MEDINDO O GRAU DE INOVAÇÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO NORDESTE DO BRASIL

Cicero Eduardo Walter, Cláudia Miranda Veloso, Paula Odete Fernandes

Resumo


As empresas não operam em total isolamento do meio em que estão inseridas. O entorno ao mesmo tempo em que é influenciado pelas organizações influencia na conduta e desempenho das mesmas, sobretudo, no que diz respeito à prática da inovação. As pequenas e médias empresas são o motor do desenvolvimento económico, principalmente em países em desenvolvimento como o Brasil. Nessa conformidade, o principal objetivo desta pesquisa foi apresentar e testar um modelo de pesquisa de inovação em Micro e Pequenas Empresas proposto por Walter, Veloso e Fernandes (2017) para analisar: (1) o grau de inovação das Micro e Pequenas Empresas e (2) como a inovação é apresentada nas Micro e Pequenas Empresas como resultado de seus ambientes de negócios. Para isso, o estudo baseou-se em uma amostra de 617 MPE distribuídas em 6 cidades do Estado do Piauí. Os dados foram coletadosatravés da aplicação do Radar de Inovação. Foram utilizadas técnicas estatísticas de natureza descritiva, exploratória e inferencial. Os resultados mostraram que as MPE têm capacidade de inovação entre “Pouco Inovadoras" e “Inovadoras Ocasionais", devido à maior expressividade de inovações organizacionais e de marketing, e que a média e a distribuição da inovação são as mesmas entre as MPE analisadas.



Palavras-chave


Micro e Pequenas Empresas, Gestão, Inovação, Piauí, Brasil.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Akis, E. (2015). “Innovation and Competitive Power”. Procedia - Social and Behavioral Sciences, Vol.195, pp. 1311-1320.

Aarstad, J., Kvitastein, O., & Jakobsen, S. (2016). “Related and unrelated variety as regional drivers of enterprise productivity and innovation: A multilevel study”. Research Policy, Vol. 45, pp. 844-856.

Bayarçelik, E., Tasel, F., & Apak, S. (2014). “A Research on Determining Innovation Factors for SMEs”. Procedia - Social and Behavioral Sciences, Vol. 150, pp. 202-211.

Bachmann, D. L. (2011). Metodologia para determinar o radar da inovação nas pequenas empresas. Curitiba: (s.n.).

Boeddrich, H. J. (2004). “Ideas in the workplace: a new approach towards organizing the fuzzy front end of the innovation process”. Creativity & Innovation Management, Vol.13, No 4, pp.274-285.

Brem, A., & Voigt, K.I. (2009). “Integration of market pull and technology push in the corporate front end and innovation management-insights from the German software industry”. Technovation, Vol. 29, No 5, pp. 351-367.

Ceretta, G., Reis, D., & Rocha, A. (2016). Inovação e modelos de negócio: um estudo bibliométrico da produção científica na base Web of Science. Gestão e Produção, 23(2), 433-444.

Cooper, R. G. (1988). “The new product process: a decision guide for management”. Journal of Marketing Management, Vol. 3, No 3, pp. 238-255.

Demonel, W., & Marx, R. (2015). “Gestão da Cadeia de Valor da Inovação em ambientes de baixa intensidade tecnológica”. Production, Vol. 25, No 4, pp. 988-999.

Flynn, M., Dooley, L., O'sullivan, D., & Cormican, K. (2003). “Idea management for organisational innovation”. International Journal of Innovation Management, Vol. 7, No 4, pp. 417-442.

Hamel, G., & Sayago, A. (2007). Derrubando as muralhas que cercam a criatividade empresarial. Subtítulo em: Harvard Business School: Implementando a inovação. 29-39. Rio de janeiro: Elsevier.

Inan, G., & Bititci, U. (2015). Understanding organizational capabilities and dynamic capabilities in the context of micro enterprises: a research agenda. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 210, 310-319.

JUCEPI. (2015, 3 de Julho). Piauí registra crescimento na abertura de novas empresas. Acesso em: 15 de Outubro de 2016. Disponível em: http://www.jucepi.pi.gov.br/noticia.php?id=90

Koen, P. A., Ajamian, G., Burkart, R., Clamen, A., Davidson, J., D'amore, R., Elkins, C., Herald, K., Incorvia, M., Johnson, A., Karol, R., Seibert, R., Slavejkov, A., & Wagner, K. (2001). “Providing clarity and a common language to the ‘fuzzy front end’”. Research Technology Management, Vol. 44, No 2, pp. 46-55.

Khurana, A., & Rosenthal, S. R. (1997). “Integrating the fuzzy front end of new product development”. Sloan Management Review, Vol. 38, No 2, pp. 103-120.

Kim,W., & Mauborgne, R. (2005). A estratégia do Oceano Azul:como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. Rio de janeiro: Elsevier.

Kurkkio, M., Frishammar, J., & Lichtenthaler, U. (2011). “Where process development begins: a multiple case study of front end activities in process firms”. Technovation, Vol. 31, No 9, pp. 490-504.

Maroco, J., & Marques, T. (2006). Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas? Laboratório de Psicologia, 4(1), 65-90.

Neto, A., & Teixeira, R. (2011). Mensuração do Grau de Inovação de Micro e Pequenas Empresas: Estudo em Empresas da Cadeia Têxtil-Confecção em Sergipe. XXXV ENANPAD, Rio de Janeiro, Setembro.

OCDE & FINEP. (2005). Manual de Oslo. (3.ed.). Retirado de: . Acedido em 02 de setembro de 2016.

Ornek, A., & Ayas, S. (2015). The Relationship Between Intellectual Capital, Innovative Work Behavior and Business Performance Reflection. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 195, 1387-1395.

Paredes, B., Santana, G., & Fell, A. (2014). Um estudo de aplicação do radar da inovação: o grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor metal- mecânico.Revista de Gestão e Tecnologia, 4(1), 76-88.

Paula, C. (2014). Análise do grau de inovação das Micro e Pequenas Empresas do segmento alimentício atendidas pelo programa Agentes Locais de Inovação na Região Oeste do Estado de Goiás. (Dissertação de Mestrado, Faculdades Alves Faria, Goiânia, GO, Brasil).

Pereira, M., Grapeggia, M., Emmendoerfer, M., & Três, D. (2009). “Fatores de inovação para a sobrevivência das Micro e Pequenas Empresas no Brasil”. RAI - Revista de Administração e Inovação, Vol. 6, No 1, pp. 50-65.

Reichert, F., Camboim, G., & Zawislak, P. (2015). “Capacidades e Trajetórias de Inovação de Empresas Brasileiras”. Ram-Revista de Administração Mackenzie, Vol. 16, No 5, pp. 161-194.

Rodrigues, A. (2003). Cluster e Competitividade: um estudo da concentração de Micro e Pequenas Empresas de Alimentos no município de Marília/SP (Tese de Doutoramento, Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, Brasil).

Rothwell, R. (1994). “Towards the fifth generation innovation process”. International Marketing Review, Vol. 11, pp. 7-31.

Reid, S. E., & Brentani, U. (2004). “The fuzzy front end of new product development for discontinuous innovations: a theoretical model”. Journal of Product Innovation Management, Vol. 21, No 3, pp. 170-184.

Rojas, S., & Carrillo, A. (2014). “Sistema para la evaluación de capacidades de innovación en pymes de países en desarrollo: caso Panamá”. Revista Facultad de Ciencias Económicas, XXII No 2, Diciembre, pp. 109-122.

Šoltés, V., & Gavurová, B. (2014). “Innovation policy as the main accelerator of increasing the competitiveness of small and medium-sized enterprises in Slovakia”. Economics and Finance, Vol. 15, pp. 1478-1485.

Sibirskaya, E., Stroeva, O., & Simonova, E. (2015). The Characteristic of the Institutional and Organizational Environment of Small Innovative and Big Business Cooperation. Economics and Finance, 27, 507-515.

Sawhney, M. Wolcott, R. C., & Arroniz, I. (2006). The 12 Different Ways for Companies to Innovate. MIT, Spring.

Skibinski, A., & Sipa, M. (2015). “Sources of Innovation of Small Businesses: Polish Perspective”. Economics and Finance, Vol. 27, pp. 429-437.

Schreiber, D., Bessi, V., Puffal, D., & Tondolo, V. (2013). Posicionamento estratégico de MPEs com base na inovação através do modelo hélice tríplice. Revista Eletrônica de Administração, 76(3), 767-795.

Tigre, P. (2006). Gestão da Inovação: a Economia da Tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier.

Taborda, C., Estevão, C., & Nunes, S. (2013). “A gestão da inovação nas PME's da Beira Interior: as perspetivas dos gestores”. Tourism & Management Studies, Vol. 9, No 2, pp. 124-129.

Whitney, D. E. (2007). “Assemble a technology development toolkit”. Research Technology Management, Vol. 50, No 5, pp. 52-58.

Walter, C., Veloso, C., & Fernandes, P. (2017). Innovation in Micro and Small Enterprises: a conceptual proposal for research. South American Development Society Journal, 3(08), 162 - 177.




DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2019.7080



 

HOLOS IN THE WORLD