ESTABILIDADE FÍSICO-QUÍMICA DE IOGURTES CAPRINOS ADOÇADOS COM MÉIS DE DIFERENTES FLORADAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9453

Palavras-chave:

Apis mellifera L., estocagem, leite fermentado, prebióticos

Resumo

A valorização de alimentos regionais, como o mel e leite caprino, pode acelerar o desenvolvimento social e crescimento econômico de regiões produtoras no Brasil. Objetivou-se com esta pesquisa elaborar e avaliar a estabilidade físico-química durante o armazenamento de iogurtes de leite caprino adoçados com méis de diferentes floradas. Os iogurtes de leite de cabra com inulina (5%) como agente prebiótico foram elaborados, sem adição de mel (padrão) e com adição de mel das floradas silvestre (sem florada predominante), marmeleiro (Croton sonderianus) e juazeiro (Zizyphus joazeiro Mart). Os iogurtes foram avaliados em 5 tempos, durante 40 dias de armazenamento (4 °C) quanto aos parâmetros de extrato seco, cinzas, pH e acidez total. O méis atenderam a todos os parâmetros preconizados pela legislação. A adição de mel nos iogurtes caprinos promoveu o aumento dos valores de extrato seco total e redução dos valores de cinzas, pH e acidez. Durante o armazenamento ocorreu redução dos valores de extrato seco total, cinzas e pH e elevação dos valores de acidez. Os iogurtes apresentaram comportamento físico-químico semelhante durante o armazenamento, destacando-se aqueles adicionados com mel de juazeiro e marmeleiro. Infere-se que os produtos sofreram alterações significativas, sendo necessárias análises complementares para atestar a viabilidade mercadológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Marina Beatriz de Carvalho Lima, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Técnica em Alimentos pelo IFRN, campus Pau dos Ferros-RN.

Emanuel Neto Alves de Oliveira, Instituto Federal do Rio Grande do Norte

Graduado em Tecnologia de Alimentos pela Faculdade de Tecnologia CENTEC - Cariri (2009). Especialista em Ensino de Química pela Universidade Regional do Cariri (2009) e em Ciência dos Alimentos pela Universidade Federal de Pelotas (2012). Mestre (2012) e Doutor (2016) em Engenharia Agrícola na Área de Concentração em Processamento e Armazenamento de Produtos Agrícolas pela Universidade Federal de Campina Grande. Possui Pós-Doutorado em Engenharia Química pela Universidade de Coimbra, Portugal (2018) na área de Tecnologia e Controle de Qualidade de Vinhos. É Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), lotado no Campus Pau dos Ferros/RN. Possui experiência na área de Engenharia Agrícola e Ciência e Tecnologia de Alimentos, atuando principalmente nos seguintes temas: Secagem e Armazenamento de Produtos Agrícolas, Processamento de Alimentos de Origem Vegetal e Animal, Análises Físicas e Químicas de Alimentos e Controle de Qualidade.

Bruno Fonsêca Feitosa, Universidade Federal de Campina Grande

Técnico em Alimentos pelo IFRN, campus Pau dos Ferros-RN (2016). Graduando no curso de Engenharia de Alimentos pela UATA/CCTA/UFCG, campus Pombal-PB (2017.1). Foi bolsista pelo Parque Tecnológico da Paraíba (PaqTcPB) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Atuou como membro da CONSUALI Empresa Júnior de Alimentos e estagiário voluntário do Laboratório de Tecnologia de Grãos e Cereais (LTGC). Pesquisa na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, portando experiência em análises e controle de qualidade de alimentos, tecnologia e processamento de frutas, desenvolvimento de novos produtos e aproveitamento de resíduos agroindustriais.

Regilane Marques Feitosa, Instituto Federal de Alagoas

Possui graduação em Tecnologia de Alimentos pelo Instituto Centro de Ensino Tecnológico. Mestrado e doutorado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Campina Grande e Pós- Doutorado em Engenharia de Processos pela Universidade federal de Campina Grande. Foi estagiária na Embrapa Algodão no campo experimental de Barbalha nas atividades de pesquisa e desenvolvimento. Trabalhou na vigilância sanitária do Juazeiro do Norte-CE. Atualmente é técnica no Instituto Federal de Alagoas, atuando nos laboratórios de físico-química, processamento de alimentos e microbiologia.

Pedro Victor Crescêncio de Freitas, Universidade Federal de Campina Grande

Técnico em Alimentos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e discente do curso de Engenharia de Alimentos da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Centro de Ciência e Tecnologia Agroalimentar campus - Pombal ? PB. Faz parte do grupo de pesquisa do Centro Vocacional Tecnológico-CVT. Atual Diretor Presidente da Empresa Júnior CONSUALI, do Curso de Engenharia de Alimentos da UFCG campus de Pombal. Coordenador de Gestão Estratégica do CREA JÚNIOR Paraíba. Monitor de da disciplina Higiene na Industria de Alimentos. Tem experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, atuando principalmente nos seguintes temas: Processamento de Frutas Tropicais, Analises de Alimentos, Condições Higiênico Sanitárias, Aproveitamento de Resíduos Agroindustriais, Elaboração de Produtos e Bebidas Alcoólicas e não alcoólicas, tecnologia de grãos e cereais, elaboração e adequação de rótulos em alimentos.

Referências

Abadio Finco FDB, Moura LL, Silva IG. Propriedades físicas e químicas do mel de Apis mellifera L. Ciênc Tecnol Aliment [periódico na internet], 2010; 30(3):706-712.

Alves LL, Richards NSPS, Becker LV, Andrade DF, Milani LIG, Rezer APS, Scipioni GC. Aceitação sensorial e caracterização de frozen yogurt de leite de cabra com adição de cultura probiótica e prebiótico. Cienc. Rural [periódico na internet], 2009, 39(9):2595-2600.

Braga ACC, Neto EFA, Vilhena MJV. Elaboração e caracterização de iogurtes adicionados de polpa e de xarope de Mangostão. Rev Bras Prod Agroindustriais [periódico na internet], 2012;14(1):77-84.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n. 11, de 20 de outubro de 2000. Regulamento técnico de identidade e qualidade do mel. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil. 2000 Out 11.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n. 46, de 23 de outubro de 2007. Regulamento técnico de identidade e qualidade de leites fermentados. Diário Oficial da União, 2007, 24 out. 2007, Seção 1, pág. 4.

Brasil. Ministério da Agricultura. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Laboratório Nacional de Referência Animal (LANARA). Portaria nº 01, de 07 de outubro de 1981. Métodos analíticos para controle de produtos de origem animal e seus ingredientes: Métodos Físicos e Químicos. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 13 out. 1981.

Escobar ALS, Xavier FB. Propriedades fitoterápicas do mel de abelhas. Revista UNINGÁ [periódico na internet], 2013;(37):159-172.

Farias PKS, Nogueira GAB, Santos SGA, Prates RP, Silva JCRL, Souza CN. Contagem de bactérias lácticas em iogurtes comerciais. Caderno de Ciências Agrárias [periódico na internet], 2016;8(3):38-44.

Feitosa VBD, Oliveira ENA, Souza RLA, Feitosa BF, Feitosa RM. Estabilidade físico-química de iogurtes adoçados com mel de abelha Apis mellifera L. Ci. Anim. Bras. [periódico na internet], 2020;21:1-9.

Guerra MJ, Mujica MV. Propriedades físicas e químicas de rapaduras granuladas. Ciênc Tecnol Aliment [periódico na internet], 2010; 30(1):250-257.

IAL. Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 1ª ed. Digital. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz; 2008, 1018p.

Jacopini LA, Martins EN, Lourenço DAL, Deróide CAS. Leite de cabra: características e qualidades. Rev ACTA Tecnológica [períódico na internet], 2011; 6(1):168- 180.

Jaffe W. Nutritional and functional components of non centrifugal cane sugar: A compilation of the data from the analytical literature. J. Food Compos. Anal [periódico na internet], 2015; 43(1):194-202.

Lacerda JJJ, Santos JS, Santos SA, Rodrigues GR, Santos MLP. influence of physicochemical and elemental composition on honey colors produced by Apis mellifera in southwest bahia using multivariate analysis. Química Nova [periódico na internet], 2010;33(5):1022-1026.

Mazloomi SM, Shekarforoush SS, Ebrahimnejad H, Sajedianfard J. Effect of adding inulin on microbial and physicochemical properties of low fat probiotic yogurt. Iran J Vet Res, Shiraz University [periódico na internet]. 2011;12(2):93-98.

Moraes FJ, Garcia RC, Vasconcelos E, Camargo SC, Pires BG, Hartleben AM, Liesenfeld F, Pereira DJ, Mittanck ES, Giasson J, Gremaschi JR. Caracterização físico-química de amostras de mel de abelha africanizada dos municípios de Santa Helena e Terra Roxa (PR). Arq Bras Med Vet Zootec [periódico na internet]. 2014;66(4):1269-1275.

Oliveira ENA, Santos DC. Análise físico-química de méis de abelhas africanizada e nativa. Rev Inst Adolfo Lutz [periódico na internet]. 2011;70,(2):132-138.

Périco E, Tiuman TS, Lawich MC, Kruger RL. Avaliação microbiológica e físico-química de méis comercializados no município de Toledo, PR. Rev Cienc Exatas Nat [periódico na internet]. 2011;13(3): 365-382.

Pimentel TC, Garcia S, Prudencio SH. Aspectos funcionais, de saúde e tecnológicos de frutanos tipo inulina. Bol Centro Pesqui Process Aliment [periódico na internet]. 2012a;30(1):103-118.

Pimentel TC, Garcia S, Prudencio SH. Probiotic yoghurt with inulin-type fructans of different degrees of polymerization: physicochemical and microbiological characteristics and storage stability. Semina: Ciênc Agrár [periódico na internet]. 2012b;33(3):1059-1070.

Quintino SS. Avaliação comparativa de iogurte produzido a partir da polpa natural de maracujá (Passiflora edulis Sims f. flavicarpa Deg.) e suco artificial. Encicl Biosf [periódico na internet], 2012;8(14):1830-1842.

Santos BM, Oliveira MEG, Sousa YRF, Madureira ARMFM, Pintado MME, Gomes AMP, Souza EL, Queiroga RCRE. Caracterização físico-química e sensorial de queijo de coalho produzido com mistura de leite de cabra e de leite de vaca. Rev Inst Adolfo Lutz [periódico na internet], 2011;70(3):302-310.

Santos DC, Moreira AS, Oliveira ENA, Santos YMG. Elaboração de bebida tipo néctar de graviola adoçada com mel de Apis mellífera. Revista Caatinga [periódico na internet], 2014; 27(4):216-225.

SBF. Sociedade Brasileira de Farmacognosia. Análise de mel; 2009. Disponível em: <http://www.sbfgnosia.org.br/Ensino/analise_mel.html>. Acesso 2018 Nov 02.

Silva AGF, Bessa MM, Silva JR. Elaboração e caracterização físico-química e sensorial de iogurte light prebiótico adoçado com mel. Rev Inst Laticínios Cândido Tostes [periódico na internet]. 2017;72(2):74-84.

Silva FAZ, Azevedo CAV. The assistat software version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. Afr J Agr Res [periódico na internet]. 2016;11(39):3733-3740.

Yucel YE, Sultanoglu P. Characterization of Hatay honeys according to their multi-element analysis using ICP-OES combined with chemometrics. Food Chemistry [periódico na internet], 2013;140(1-2), 231237.

Downloads

Publicado

19/08/2020

Como Citar

Lima, M. B. de C., Oliveira, E. N. A. de, Feitosa, B. F., Feitosa, R. M., & Freitas, P. V. C. de. (2020). ESTABILIDADE FÍSICO-QUÍMICA DE IOGURTES CAPRINOS ADOÇADOS COM MÉIS DE DIFERENTES FLORADAS. HOLOS, 5, 1–12. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9453

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)