DESCARTE DO CONHECIMENTO COMO ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO: UM ESTUDO EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DO NORDESTE DO BRASIL

Autores

  • Ahiram Brunni Cartaxo de Castro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte
  • Lydia Maria Pinto Brito Universidade Potiguar

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2014.1214

Resumo

O descarte do conhecimento é uma atividade complexa, pois o conhecimento passou a ser reconhecido como o principal recurso das organizações, ou seja, as organizações passaram a apenas absorver uma panaceia de conhecimentos e o problema agora são os obstáculos psicológicos, políticos e de mensuração que devem ser superados, para que se desfaçam do conhecimento que não satisfaz mais os seus objetivos estratégicos. Diante disso, a questão de pesquisa é: como uma instituição pública de educação não-formal do nordeste do Brasil percebe o descarte do conhecimento organizacional? A pesquisa se justifica pela possibilidade de levantar medidas quantitativas sobre como a organização descarta o conhecimento que pode abrir espaço para inovação, e pela ausência de trabalhos diretamente relacionados nas bases acadêmicas de conhecimento na internet. O objetivo é verificar a partir da percepção dos gestores de uma instituição pública de educação não-formal do nordeste do Brasil como é descartado o conhecimento. Para isso, se utilizou a Seção Descarte do Diagnóstico de Gestão do Conhecimento proposto por Bukowitz e Williams (2002). Foi realizado um estudo de caso e de campo, de abordagem quantitativo-descritiva. Os dados foram tratados em planilhas eletrônicas. Os resultados sinalizam contradições, pois a organização que precisa disseminar saberes de ponta para produtores rurais, não consegue descartar conscientemente o conhecimento datado que possui e que não agrega mais valor. Além disso, a preocupação da organização está em adquirir conhecimento, mesmo que este não esteja alinhado à sua estratégia, e manter seus dados intactos; apesar de não se esforçar para evitar que as pessoas que filtram, direcionam e atualizam os dados permaneçam na organização, nem viabiliza tecnologias e idéias para produzir inovação a partir do conhecimento que adquiri.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ahiram Brunni Cartaxo de Castro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Graduado em Administração, com especialização em Gestão de Pessoas e em Extensão Rural para o Desenvolvimento Sustentável, e com Mestrado em Administração. Atualmente exerce o cargo de Administrador e função de Coordenador de Gestão de Pessoas no IFRN-Câmpus Apodi. Área: Administração.

Lydia Maria Pinto Brito, Universidade Potiguar

Possui graduação em Serviço Social, mestrado em Sociologia e doutorado em Educação. Atualmente é professor titular do Curso de Mestrado em Administração da Universidade Potiguar-RN. Tem experiência na área de Gestão de Pessoas, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão por competência, gestão do conhecimento, organizações de aprendizagem, comportamento organizacional (cultura e clima), gestão estratégica de pessoas, relações de trabalho e responsabilidade social. É professora de cursos de Pós-graduação, consultora e Autora/Co-autora de livros.

Referências

ACEVEDO, C. R.; NOHARA, J. J. Monografia no curso de administração: guia completo de conteúdo e forma. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

CAPORAL, Francisco Roberto. A redescoberta da Assistência Técnica e Extensão Rural e a implementação da Pnater: nova âncora para a viabilização de acesso a políticas de fortalecimento da Agricultura Familiar. Disponível em: http://www.pronaf.gov.br/dater/arquivos/0730620568.pdf. Acesso em: 27 de novembro de 2009.

ANGELONI, Maria T. Elementos intervenientes na tomada de decisão. Ciência da informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. 17-22, jan./abr. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v32n1/15969.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2011.

BARRETO, Aldo de Albuquerque. Memórias, esquecimento e estoque de informação. 2007. Disponível em: http://www.aldoibct.bighost.com.br/MemorEsquecim.pdf. Acessado em: 12/07/2012.

BATISTA, Fábio F. et al. Gestão do Conhecimento na administração pública. Texto para discussão nº1095. Brasília: [s.n.], 2005. Disponível em: www.terraforum.com.br/biblioteca/Documents/lib-doc00000229v001relatorio_ipea.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2011.

BRITO, Lydia M. P. Gestão de competências, gestão do conhecimento e organizações de aprendizagem: instrumentos de apropriação pelo capital do saber do trabalhador. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2005.

REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: Vol. 46, Nº 5, p. 1341-1366. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2012.

BUKOWITZ, Wendi R.; WILLIAMS, Ruth L. Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. São Paulo: Bookman, 2002.

CHOO, Chun W. A. Organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac, 2003.

DAVENPORT, Thomas; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier, 1998.

DRUCKER, Peter F. et al. Aprendizado organizacional. São Paulo: Campus, 2000.

EMATER. Relatório de gestão de pessoas. Natal: Ungraf, 2009.

FERREIRA, Aurélio B. de H. Minidicionário da língua portuguesa. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

GIL, A. Carlos. Método e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

LARA, Consuelo R. D. de. A atual gestão do conhecimento: a importância de avaliar e identificar o capital intelectual nas organizações. São Paulo: Nobre, 2004.

MATTAR, F. N. Pesquisa de Marketing: metodologia, planejamento, execução e análise. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

Ministério do Desenvolvimento Agrário. Agricultura Familiar no Brasil e o Censo Agropecuário 2006. Disponível em: http://www.mda.gov.br/arquivos/2246122356.pdf. Acesso em: 27 de novembro de 2004.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

REMOR, Lourdes de C.; MIRANDA, Angélica C.D.; SANTOS, Neri dos.; STEIL, andréia V.; MONGUILHOTT REMOR, Carlos A. Esquecimento Organizacional e suas consequências no processo de aprendizagem organizacional. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, Maio/jun, 2010. Disponíel em: http://www.scielo.br/pdf/rap/v44n3/06.pdf. Acessado em: 01/10/2011.

SILVA FILHO, M. Marques da. A Extensão Rural em Meio Século: A Experiência do Rio Grande do Norte. EMATER-RN, 2005.

STEWART, Thomas A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

SVEIBY, Karl Erik. A nova riqueza das organizações, gerenciando e avaliando patrimônios de Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

TAVARES, Wolmer R. Gestão do conhecimento: Educação e Sociedade do Conhecimento. São Paulo: Ícone, 2010.

TERRA, José C. C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

Downloads

Publicado

02/08/2014

Como Citar

de Castro, A. B. C., & Brito, L. M. P. (2014). DESCARTE DO CONHECIMENTO COMO ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO: UM ESTUDO EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DO NORDESTE DO BRASIL. HOLOS, 4, 397–414. https://doi.org/10.15628/holos.2014.1214

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)