POR UM CAMINHO PARA O ENSINO DA EPISTEMOLOGIA NA ADMINISTRAÇÃO – UMA CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.8139

Palavras-chave:

Epistemologia, Doutorado, Ensino, Administração.

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi relatar uma experiência de construção inicial da disciplina de Epistemologia de um doutorado de administração numa universidade privada do Nordeste do Brasil, a partir da conexão entre epistemologia, metodologias e textos contemporâneos de áreas do conhecimento com temáticas transversais, reconhecidos do ponto de vista acadêmico e que faziam sentido para os orientadores das teses de doutorado. O referencial de análise da pesquisa tem como principais menções textos da Filosofia e ciências transversais. Trata-se de um estudo exploratório, em aberto, inspirado nos pressupostos da Dialética, e possui abordagem qualitativa. Configura-se como um estudo de caso, tendo como procedimentos: o diálogo, a observação participante, a pesquisa documental, a entrevista estruturada e a semiestruturada, e a análise de conteúdo. Os resultados apontaram para o enriquecimento da disciplina de Epistemologia ao longo de dois anos e o engajamento dos alunos e professores na construção de conteúdos relevantes para a disciplina. Verificou-se, no entanto, resistência de alguns professores orientadores para utilização da Filosofia da Ciência na construção das teses de doutorado dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lydia Maria Pinto Brito, Universidade Potiguar/Programa de Pós-Graduação em Administração.

Doutora em Educação e Mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará. Graduada em Serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará. Professora do Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade Potiguar.

Ahiram Brunni Cartaxo de Castro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN, RN) e Universidade Potiguar (UNP, RN).

Doutorando em Administração e Mestre em Administração pela Universidade Potiguar (UNP, RN). Graduado em Administração pela Universidade Potiguar (UNP, RN). Administrador no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN, RN).

Juliana Carvalho de Sousa, Universidade Potiguar e Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Doutoranda em Administração pela Universidade Potiguar. Mestre em Administração pela Universidade Estadual do Ceará e graduada em Administração pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Professora Substituta de Administração na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.

Rafael de Albuquerque Figueiró, Universidade Potiguar/Programa de Pós-Graduação em Administração. Professor do Mestrado Profissional em Psicologia Organizacional e do Trabalho.

Doutor, mestre e graduado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

Bachelard, G. (1996). A formação do espírito científico. Rio de janeiro: Contraponto.

Bourdieu, P. (2003). O poder simbólico. 6ª. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Burrell, G., & Morgan, G. (2017). Sociological paradigms and organisational analysis: Elements of the sociology of corporate life. Routledge.

Burrell, G., & Morgan, G. (1979). Sociological paradigms and organisational analysis: Elements of the sociology of corporate life. Vermont: Ashgate.

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plataforma Sucupira. Brasília. Recuperado em 10 novembro, 2018, de http://www.capes.gov.br/avaliacao/plataforma-sucupira.

Bruyne, P. de, Herman, J., & Schoutheete, M. de. (1991). Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os polos da prática metodológica. 5ª. ed. Rio de Janeiro: F. Alves.

Cellard, A. (2012). A análise documental. In Poupart, J. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes.

Câmara, H. C., Fonseca, A. S. de S., & Souza, K. C. A. (2014). Notas Introdutórias sobre a formação do sujeito em Zigmunt Bauman e Edgar Morin. HOLOS, 30(1), 290-297. Doi: 10.15628/holos.2014.1621.

Costa, F. D. (2011). Mensuração e desenvolvimento de escalas: aplicações em administração. Rio de Janeiro: Ciência Moderna.

Chesnais, F. (1996). A mundialização do capital. São Paulo: Xamã.

Creswell, J. W. (2002). Educational research: Planning, conducting, and evaluating quantitative. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall.

Dana, L. P., & Dumez, H. (2015). Qualitative research revisited: epistemology of a comprehensive approach. International Journal of Entrepreneurship and Small Business, 26(2), 154-170. Doi: 10.1504/IJESB.2015.071822.

Dawkins, R. (2017). O gene egoísta. Editora Companhia das Letras.

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto Editora.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (Eds.). (2011). The SAGE handbook of qualitative research. Sage.

Ferraz, D. L. D. S., Chaves, R. H. S., & Ferraz, J. D. M. (2018). Para além da epistemologia: reflexões necessárias para o desenvolvimento do conhecimento. REAd. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre), 24(2), 1-30. Doi: 10.1590/1413-2311.204. 80474.

Foucault, M. (2014). Microfísica do poder. 28ª. ed. São Paulo: Paz e Terra.

Flick, U. (2004). Uma introdução à Pesquisa Qualitativa. São Paulo: Artmed.

Godoy, A. S. (1995). Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 35(2), 57-63.

Guattari, F., & Rolnik, S. (2007). Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes.

Habermas, J. (2012). Teoria do agir comunicativo: Sobre a crítica da razão funcionalista. Trad. Flávio Beno Siebeneichler. WMF Martins Fontes.

Harari, Y. N. (2016). Homo Deus: uma breve história do amanhã. Trad. Paulo Geiger. São Paulo: CIA das Letras.

Lukács, G. (2015). Para uma ontologia do ser social 1. Boitempo Editorial.

Meister, J. (1999). Educação corporativa: a gestão do capital intelectual através das universidades corporativas. São Paulo: Makron Books.

Mendoza, J. M. (2018). Epistemología de la administración: objeto, estatuto, desarrollo disciplinar y método. Revista científica Pensamiento y Gestión, (45).

Merriam, S. (1998). Qualitative Research and Case Study Applications in Education. San Francisco: Jossey-Bass.

Mészáros, I. (2015). A montanha que devemos conquistar: reflexões acerca do Estado. Boitempo Editorial.

Morgan, G. (2002). Imagens da Organização. São Paulo: Atlas.

Mozzato, A. R., & Grzybovski, D. (2011). Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 731-747.

Paula, A. P. P. de. (2016). Para além dos paradigmas nos Estudos Organizacionais: o Círculo das Matrizes Epistêmicas. Cadernos EBAPE. BR, 14(1), 24-46.

Putnam, L. L., Fairhurst, G. T., & Banghart, S. (2016). Contradictions, dialectics, and paradoxes in organizations: A constitutive approach. The Academy of Management Annals, 10(1), 65-171. Doi: 10.1080/19416520.2016.1162421.

Rocha, L. C. S., Araújo, G. E. F. de, & Marques, R. O. (2012). Abordagens Epistemológicas nas Pesquisas em Administração: Uma Análise nas Dissertações de um Programa de Pós-Graduação no Nordeste Brasileiro. HOLOS, 4, 126-147. Doi: 10.15628/holos.2012.976.

Semprebom, E., Freitas, A., & Augusto, P. O. M. (2013). Etnografia. In Takahashi, A. R. W. (Org.) Pesquisa Qualitativa em Administração – Fundamentos, métodos e usos no Brasil. São Paulo: Atlas.

Serva, M. (2017). Epistemology of Administration in Brazil: State of the Art. Cadernos EBAPE. BR, 15(4), 741-750.

Silveira, R. A. da. (2005). Michel Foucault: poder e análise das organizações. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Surak, K. (2017). Rupture and Rhythm: A Phenomenology of National Experiences. Sociological Theory, 35(4), 312-333.

Tesch, R. (2013). Qualitative Types: Analysis Typ. Routledge.

Van Seggelen-Damen, I. C., & Romme, A. G. L. (2014). Reflective questioning in management education: Lessons from supervising thesis projects. SAGE Open, 4(2), 2158244014539167.

Vygotsky, L. S. (2001). A construção do pensamento e da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes Editora Ltda.

Zygmunt, B. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar.

Downloads

Publicado

16/12/2020

Como Citar

Brito, L. M. P., Castro, A. B. C. de, Sousa, J. C. de, & Figueiró, R. de A. (2020). POR UM CAMINHO PARA O ENSINO DA EPISTEMOLOGIA NA ADMINISTRAÇÃO – UMA CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA. HOLOS, 6, 1–20. https://doi.org/10.15628/holos.2020.8139

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)