CAPACIDADE DE INOVAÇÃO NAS EMPRESAS INCUBADAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2016.3696

Palavras-chave:

Empresas Incubadas, Incubadoras, Inovação

Resumo

O estudo apresentado neste artigo tem como objetivo compreender a capacidade de inovação das empresas incubadas na perspectiva da Incubadora Tecnológica Natal Central (ITNC). Para atingir esse objetivo foram realizadas entrevistas com a equipe da ITNC, para avaliar a capacidade de inovação das empresas incubadas. A partir dos resultados dessas empresas, pode-se identificar, do ponto de vista da ITNC, a presença dos fatores que constituem a capacidade de inovação, sendo a intenção estratégica de inovar e a gestão de projetos percebidos de maneira mais sutil e a organicidade da estrutura organizacional e a gestão estratégica da tecnologia notada com predominantes no dia a dia dessas empresas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Elizomar de Assis Nobre, IFRN - PROPI

Mestranda em Administração, Especialista em Assessoria Executiva, com formação em Secretariado Executivo. Trabalha no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, como Secretária Executiva.

 

Raquel Priscyla da Silva Costa, IFRN - PROAD

Mestranda em Administração, especialista em Gestão Estratégica de Negócios com formação em Secretariado Executivo. Trabalha no Instituto Federal como Secretária Executiva.

Walid Abbas El-Aouar, Coordenador e professor do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar - UNP.

Graduado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1985) e Mestre em Administração, com ênfase em GESTÃO ORGANIZACIONAL, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2002). Atualmente, é Doutor em Administração (2012) pela UFRN e professor titular e Coordenador do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar (UnP). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Gestão e Comportamento Organizacional, atuando principalmente nos seguintes temas: empreendedorismo, plano de negócio, qualidade de vida, estratégia competitiva e Gestão com Pessoas. Atuou como empresário do agronegócio e consultor do SEBRAE.

Laís Karla da Silva Barreto, Professora do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar - UNP.

Possui Doutorado e Mestrado pelo Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Realizou Especialização em Práticas Pedagógicas no Ensino Superior na Universidade Potiguar e é graduada em Comunicação Social e Letras pela UFRN. Atualmente integra o quadro docente do Mestrado Profissional em Administração / Universidade Potiguar. É Editora da revista Connexio (vinculada ao MPA/UNP). Tem experiência nas áreas de Comunicação (Jornalismo e Publicidade), Gestão, Educação, Empreendedorismo e Inovação.

Lieda Amaral de Souza, Professora do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar - UNP.

Possui graduação em Ciencias Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1984) e mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2001) e Doutoranda em Tecnologia e Sistemas de Informações pela Universidade do Minho (2008). Atualmente é escotista chefe da tropa sênior do Grupo Escoteiro do Ar Nossa Senhora das Neves, diretora - Escoteiros do Brasil, Diretora do Sindicato dos Contabilistas do Estado do Rio Grande do Norte, vice presidente desenvolvimento profissional do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Norte, presidente da comissão da mulher contabilista do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Norte, professora dns III da Universidade Potiguar. Membro do painel de especialistas do FAD/FMI. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Gestão de Riscos Operacionais, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão de riscos e estratégia de inovação aberta (crowdsourcing innovation) e administração tributária

Referências

AL-MUBARAKI, Hanadi Mubarak; BUSLER, Michael. Incubator successes: Lessons learned from successful incubators towards the twenty-first century. World Journal of Science, Technology and Sustainable Development, v. 11, Iss: 1, pp. 44 – 52, 2014.

ARAÚJO, Victor Ranieri Bomfim Sampaio de. et al. Avaliação de Empresas: um estudo em uma empresa incubada no Estado de Alagoas. In: 30ª Conferência Mundial IASP de Parques Científicos e Tecnológicos e XXIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas, APROTEC, Recife, 2013.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES. Disponível em: <http://anprotec.org.br/site/menu/incubadoras-e-parques/perguntas-frequentes/> Acesso em: 31 ago. 2015.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES; SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Planejamento e implementação de incubadoras de empresas. Brasília: Anprotec/Sebrae, 2002.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES. Estudo, análise e proposições sobre as Incubadoras de Empresas no Brasil. Relatório técnico 2012. Brasília: ANPROTEC, 2012.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 4 ed. Lisboa: Edições 70, LDA. 2009.

BASSAN, Dilani Silveira. Alguns aspectos teóricos do desenvolvimento com o olhar na região do Vale do Paranhana. RDE – Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 16, n. 29, 2014.

BRASIL. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>. Acesso em: 31 ago. 2015.

BRASIL. Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, que dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5563.htm>. Acesso em: 31 ago. 2015.

CONSELHO TÉCNICO CONSULTIVO DA ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. Aprova Estatuto da Incubadora desta Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte. Resolução n. 2, de 15 ago. 1994.

CHURCHILL, N.C.; MUZYKA, D.F. High performance entrepreneurial teams, In Frontiers of Entrepreneurship Research, p. 503, 1995.

DE FELICE, A. Measuring the social capabilities and the implication on innovation. Journal of Economic Studies. 41, 6, 907-928, nov. 2014. ISSN: 01443585.

ENGEL, Kai; DIRLEA. Violetka; DYER, Stephen; GRAFF, Jochen.Best innovators develop a point of view on the future and a roadmap on how to get there. Strategy & Leadership, v. 43, Iss 2, pp. 15 – 22, 2015.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf>. Acesso em: 20 set. 2015.

HASHIMOTO, Marcos. Espírito empreendedor nas organizações: aumentando a competitividade através do intra-empreendedorismo. São Paulo: Saraiva, 2006.

HENDERSON, Rebecca M.; CLARK, Kim B. Architectural Innovation: The Reconfiguration of Existing Product Technologies and the Failure of Established Firms. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 1, Special Issue: Technology, Organizations, and Innovation, pp. 9-30, 1990.

INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL-CENTRAL – Disponível em: <http://www2.ifrn.edu.br/itnc/novo/>Acesso em 28 ago. 2015.

LAWSON, Benn; SAMSON, Danny. Developing Innovation Capability in Organizations: A Dynamica Capabilities Approach. International Journal of Innovation Management. Vol. 5 nº 3. P. 377-400. 2001.

LEMOS, Cristina. Inovação na Era do Conhecimento. In: LASTRES, H; ALBAGLI, S. (Org.). Informação e Globalização na Era do Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

MALHOTRA, Naresh K. et al. Introdução à pesquisa de marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

MOLINA-PALMA, Manuel Antonio. A capacidade de inovação como formadora de valor: análise dos vetores de valor em empresas brasileiras de biotecnologia. 2004. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-10112004-212943/>. Acesso em: 2015-10-03.

MORAIS, Ednalva F. C. de. (Org) et al. Manual de Acompanhamento e Auto-avaliação de Incubadoras e Empresas Incubadas. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1997.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3. ed. Brasília: FINEP, 2005.

OLIVEIRA, Verônica Macário et al. Entrevistas “Em Profundidade” na Pesquisa Qualitativa em Administração: Pistas Teóricas e Metodológicas. In: Anais do SIMPOI 2012, São Paulo, 2012.

PAIVA JR., F. G. O empreendedor e sua identidade cultural: em busca do desenvolvimento local. In: Anais do XXVIII ENANPAD, Brasília, 2005.

QUINELLO, Robson; NICOLETTI, José Roberto. Inovação operacional. Rio de Janeiro: Brasport, 2009.

SANTOS, J.P; LEITE, J.Y.P; ARAÚJO, A.L.C. Empreendedorismo e Inovação Tecnológica – Uma Nova Metodologia. HOLOS, Natal, ano 21, pp. 36-46, 2005.

SEBRAE. Coleção Estudos e Pesquisas: Sobrevivência das Empresas no Brasil. Unidade de Gestão Estratégica: Brasília, 2013. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Sobrevivencia_das_empresas_no_Brasil=2013.pdf> Acesso em: 25 ago. 2015.

SEBRAE. Modelo otimiza resultados de incubadoras do Rio Grande do Norte. Agência Sebrae de Notícias. http://www.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/NA/Modelo-otimiza-resultados-de-incubadoras-do-Rio-Grande-do-Norte Acesso em 10 de set. 2015.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Teoria do Desenvolvimento Econômico uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. 3. ed. São Paulo: Nova Cultura, 1997.

SILVA, R.L.S; D’AMORE, T.M; ARAÚJO, A.G; SILVEIRA, M.L.S.S. Incubadora e Gestão: Uma Percepção das Empresas Incubadas. HOLOS, Natal, ano 29, vol 3, pp. 27-37, 2013.

THEODORAKOPOULOS, Nicholas; KAKABADSE, Nada K.; MCGOWAN, Carmel. What matters in business incubation? A literature review and a suggestion for situated theorizing. Journal of Small Business and Enterprise Development, v. 21, Iss 4, pp. 602 – 622, 2014.

UKKO, Minna; SAUNILA, Juhani. A conceptual framework for the measurement of innovation capability and its effects. Baltic Journal of Management, v. 7, Iss 4, pp. 355 – 375, 2012.

VALLADARES, Paulo Sergio Duarte de Almeida. Capacidade de inovação: análise estrutural e o efeito moderador da organicidade da estrutura organizacional e da gestão de projetos. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2012.

VALLADARES, Paulo Sergio Duarte de Almeida; VASCONCELLOS, Marcos Augusto; SERIO, Luiz Carlos Di. Capacidade de Inovação: Revisão Sistemática da Literatura. RAC, Rio de Janeiro, v. 18, n. 5, art. 3, pp. 598-626, Set/Out, 2014.

WONGLIMPIYARAT, Jarunee. Incubator policy to support entrepreneurial development, technology transfer and commercialization. World Journal of Entrepreneurship, Management and Sustainable Development, Vol. 10, Iss 4 pp. 334 – 351, 2014.

Downloads

Publicado

23/06/2016

Como Citar

Nobre, E. de A., Costa, R. P. da S., El-Aouar, W. A., Barreto, L. K. da S., & Souza, L. A. de. (2016). CAPACIDADE DE INOVAÇÃO NAS EMPRESAS INCUBADAS. HOLOS, 3, 198–217. https://doi.org/10.15628/holos.2016.3696

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.