PARTICIPAÇÃO DOS APOSENTADOS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE COMPARADA ENTRE OS ESTADOS DA REGIÃO SUDESTE, BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15628/holos.2020.9505

Resumo

A proposta deste estudo é conhecer o perfil do aposentado da região Sudeste que continua no mercado de trabalho após se aposentar. Discutiu-se sobre a (re)inserção dos idosos no mercado de trabalho e o pacto intergeracional da previdência social brasileira. Através de testes estatísticos, como o Teste de Pearson (x²) e análise descritiva, verificou-se que o estado com mais aposentados no mercado de trabalho é São Paulo (SP); com média de renda da aposentadoria menor que a média da renda extra; o nível de instrução predominante foi o ensino fundamental incompleto; e o estado que possui maior média de rendimento extra e maior percentual de informalidade foi o Rio de Janeiro (RJ), sendo que uma grande parte dos aposentados que retornam ao mercado de trabalho é referência na unidade domiciliar. Tais resultados podem auxiliar na formulação de políticas públicas para o idoso, na previdência social, e políticas para o mercado de trabalho e saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maiara Couto Barreto, Universidade Federal de Viçosa

Mestranda em Administração no Departamento de Administração e Contabilidade da Universidade Federal de Viçosa

Professora Substituta no Departamento de Administração e Contabilidade da Universidade Federal de Viçosa

Thiago de Melo Teixeira da Costa, UFV

Possui graduação em Administração pela Universidade Federal de Viçosa, mestrado e doutorado em Economia Aplicada pela mesma universidade. Atualmente é Professor Associado do Departamento de Administração e Contabilidade da Universidade Federal de Viçosa. Tem experiência na área de Administração e Economia, com ênfase na áreas de Seguridade Social, particularmente Previdência Social e Previdência Complementar, além de Finanças e Mercado de Capitais. Atua no corpo de orientadores do Programa de Pós-graduação em Administração - PPGADM/UFV e lidera o Grupo de Pesquisa em Previdência - GPPrev.

Reinaldo Antônio Bastos Filho, UEMG

Doutor em Economia Doméstica PPGED/UFV (2019), Mestre em Administração PPGAdm/UFV (2015), Especialista em Gestão da Produção (2013) e Graduação em Gestão de Cooperativas pela Universidade Federal de Viçosa (2009), além de bacharel em Administração Pública pela Universidade Federal de Ouro Preto (2016). Membro dos grupos de pesquisa Família, Espaço e Sociedade do departamento de Economia Doméstica (UFV), do grupo GERAR no departamento de Economia Rural (UFV), do grupo GEGOP- Espaços deliberativos e governança pública, e do grupo de Administração Pública e Gestão Social (APGS) ambos no departamento de Administração UFV. Experiência em administração, atuando na área de negociação, compras e vendas para supermercados. Extensão universitária através de intercâmbio pelo programa DALUM na Dinamarca-UE (2009). Linha de pesquisa: Administração Pública, Políticas Públicas, Urbanização, Habitação, Redes Sociais e Cooperativismo/Associativismo. Atualmente é professor de Administração da Univeridade Estadual de Minas Gerais.

Luciano de Paula Moraes, UFV

Possui graduação em Administração de Empresas pela Faculdade Metodista Granbery (2007), especialização em Finanças pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2008) e mestrado em Tecnologia (Engenharia de Produção e Sistemas) pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (2011). Tem experiência na área de Administração Geral e Pública.

Referências

BARROS, R. P. de.; MENDONÇA, R. S. P. (1995). Os determinantes da desigualdade no Brasil. In: Seminários de Pesquisa Econômica I. IPEA.

BULLA, L. C.; KAEFER, C. O. (2003). Trabalho e aposentadoria: repercussões na vida do idoso aposentado. Revista Virtual Textos e Contextos, v.2, p. 1-8, dez. Recuperado em 10 novembro, 2018, http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/ index.php/fass/article/view/957.

CAMARANO, A. A.(2001). O idoso brasileiro no mercado de trabalho. Texto para discussão, nº 830. Rio de Janeiro: Ipea.

CAMARANO, A. A.(2004). Os novos idosos brasileiros muito além dos 60? Rio de Janeiro: Ipea,604 p.

CAVALIERI, C. H.; PAZELLO, E. T. (2005). Efeito distributivo das políticas sociais. In: BIDERMAN, Ciro; ARVATE, Paulo (Org.). Economia do setor público no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 339-364.

FAVERO, L. P. L. et al. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.(2010). Censo Demográfico. Recuperado em 15 agosto, 2017, http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm

______. Pesquisa Nacional por Amostra de domicílios: síntese de indicadores. (2016). Rio de Janeiro: IBGE, 108 p. Recuperado em 10 de novembro, 2018, https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98887.pdf

______. Síntese dos Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira.(2008). Recuperado em 27 de setembro, 2018, http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/.

IBRAHIM, F. Z. Aposentadoria parcial e bridge employment. (2018). Migalhas. Recuperado em 10 de julho, 2018,

JANNUZZI, P. M. (2016). Monitoramento e Avaliação de Programas Sociais: uma introdução aos conceitos e técnicas. Campinas: Alínea, 164 p.

KHOURY, H. T. T. et al. (2010). Porque aposentados retornam ao trabalho? O papel dos fatores psicossociais. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, ano 13, v. 1, p. 147-165.

KIEFER, S. Brasileiro vai trabalhar mais para garantir aposentadoria. Estado de Minas. Recuperado em 24 de agosto, 2018, http://www.uai.com.br/UAI/html/sessao_4/2009/03/24/em_noticia_interna,id_sessao=4&id_ noticia=103721/em_noticia_interna.shtml.

LANCMAN, S., SZNELWAR, L. I., & JARDIM, T. A.(2006). Sofrimento psíquico e envelhecimento no trabalho: um estudo com agentes de trânsito. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 17(3), 129-136.

LEE, R. D.; MASON, A. (2011). Population aging and the generational economy: a global perspective. Northampton, MA: Edward Elgar Publishing.

MOTTA, A. B. (2000). Relações de família dos mais idosos. In: Anais do Encontro Anual da Anpocs. Petrópolis, p. 103.

PESTANA, M. H; GAGEIRO, J. N.(2008). Análise de dados para ciências sociais: a complementaridade do SPSS. 5 ed. Lisboa: Sílabo, 694 p.

ROCHA, R. R.; CAETANO, M. A. R. (2008). O Sistema Previdenciário brasileiro: uma avaliação de desempenho comparada. Textos para discussão, n. 1331. Brasília: Ipea.

TURRA, C. M.; AFONSO, L. E. (2017). A consolidação da Previdência Social desde 1988 e seu futuro em um país em envelhecimento. In: MENDES, G.; PAIVA, P. Políticas Públicas no Brasil: uma abordagem institucional. 1 ed. São Paulo: Saraiva, Cáp. 15, p. 317-350.

VANZELLA, E.; NETO, E. A. L.; SILVA, C. C. (2011). A terceira idade e o mercado de trabalho. Revista Brasileira de Ciência da Saúde, v. 14, n. 4, p. 97-100.

Downloads

Publicado

2020-07-31

Como Citar

Barreto, M. C., Teixeira da Costa, T. de M., Bastos Filho, R. A., & Moraes, L. de P. (2020). PARTICIPAÇÃO DOS APOSENTADOS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE COMPARADA ENTRE OS ESTADOS DA REGIÃO SUDESTE, BRASIL. HOLOS, 3, 1–13. https://doi.org/10.15628/holos.2020.9505

Edição

Seção

ARTIGOS