DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS EM UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2018.4081

Palavras-chave:

Alimentos, sustentabilidade, meio ambiente

Resumo

 

Um terço dos alimentos produzidos no mundo é desperdiçado a cada ano, e ainda não há consciência social sobre a grande quantidade de resíduos orgânicos gerados e que poderiam ser aproveitados. O objetivo deste estudo foi identificar o que dispõe a literatura brasileira sobre as sobras e resto-ingesta em Unidade de Alimentação e Nutrição (UAN) relativa ao período de 2003 a 2014. O estudo utiliza como método a revisão integrativa da literatura. As estratégias de busca foram realizadas com Descritores em Ciências da Saúde (DeCS), os quais foram cruzados na Língua Portuguesa, na BVS: “Desperdício de alimentos”, e os termos “resto-ingesta”, “UAN”, “Nutrição” e “Sobra”. A coleta de dados ocorreu durante o mês de junho de 2015. Foram encontrados 49 estudos, dos quais 42 foram repetidos em mais de um local e um estudo era revisão sistemática. Assim, 6 publicações que abordavam o tema proposto foram selecionadas. Os artigos foram sistematizados em duas categorias: “sobras de alimentos” e “resto-ingesta”. Concluiu-se que o controle de sobras e resto-ingesta para se tornar efetivo deve ter o planejamento diário da quantidade das preparações, com base no número de refeições servidas na UAN, a fim de evitar excessos de produção, a capacitação dos funcionários para padronização de receitas e seguimento de fichas técnicas, garantir que as preparações sejam disponibilizadas em vasilhames e utensílios adequados, além de utilizar pesquisa de satisfação do cliente para conhecer as preferências. Verificou-se que a falta de conscientização e capacitação dos colaboradores envolvidos no processo pode resultar em prejuízo para o estabelecimento. Estudos buscaram identificar estratégias para redução do desperdício através da realização contínua de campanhas para conscientização dos clientes.


 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maria Assunta Busato, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Programa de Pós-graduação Ciências da Saúde

Maira Cristina Ferigollo, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Pós-graduação Gestão em Nutrição e Gastronomia

Área de Ciências da Saúde

Referências

Abreu, E. S., Spinelli, M. G. N. & Pinto, A. M. S. (2003). Gestão de unidades de alimentação e nutrição: um modo de fazer. São Paulo: Metha.

Abreu, E. S., Simony, R. F., Dias, D. H. S. & Ribeiro, F. R. O. (2012). Avaliação do esperdício alimentar na produção e distribuição de refeições de um hospital de São Paulo. Simbio-Logias, 5(7), 42-50.

Augustini, V. C. M., Kishimoto, P., Tescaro, T. C. & Almeida, F. Q. A. (2008). Avaliação do índice de resto-ingesta e sobras em unidade de alimentação e nutrição (UAN) de uma empresa metalúrgica na Cidade de Piracicaba-SP. Simbio-Logias, 1(1), 99-110.

Busato, M. A., Ferraz, L. & Frank, N. L. P. (2015). Reflexões sobre a relação saúde e ambiente: a percepção de uma comunidade. HOLOS, 6(31), 460-471.

Castro, M. D. A. S., Oliveira, L. F. & Passamani, L. (2003). Resto-Ingesta e aceitação de refeições em uma Unidade de Alimentação e Nutrição. Higiene Alimentar, 17(114/115), 24-28.

Ganong, L. H. (1987). Integrative reviews of nursing. Nurs Health, 10(1), 1-11.

Gomes, G. S. & Jorge, M. N. (2012). Avaliação do índice de resto-ingestão e sobras em uma unidade produtora de refeição comercial em Ipatinga-MG. Nutrir Gerais, 6(10), 857-868.

Hirschbruch, M. D. (1988). Unidades de Alimentação e Nutrição: desperdício de alimentos x qualidade da produção. Higiene Alimentar, 12(55), 12-14.

Mendes, K. D. D., Silveira, R. C. C. P. & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, 17(4), 758-764.

Martins, M. T. S., Epstein, M. & Oliveira, D. R. M. (2006). Parâmetros de controle e/ou monitoramento da qualidade do serviço empregado em uma unidade de alimentação e nutrição. Higiene Alimentar, 20(112), 52-57.

Mezomo, I. F. B. (2002). O serviço de alimentação. In: Mezomo, I. B. Os serviços de alimentação: planejamento e administração (pp. 140-186). São Paulo: Manole.

Moura, R. L., Rodrigues, S. S., Araújo, E. M. S., Nascimento, F. R. L. N., Neto, J. B. R. & Stopelle, K. R. S. (2012). Avaliação do índice de resto ingestão e sobras em unidade de alimentação e nutrição localizada no campus picos do Instituto federal do Piauí. Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação, Palmas, TO, 6.

Oliveira, D. A., Oliveira, J. L. & Pereira, K. N. (2017). Análise dos principais fatores de desperdício em uma Unidade de Alimentação e Nutrição – UAN. SOUTH AMERICAN Journal of Basic Education, Tecnical and Tecnological, 1(1), 234-239.

Ribeiro, H., Jaime, P. C., Ventura, D. (2017). Alimentação e sustentabilidade. Estudos Avançados. 31(89), 185-198.

Ricarte, M. P. R., Fé, M. A. B. M., Santos, I. H. V. S. & Lopes, A. K. M. (2008). Avaliação do desperdício de alimentos em uma Unidade de Alimentação e Nutrição Institucional em Fortaleza – CE. Revista Saber Científico, 1(1), 158-175.

Santos, C. M. M., Simões, S. J. C. & Martens, I. S. H. (2006). O gerenciamento de resíduos sólidos no curso superior de tecnologia em gastronomia. Nutrição em Pauta, 14(77), 44-49.

Silvério, G. A. & Oltramari, K. (2014). Desperdício de alimentos em Unidades de Alimentação e Nutrição brasileiras. Ambiência Guarapuava, 10(1), 125-133.

Silva, Jr. E. A. & Teixeira, R. P. A. (2007) Manual de procedimentos para utilização de sobras alimentares. Recuperado em: 31, outubro, 2016.<http://www.sescsp.org.br/sesc/mesabrasilsp/biblioteca/Manual_Procedimentos_Utili zacao_Sobras.doc>.

Silva, F. M., Bertini, L. M., Alves, L. A., Barbosa, P. T., Moura, L. F. & Macêdo, C. S. (2015). Implicações e possibilidades para o ensino a partir da construção de biodigestor no IFRN – Campus Apodi. HOLOS, 6(31), 315-327.

Siqueira, M. F. C., Cavalcante, T. S. L., Leme, P. C. S., Santos, F. C. A. & Oladeinde, T. O. (2007). Projeto educativo para minimização de resíduos sólidos no restaurante universitário da USP/São Carlos: a importância da continuidade. In: Simpósio Engenharia de Produção, São Carlos: SIMPEP, 12.

Soares, I. C. C., Silva, E. R., Priore, S. E., Ribeiro, R. C. L., Pereira, M. M. L. S. & Sant’ana, H. M. P. (2011). Quantificação e análise do custo da sobra limpa em unidades de alimentação e nutrição de uma empresa de grande porte. Revista Nutrição, 24(4), 593-604.

Vaz, C. S. (2006). Restaurantes: controlando custos e aumentando lucros. Brasília: Célia Vaz.

Viana, R. M. & Ferreira, L. C. (2017). Avaliação do desperdício de alimentos em unidade de alimentação e nutrição cidade de Januária, MG. Higiene Alimentar, 31(266/267), 22-26.

Downloads

Publicado

2018-02-09

Como Citar

Busato, M. A., & Ferigollo, M. C. (2018). DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS EM UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA. HOLOS, 1, 91–102. https://doi.org/10.15628/holos.2018.4081

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.