras de alimentos” e “resto-ingesta”. Concluiu-se que o controle de sobras e resto-ingesta para se tornar efetivo deve ter o planejamento diário da quantidade das preparações, com base no número de refeições servidas na UAN, a fim de evitar excessos de produção, a capacitação dos funcionários para padronização de receitas e seguimento de fichas técnicas, garantir que as preparações sejam disponibilizadas em vasilhames e utensílios adequados, além de utilizar pesquisa de satisfação do cliente para conhecer as preferências. Verificou-se que a falta de conscientização e capacitação dos colaboradores envolvidos no processo pode resultar em prejuízo para o estabelecimento. Estudos buscaram identificar estratégias para redução do desperdício através da realização contínua de campanhas para conscientização dos clientes.


 

 


Palavras-chave


Alimentos; sustentabilidade; meio ambiente

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, E. S., Spinelli, M. G. N. & Pinto, A. M. S. (2003). Gestão de unidades de alimentação e nutrição: um modo de fazer. São Paulo: Metha.

Abreu, E. S., Simony, R. F., Dias, D. H. S. & Ribeiro, F. R. O. (2012). Avaliação do esperdício alimentar na produção e distribuição de refeições de um hospital de São Paulo. Simbio-Logias, 5(7), 42-50.

Augustini, V. C. M., Kishimoto, P., Tescaro, T. C. & Almeida, F. Q. A. (2008). Avaliação do índice de resto-ingesta e sobras em unidade de alimentação e nutrição (UAN) de uma empresa metalúrgica na Cidade de Piracicaba-SP. Simbio-Logias, 1(1), 99-110.

Busato, M. A., Ferraz, L. & Frank, N. L. P. (2015). Reflexões sobre a relação saúde e ambiente: a percepção de uma comunidade. HOLOS, 6(31), 460-471.

Castro, M. D. A. S., Oliveira, L. F. & Passamani, L. (2003). Resto-Ingesta e aceitação de refeições em uma Unidade de Alimentação e Nutrição. Higiene Alimentar, 17(114/115), 24-28.

Ganong, L. H. (1987). Integrative reviews of nursing. Nurs Health, 10(1), 1-11.

Gomes, G. S. & Jorge, M. N. (2012). Avaliação do índice de resto-ingestão e sobras em uma unidade produtora de refeição comercial em Ipatinga-MG. Nutrir Gerais, 6(10), 857-868.

Hirschbruch, M. D. (1988). Unidades de Alimentação e Nutrição: desperdício de alimentos x qualidade da produção. Higiene Alimentar, 12(55), 12-14.

Mendes, K. D. D., Silveira, R. C. C. P. & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, 17(4), 758-764.

Martins, M. T. S., Epstein, M. & Oliveira, D. R. M. (2006). Parâmetros de controle e/ou monitoramento da qualidade do serviço empregado em uma unidade de alimentação e nutrição. Higiene Alimentar, 20(112), 52-57.

Mezomo, I. F. B. (2002). O serviço de alimentação. In: Mezomo, I. B. Os serviços de alimentação: planejamento e administração (pp. 140-186). São Paulo: Manole.

Moura, R. L., Rodrigues, S. S., Araújo, E. M. S., Nascimento, F. R. L. N., Neto, J. B. R. & Stopelle, K. R. S. (2012). Avaliação do índice de resto ingestão e sobras em unidade de alimentação e nutrição localizada no campus picos do Instituto federal do Piauí. Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação, Palmas, TO, 6.

Oliveira, D. A., Oliveira, J. L. & Pereira, K. N. (2017). Análise dos principais fatores de desperdício em uma Unidade de Alimentação e Nutrição – UAN. SOUTH AMERICAN Journal of Basic Education, Tecnical and Tecnological, 1(1), 234-239.

Ribeiro, H., Jaime, P. C., Ventura, D. (2017). Alimentação e sustentabilidade. Estudos Avançados. 31(89), 185-198.

Ricarte, M. P. R., Fé, M. A. B. M., Santos, I. H. V. S. & Lopes, A. K. M. (2008). Avaliação do desperdício de alimentos em uma Unidade de Alimentação e Nutrição Institucional em Fortaleza – CE. Revista Saber Científico, 1(1), 158-175.

Santos, C. M. M., Simões, S. J. C. & Martens, I. S. H. (2006). O gerenciamento de resíduos sólidos no curso superior de tecnologia em gastronomia. Nutrição em Pauta, 14(77), 44-49.

Silvério, G. A. & Oltramari, K. (2014). Desperdício de alimentos em Unidades de Alimentação e Nutrição brasileiras. Ambiência Guarapuava, 10(1), 125-133.

Silva, Jr. E. A. & Teixeira, R. P. A. (2007) Manual de procedimentos para utilização de sobras alimentares. Recuperado em: 31, outubro, 2016..

Silva, F. M., Bertini, L. M., Alves, L. A., Barbosa, P. T., Moura, L. F. & Macêdo, C. S. (2015). Implicações e possibilidades para o ensino a partir da construção de biodigestor no IFRN – Campus Apodi. HOLOS, 6(31), 315-327.

Siqueira, M. F. C., Cavalcante, T. S. L., Leme, P. C. S., Santos, F. C. A. & Oladeinde, T. O. (2007). Projeto educativo para minimização de resíduos sólidos no restaurante universitário da USP/São Carlos: a importância da continuidade. In: Simpósio Engenharia de Produção, São Carlos: SIMPEP, 12.

Soares, I. C. C., Silva, E. R., Priore, S. E., Ribeiro, R. C. L., Pereira, M. M. L. S. & Sant’ana, H. M. P. (2011). Quantificação e análise do custo da sobra limpa em unidades de alimentação e nutrição de uma empresa de grande porte. Revista Nutrição, 24(4), 593-604.

Vaz, C. S. (2006). Restaurantes: controlando custos e aumentando lucros. Brasília: Célia Vaz.

Viana, R. M. & Ferreira, L. C. (2017). Avaliação do desperdício de alimentos em unidade de alimentação e nutrição cidade de Januária, MG. Higiene Alimentar, 31(266/267), 22-26.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2018.4081



 

HOLOS IN THE WORLD