A RESSIGNIFICAÇÃO DA ÁREA DE GESTÃO DE PESSOAS E OS NOVOS PAPÉIS DAS PESSOAS E DAS ORGANIZAÇÕES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5168

Palavras-chave:

Novos modelos de gestão, Ressignificação da gestão de pessoas, Papel dos trabalhadores, papel das organizações

Resumo

O objetivo desse trabalho é conhecer a nova lógica de gestão das pessoas nas organizações em busca do conhecimento e os novos papéis que os trabalhadores assumem nesse contexto. Partiu-se do pressuposto que os novos modelos de gestão exigem novos papéis de trabalhadores e de gestão de pessoas nas organizações. As teorias administrativas analisadas são principalmente de Nonaka e Takeuchi (1997), Brito (2005), Reinhardt et al. (2011), Fukunaga et al. (2015), Freire et al. (2016) e Castro e Brito (2016). Trata-se de um ensaio teórico cujas considerações provisórias sinalizam que o papel dos trabalhadores é saber alocar o conhecimento para uso produtivo, combinar competências no processo criativo para gerar a inovação, desenvolver a escolaridade viabilizando-se o saber fazer através das experiências e da proficiência práticas para construção de novos conhecimentos, desenvolver atitude cooperativa para saber trabalhar em equipes complementares e multidisciplinares, procurar o desenvolvimento e atualização constante das competências requeridas pela organização através de educação e treinamento para o trabalho. Enquanto, o papel das organizações é de apoiar e estimular as atividades criadoras de conhecimento dos indivíduos, ou seja, prover condições facilitadoras para o desenvolvimento dos trabalhadores e ressignificar a gestão de pessoas. Portanto, a educação para o trabalho se configura como a espinha dorsal da gestão do trabalho com pessoas tornando-se uma questão estratégica para as organizações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ahiram Brunni Cartaxo de Castro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN, RN)

Doutorando e Mestre em Administração pela Universidade Potiguar (UNP, RN), especialista em Gestão de Pessoas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN, RN). Administrador no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN, RN).

Lydia Maria Pinto Brito, Universidade Potiguar (UNP, RN)

Professora Titular de Pós-Graduação em Administração (Doutorado e Mestrado) da Universidade Potiguar (UNP, RN). Graduação em Serviço social (1974) e especialização em Teoria e Prática de Serviço Social (1980) pela Universidade Estadual do Ceará - UECE. Mestrado em Sociologia (1998) e doutorado em Educação (2004) pela Universidade Federal do Ceará - UFC.

Jedídja Hadassa de Santana Varela, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN, RN).

Especialista em Psicologia Organizacional e do Trabalho e em Terapia Cognitivo Comportamental pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN, RN).

Referências

Bagnoli, C., & Vedovato, M. (2012). The impact of knowledge management and strategy. J Manag Gov. 18, 615-647.

Becerra-Fernandez, I., Sabherwal, R. (2015). Knowledge Manegement: systems and processes. Routledge: New York.

Besseyre Des Horts, C. (1988). Gérer les ressources humaines dans I’entreprise. Concepts et Outils. Paris: Les Editions D’Organisation.

Borges-Andrade, J. E. et al. (2006). Treinamento, Desenvolvimento e Educação em Organizações e Trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre: Artmed.

Bukowitz, W. R., & Williams, R. L. (2002). Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. São Paulo: Bookman.

Brinkley, I. (2006). Defining the knowledge economy: knowledge economy programme report. London: The Work Foundation. Part of Lancaster University.

Brito, L. M. P. (2005). Gestão de competências, gestão do conhecimento e organizações de aprendizagem: instrumentos de apropriação pelo capital do saber do trabalhador. Fortaleza: Imprensa Universitária.

Castro, A. B. C. de, & Brito, L. M. P. (2016). Como o IFRN/Campus são Paulo do Potengi aprende? In: Castro, A. B. C. de, Lima, J. G. S. A. de, Aquino, M. E. S. P. de, & Silva, U. R. de L. (Org.). Práticas educativas em movimento: experiências formativas de ensino, pesquisa, extensão e gestão no Campus São Paulo do Potengi do IFRN. Natal: IFRN Editora.

Castro, A. B. C. de, & Brito, L. M. P. (2016). Gestão do Conhecimento: como as organizações públicas do Brasil percebem esse modelo? Revista Gestão Industrial. 12(2), 59-72.

Choo, C. W. (2003). A Organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac.

Davenport, T., & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier.

Drucker, P. F. (1995). Administrando em tempos de grandes mudanças. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Eboli, M. et al. (1999). Universidades Corporativas. São Paulo: Schmukler.

França, A. C. L. (2007). Práticas de Recursos Humanos: conceitos, ferramentas e procedimentos. São Paulo: Atlas.

Fukunaga, F., Macedo, V., Santos, N. M. B. F. dos, Carvalho, F. C. A. de., & Almeida, E. P. (2015). Indicadores bibliometricos da produção acadêmica mundial sobre o conceito do trabalhador do conhecimento. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, 5, Número Especial, 42-56.

Freire, P. S., Dandolini, G., A.; Souza, J. A. de, Trierweiller, A. C., Silva, S. M. da; Sell, D., Pacheco, R. C. dos S., Todesco, J. L., & Steil, A. V. (2016). Corporate University Network: Initial Considerations for a New Modelo of Corporate Education. Revista ESPACIOS. 37(5), 2016.

Geisler, E., & Wickramasinghe, N. (2009). Principles of Knowledge Management: theory, practice, and cases. Routledge: New York.

Goldsmith, M. (2003). Coaching: o exercício da liderança. Rio de Janeiro: Campus.

Hamel, G., & Prahalad, C. K. (1995). Competindo pelo Futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar mercados de amanhã. São Paulo: Campus.

Kianto, A., Ritala, P., Spender, J., & Vanhala, M. (2014). The interaction of intellectual capital assets and knowledge management practices in organizational value creation. Journal of Intellectual Capital. 15(3), 362-375.

Kim, T. H., Lee, J., Chun, J. U., & Benbasat, I. (2014). Understanding the effect of knowledge management strategies on knowledge management performance: A contingency perspective. Information & Management. 51(4), 398–416.

Leone, N. M. de C. P. G. (2007). Evidências empíricas em face das referências teóricas nas funções estratégicas da gestão de pessoas. In: Brito, L. M. P. (Org.). Práticas de pesquisa em gestão de pessoas 2: a tênue separação entre o público e o privado no Brasil. Fortaleza: Edições UFC.

Massingham, P. (2014). An evaluation of knowledge management tools: Part 1 – managing knowledge resources. Journal of Knowledge Management. 18(6), 1075-1100.

Margherita, A., & Secundo, G. (2009). The Emergence of th Stakeholder University, em Romano, Aldo. Open Business Innovation Leadership The Emergence of the Stakeholder University. Londres: Palgrave Macmillan, 30(2), 170-206.

Marques, F. (2015). Gestão de Pessoas: fundamentos e tendências. Brasília: DDG/ENAP.

Meister, J. (1999). Educação corporativa: a gestão do capital intelectual através das universidades corporativas. São Paulo: Makron Books.

Mundim, A. P. F., & Ricardo, E. J. (2004). Educação Corporativa. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

Oliveira, J. A. de, Castro, A. B. C. de, & Brito, L. M. P. (2016). Gestão do Conhecimento: um estudo em um hospital federal universitário do Nordeste do Brasil. Revista Gestão & Conhecimento, 10(2), Jul./Dez.

Pyoria, P. (2005). The concept of knowledge work revisited. Journal of Knowledge Management. 4(9), 116-127, Mar.

Rakhsh, P., & Ahmadi, E. (2011). Creativity, organizational learning, and operation. 2nd International Conference on Education and Management Technology, IPEDR, 13, IACSIT Press, Singapore.

Reinhardt, W., Schmidt, B., Sloep, P., & Drachsler, H. (2011). Knowledge Worker Roles and Actions - Results of Two Empirical Studies. Knowledge and Process Management. 18(3), 150-174.

Senge, P. R. (2012). A quinta Disciplina: arte e prática da organização que Aprende. São Paulo: Best Seller.

Scoot, B. B. (2011). Organizational Learning: A Literature Review. Discussion Paper #2011-02. Queens University, jan.

Schlesinger, C. C. B., Reis, D. R. dos, Silva, H. F. N., Carvalho, H. G. de, Sus, J. A. L. de, Ferrari, J. V., Skrobot L. C., & Xavier, S. A. de (2008). Gestão do conhecimento na administração pública. [S.l.]: Instituto Municipal de Administração Pública - IMAP.

Shepherd, D. A., & Sutcliffe, K. M. (2011). Inductive Top-down Theorizing: a Source of New Theories of Organization. Academy of Managament Review. 36(2), 361-380.

Stewart, T. A. (1998). Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro: Campus.

Strauhs, F. do R., Pietrovski, E. F., Santos, G. D., Carvalho, H. G. de, Pimenta, R. B., & Penteado, R. S. (2012). Gestão do conhecimento nas organizações. Curitiba: Aymará Educação.

Skerlavaj, M., Song, J. H., & Le, Y. (2010). Organizational learning culture, innovative culture and innovations in South Korean ?rms. Journal Expert Systems with Applications. 37, 6390-6403.

Ulrich, D. (1998). Os campeões de Recursos Humanos. Inovando para obter os melhores resultados. São Paulo: Futura.

Von Krogh, G., Ichijo, K., & Nonaka, I. (2001). Facilitando a criação do conhecimento: reinventando a Empresa com o Poder da Inovação Continua. Rio de Janeiro: Campus.

Wahyuningsih, A., Astuti, E. S., Musadieq, M. A. (2013). The Effect of Organizational Learning on Knowledge Management, Capability and Performance of Organization. Journal of Basic and Applied Scientific Research. 3(5), 159-169.

Wood Jr., T., Picarelli Filho, V. (1995). Remuneração estratégica. São Paulo: Atlas.

Downloads

Publicado

19/09/2017

Como Citar

Castro, A. B. C. de, Brito, L. M. P., & Varela, J. H. de S. (2017). A RESSIGNIFICAÇÃO DA ÁREA DE GESTÃO DE PESSOAS E OS NOVOS PAPÉIS DAS PESSOAS E DAS ORGANIZAÇÕES. HOLOS, 4, 408–423. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5168

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)