A PÓS-GRADUAÇÃO COMO REFERÊNCIA HISTÓRICA À CARREIRA E À SOCIEDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2022.7655

Palavras-chave:

Ensino Superior, Historicidade da Pós-Graduação, Carreira.

Resumo

Diante das incertezas que rondam o Ensino Superior e as agências de fomento à pesquisa no Brasil, sentimo-nos desafiados a discutir essa temática tão relevante para o desenvolvimento do país. Assim, este estudo tem por objetivo discorrer acerca do sistema de pós-graduação no Brasil, a partir de uma perspectiva histórica, visibilizando seus marcos iniciais, seu desenvolvimento, seu contexto atual e suas perspectivas de continuidade e ampliação. Aborda-se ainda o tema como um dos aspectos supostamente estruturantes da gestão da carreira docente institucionalizada. Adotando-se a abordagem qualitativa, como fontes de informações utilizou-se bibliografia referente aos temas propostos, além do corpus documental composto por pareceres, leis e ainda os planos nacionais de pós-graduação. Compreende-se que, desde sua criação, a pós-graduação alcançou grandes avanços e representa a parcela mais estruturada e em contínuo desenvolvimento no complexo Sistema de Educação Superior no Brasil, apesar dos desafios ainda enfrentados em termos de financiamento, assimetrias e descompassos, destacando-se em seu horizonte histórico uma forte ameaça de supressão quanto aos incentivos do Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Islania Andrade de Lira Delfino, Universidade Federal de Campina Grande

Professora do Centro de Ciências Jurídicas e Sociais da UFCG - Doutoranda em Administração pela USCS. Mestre em Administração pela UFPB.

Israel Soares de Sousa, Universidade Federal de Campina Grande

Professor do Centro de Formação de Professores da UFCG - Doutor em Educação pela UFPB.

Referências

Almeida Júnior, A., Sucupira, Newton, Salgado, Clóvis, Barreto Filho, José, Silva, Maurício Rocha e, Trigueiro, Durmeval, Lima, Alceu Amoroso, Teixeira, Anísio, & Maciel, Valnir Chagas e Rubens. (2005). Parecer CFE nº 977/65, aprovado em 3 dez. 1965. Revista Brasileira de Educação, (30), 162-173. Recuperado de http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782005000300014&lng=pt&tlng=pt.

Alves, M. F., & Oliveira, J. F. de. (2015). Pós-Graduação no Brasil: do Regime Militar aos dias atuais. Revista Brasileira De Política E Administração Da Educação, 30(2). https://doi.org/10.21573/vol30n22014.53680

Barros, A. S. X. (2015). Expansão da educação superior no Brasil: limites e possibilidades. Educ. Soc. Campinas, 36(131), 361-390. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/es/v36n131/1678- 4626-es-36-131-00361.pdf

Lei n. 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Leis/L9394.htm

Brasil. (2018). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Ações e Programas. Recuperado de: http://www.capes.gov.br/acessoainformacao/acoes-e-programas

Brasil. (1079). Ministério da Educação e Cultura, Secretaria de Educação Superior/Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. I Plano Nacional de Pós-Graduação: 1975- 1979. Brasília: MEC/SESU/CAPES.

Brasil. (1982). Ministério da Educação e Cultura, Secretaria de Educação Superior/Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. II Plano Nacional de Pós-Graduação: 1982- 1985. Brasília: MEC/SESU/CAPES.

Brasil. (1986). Ministério da Educação e Cultura, Secretaria de Educação Superior/Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. III Plano Nacional de Pós-Graduação: 1986- 1989. Brasília: MEC/SESU/CAPES.

Brasil. (2004). Ministério da Educação e Cultura, Secretaria de Educação Superior/Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação: 2005-2010. Brasília: MEC/SESU/CAPES.

Brasil. (2010). Ministério da Educação e Cultura, Secretaria de Educação Superior/Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação: 2011-2020. v. I, Brasília: MEC/SESU/CAPES.

Chanlat, J. F. (1995). Quais Carreiras e para qual sociedade (I). RAE-Revista de Administração de Empresas, 35(6), 67-75.

Dutra, J. S. (2007). Administração de Carreiras: uma proposta para repensar a gestão de pessoas. São Paulo: Atlas.

Gatti, B. A. (2001). Reflexão sobre os desafios da pós-graduação: novas perspectivas sociais, conhecimento e poder. Revista Brasileira de Educação, 18, 108-116.

Hostins, R. C. L. (2006). Os Planos Nacionais de Pós-graduação (PNPG) e suas repercussões na Pós-graduação brasileira. Perspectiva, 24(1), 133-160.

Huberman, M. (2000). O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. (2 ed), Porto: Porto, pp. 31-61.

Martins, A. C. P. (2002). Ensino superior no Brasil: da descoberta aos dias atuais. Acta Cirúrgica Brasileira, 17(3), 04-06. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010286502002000900001&lng=en&nrm=iso

Martins, C. B. (2000). O ensino superior brasileiro nos anos 90. São Paulo em Perspectiva, 14(1), 41-60. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 88392000000100006&lng=en&nrm=iso

Martins, C. B. (2003). Pós-graduação no contexto do ensino superior brasileiro. In: MORHY, L. (Org.). Universidade em questão. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1, 175-203.

Mendes, A. D. (2003). A propósito de amebas, ornitorrincos & humanos, ou a difícil arte de construir currículos. In: MORHY, L. (Org.). Universidade em questão. Brasília: Editora Universidade de Brasília, v. 1, p. 139-142.

Nascimento, V. S. O. (2017). O bacharel e a docência: as influências da pós-graduação na carreira profissional. HOLOS, 2, 280-289. Recuperado de: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/5738

Nóvoa, A. (2000). Os professores e as histórias de sua vida. In: (Org.). Vidas de professores. (2 ed). Porto: Porto, pp. 11-30.

Rossi, F. & Hunger, D. (2012). As etapas da carreira docente e o processo de formação continuada de professores de Educação Física. Rev. Bras. Educ. Fís. Esporte, 26(2), 323-338. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180755092012000200014&lng=en&nrm=iso

Saviani, D. (2008). Política educacional brasileira: limites e perspectivas. Revista de Educação PUC-Campinasm, (24), 7-16. Recuperado de: http://www.faiarapos.com.br/Material/21_10_17_Servico_Social_Politicas_Puplicas/DermevalSA VIANI2.pdf

Velloso, J. (2004). A pós-graduação no Brasil: formação e trabalho de mestres e doutores no país. Caderno de Pesquisas, São Paulo, 34(122). Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742004000200012

Downloads

Publicado

13/05/2020

Como Citar

Delfino, I. A. de L., & Sousa, I. S. de. (2020). A PÓS-GRADUAÇÃO COMO REFERÊNCIA HISTÓRICA À CARREIRA E À SOCIEDADE. HOLOS, 2. https://doi.org/10.15628/holos.2022.7655

Edição

Seção

ARTIGOS