ENTRINCHEIRAMENTO ORGANIZACIONAL: A VISÃO DOS SECRETÁRIOS EXECUTIVOS DE UM INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2017.5057

Palavras-chave:

Carreira, Entrincheiramento, Secretário Executivo

Resumo

Esta pesquisa procurou compreender o entrincheiramento organizacional na percepção dos secretários executivos numa instituição pública de ensino na cidade de Natal no Rio Grande do Norte, Brasil. Para o desenvolvimento deste estudo, aplicou-se uma pesquisa descritiva e exploratória, aplicada a sete secretários executivos. O trabalho desenvolveu-se a partir da análise de conteúdo de sete entrevistas semiestruturadas em profundidade, numa abordagem qualitativa, de caráter exploratório e descritivo. Os resultados demonstram que a maioria dos profissionais estão comprometidos com a instituição, uma vez que demonstram estarem satisfeitos com o que fazem e o local no qual desenvolvem suas atividades. No entanto, há servidores insatisfeitos com as atividades que desenvolvem, estão entrincheirados pois nesse momento sair da organização não é vantajoso por perdas de estabilidade, salariais e outros benefícios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Elizomar de Assis Nobre, IFRN - PROPI

Formação Secretariado Executivo, especialização em Assessoria Executiva e cursando Mestrado Profissional em Administração.

Fabiano Faustino Oliveira, IFRN

Mestrando em Administração Profissional na UNP, servidor do IFRN.

Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone

Possui graduação em Administração de Empresas pela Escola Brasileira de Administração Pública (1969), mestrado em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (1983) e doutorado em Doutorado Em Ciencias da Administração - Université de Grenoble II (1988). Atualmente é professor da Faculdade Leão Sampaio, professor da Faculdade Vale do Salgado e professor da Universidade Potiguar. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração, atuando principalmente nos seguintes temas: empresa familiar, sucessão, processo sucessório, pequenas e médias empresas, recursos humanos e comportamento

Laís Karla da Silva Barreto, Universidade Potiguar

Possui Doutorado e Mestrado pelo Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem/ Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Realizou Especialização em Práticas Pedagógicas no Ensino Superior/ Universidade Potiguar e é graduada em Jornalismo, Rádio&TV e Letras pela UFRN. Atualmente integra o quadro docente do Mestrado Profissional em Administração / Universidade Potiguar (conceito 4) e desenvolve atividades para o grupo Leão Sampaio/CE.

Referências

ALBERTI, R. E.; EMMONS, M. L. (1973). Comportamento Assertivo: um guia de auto-expressão. Tradução: Jane Maria Correia. Califórnia, 147 p.

BARDIN, Laurence. ( 1995). Análise de Conteúdo. Edições 70, LDA. Lisboa, tradução.

BLAU, G. (2001). On assessing the constructo validity of two multidimensional constructs Occupational commitment and occupational entrenchment. Human Resource Management Review. Philadelphia, PA, p. 279-298.

CARSON, K.D, & CARSON, P. P. (1997). Career Entrenchment: A quiet march toward occupational death? Academy of management executive, p. 62-75.

COVEY, S.R. (2006). Liderança baseada em princípios. Rio de Janeiro: Elsevier.

DUTRA, J. S. (2009). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. 1 ed. São Paulo: Atlas.

EVANS, Paul. (1996). Carreira, Sucesso e Qualidade de Vida. Revista de Administração de Empresas, ERA. São Paulo, pp. 14-22.

FERNANDES, Bruno. (2013). Gestão Estratégica de Pessoas com foco em competências. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda, Cap. 7, pp. 139-168.

FESTINGER, L. (1975). Teoria da dissonância cognitiva. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

HALL, D. T. (2002). Careers in and out of organizations. Thousand Oaks: Sage Publications, Inc., 368 p. (Foundations for Organizational Science).

KLEIN, F, A. (2016). Motivação, Satisfação Profissional e Evasão no Serviço Público: o caso da carreira de especialistas em Políticas Públicas e Gestão Governamental. Revista Administração Pública. Rio de Janeiro. pp. 17-39.

LONDON, M.; STUMPH, S. (1982). Managing careers. Massachusetts: Addison Wesley.

MAERKER, S. (2008). Secretária: uma parceira de sucesso. São Paulo: Infinito, 119p.

MAGALHÃES, M. O., & GOMES, W. B. (2005). Personalidades vocacionais, generatividade e carreira na vida adulta. Revista Brasileira de Orientação Profissional, n. 6, p. 71-79.

MEYER, J. P., & ALLEN, N. J. A (1991). Three-Component Conceptualization of Organizational Commitment. Human Resource Management Review, Ontário, Canadá. v. 1, n. 1, p. 61-89.

NOBRE, E. A. (2013). Inteligência Emocional: um diferencial para o profissional de secretariado executivo. Expectativa, v. XII, nº 12, p. 43-54.

PASSOS, E.O. (2012). Entrincheiramento e Comprometimento com a Carreira Profissional entre Empregados Públicos: o caso de um órgão do poder judiciário

federal brasileiro. Dissertação de Mestrado da Universidade Católica de Brasília, Pós Graduação em Psicologia, Brasília.

PATTON, M. G. (2002). Qualitative Research and Evaluation Methods, 3 ed. Thousand Oaks,

CA: Sage.

PINHO, A.P.M., BASTOS, A.V.B., ROWE, D.E.O. (2010). Comprometimento, Entrincheiramento e Consentimento Organizacionais: o conceito desses vínculos entre gestores que atuam em diferentes organizações. 13 Entrincheiramento organizacional. In: VI Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD. Florianópolis. Anais. Florianópolis.

RODRIGUES, A. C. A. (2009). Do comprometimento de continuação ao entrincheiramento organizacional: o percurso de validação da escala e análise da sobreposição entre os construtos. Dissertação de mestrado. Universidade Federal da Bahia, Bahia.

RODRIGUES, A. P. G; BASTOS, A. V. B. (2013). Os vínculos de Comprometimento e Entrincheiramento Presentes nas Organizações Públicas. Revista de Ciências da Administração. Santa Catarina, p. 143-158.

RODRIGUES, A. C. A., & BASTOS, A. V. B. (2010). Problemas conceituais e empíricos na pesquisa sobre comprometimento organizacional: uma análise crítica dos modelos trimendisional de J. Meyer e N. Allen. Revista de Psicologia Organizacional e do Trabalho, v. 10 n. 2, p. 129-144.

ROWE, D. E. O., BASTOS, A. V. B., & PINHO, A. P. M (2011). Comprometimento e entrincheiramento na carreira: um estudo de suas influências no esforço instrucional do docente do ensino superior. Revista de Administração Contemporânea. Curitiba, v. 15, n. 6, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S1415-65552011000600002 Acesso em: 1 mai. 2016.

SCHEIBLE, A. C. F., & BASTOS, A. V. B. (2013) An examination of human resource management practices’ influence on Organizational Commitment and Entrenchment. BAR, Brazilian Administration Review. Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, mar. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180776922013000100005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 01 mai. 2016. Epub 27-Nov 2012.

SCHEIN, Edgar H. (1990). Organizational Culture. American Psychologist. Vol. 45(2), p. 109-119.

SILVA, P. M. M; LIMA, A. N. C.; LEONE, N. M. C. P. G. (2015). Entrincheiramento Organizacional: percepção de empregados de uma agência bancária. Revista de Administração – IMED, v. 5 nº 2, p. 111-120.

VEIGA, D.R. (2007). Guia de Secretariado: Técnicas e Comportamento. 3ª Edição. Nacional Editora, 160

p.

VERGARA, S. C. (1998). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2ª. ed. São Paulo:

Atlas.

Downloads

Publicado

19/09/2017

Como Citar

Nobre, E. de A., Oliveira, F. F., Leone, N. M. de C. P. G., & Barreto, L. K. da S. (2017). ENTRINCHEIRAMENTO ORGANIZACIONAL: A VISÃO DOS SECRETÁRIOS EXECUTIVOS DE UM INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO. HOLOS, 4, 424–436. https://doi.org/10.15628/holos.2017.5057

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)